Setembro Amarelo: saiba como agir caso alguém busque apoio

Notícias

Setembro Amarelo: saiba como agir caso alguém busque apoio

Ser empático com os sentimentos da criança e do adolescente é muito importante, além de necessário encorajar a buscar um profissional especializado em saúde mental
23/09/2022
apoio
É muito importante que, ao oferecer apoio, a pessoa mantenha a calma, escute e seja empática.

Quase 100% dos casos de suicídio são relacionados a transtornos mentais. Por isso, receber ajuda de uma rede de apoio e buscar um profissional especializado em saúde mental é muito importante para a prevenção do ato. Neste Setembro Amarelo, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância da disseminação de informações de qualidade sobre o assunto e de como agir caso uma criança ou adolescente busque apoio.

Uma tentativa de suicídio ou uma ideação suicida é sempre algo grave, que deve ser tratado com delicadeza e receber atendimento especializado em saúde mental. “Caso perceba que está conversando com uma criança ou adolescente com humor deprimido ou que tenha alguma conduta autolesiva (como lesões cortantes em punhos ou outros locais do corpo), é importante oferecer apoio, acolher e ser compreensivo”, orienta a psiquiatra Jaqueline Cenci, do Hospital Pequeno Príncipe.

Caso a criança ou o adolescente já realize acompanhamento com profissionais especializados, é necessário que a família repasse os comportamentos e as informações que possam indicar risco de suicídio. “Tanto o tratamento medicamentoso como a psicoterapia têm seu tempo para serem observados os efeitos. Por isso, para seguir no processo de cuidado, não se deve diminuir o sentimento do indivíduo que apresenta o comportamento suicida”, completa a psicóloga Janaina Soncella, do Hospital Pequeno Príncipe.

Manter a calma e empatia, além de estar disposto e presente em atividades rotineiras, também é crucial para auxiliar a pessoa nesse momento. “Deve-se ter em mente que a criança ou o adolescente podem vivenciar um processo depressivo. Por isso, é importante respeitar a necessidade de ficar mais retraído, mas sempre incentivando a realização de atividades, sem cobranças”, pontua a psicóloga Amanda Teles Schiavo, do Hospital Pequeno Príncipe.

O que dizer caso alguém busque apoio:

Você não precisa passar por isso sozinho, estou aqui para te apoiar.”
“Estou aqui para te ouvir, se quiser falar sobre o que está acontecendo.”
“Conte comigo. Podemos encontrar juntos um profissional para te ajudar.”
“Você é uma pessoa maravilhosa, e eu acredito no seu potencial.”

O que NÃO dizer:

“Você tem tudo na vida, isso não é nada.”
“Não acredito. Quem ameaça não se mata.”
“Existem problemas maiores que os seus.”
“Pense positivo, você precisa se animar e se ajudar.”
“Pensar em morte é pecado, você será castigado por Deus.”
“Isso é coisa da idade, só quer chamar a atenção.”

Confira também a série especial de reportagens em alusão ao Setembro Amarelo:

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

 

+ Notícias

16/04/2024

COVID-19 e dengue são ameaças à saúde das crianças no Brasil

Primeiro trimestre de 2024 foi marcado pela elevação do número de casos e de mortes provocadas pelas duas doenças
11/04/2024

Renúncia fiscal transforma a vida de crianças e adolescentes

Destinação do Imposto de Renda contribui para a equidade no atendimento em saúde a pacientes vindos de todo o país
08/04/2024

Pronon e Pronas: Pequeno Príncipe contribui com consulta pública

Há dez anos, o Hospital elabora, executa e presta contas de projetos desenvolvidos dentro dos programas
07/04/2024

Dia Mundial da Saúde: “Minha Saúde, Meu Direito”

O Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas
02/04/2024

TDAH e autismo: quais são as semelhanças e diferenças?

A identificação da manifestação dos sintomas é crucial para o diagnóstico e tratamento adequados e individualizados
30/03/2024

Como ajudar a criança ou o adolescente com transtorno bipolar?

Por ser uma doença crônica, que não tem cura, o apoio dos pais, familiares e amigos é essencial
Ver mais