Acolhimento é a melhor forma de prevenção ao suicídio

Notícias

Setembro Amarelo: acolhimento é a melhor forma de prevenção ao suicídio

O Hospital Pequeno Príncipe reforça que a presença de uma rede de apoio é imprescindível para quem vive uma travessia difícil
16/09/2022
prevenção ao suicídio
Buscar ajuda profissional especializada é essencial para a prevenção do suicídio.

Se o assunto é prevenção do suicídio, acolhimento é a palavra-chave. Falar sobre sentimentos com uma outra pessoa é importante para quem sofre, pois ajuda a organizar a infinidade de pensamentos difíceis de se refletir sozinho. Neste Setembro Amarelo, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de familiares, amigos e sociedade adotarem uma postura acolhedora e preocupada, sem julgamentos, repreensão ou negação da situação em relação aos sinais de ideação suicida que possam surgir de uma criança ou um adolescente.

A psiquiatra Jaqueline Cenci, do Hospital Pequeno Príncipe, destaca que a dificuldade de reconhecer um problema de saúde mental – que pode ocorrer por questões culturais, regionais, familiares, econômicas e epidemiológicas – leva à baixa procura por ajuda. “Isso faz com que os indivíduos tenham uma cronificação da doença, sem possibilidade de acesso aos meios que os fariam melhorar, ou sejam expostos aos riscos que problemas de saúde mental acarretam, como o suicídio”, enfatiza.

Por isso, falar sobre saúde mental é uma maneira de auxiliar a sociedade a conhecer os sintomas do sofrimento psíquico e entender que, com ajuda especializada, é possível superá-los. “Conversar sobre o assunto, com franqueza e acolhimento, pode transmitir a mensagem de que você se importa com a pessoa, de que ela não está sozinha, de que há quem se interesse por ela e em querer ajudar”, completa a psicóloga Angelita Wisnieski da Silva, do Hospital Pequeno Príncipe.

Formas de prevenção ao suicídio

As psicólogas Amanda Teles Schiavo e Janaina Soncella, e a psiquiatra Jaqueline Cenci, do Hospital Pequeno Príncipe, elencam atitudes que devem ser adotadas pela rede de apoio, especialmente pais e responsáveis, de crianças e adolescentes com sinais de ideação suicida.

  • Receber suporte de um adulto responsável, que possa conversar e encorajar a buscar ajuda profissional especializada.
  • Buscar um profissional que identifique os transtornos mentais envolvidos, estressores agudos e crônicos, aspectos de personalidade e de risco de suicídio, para que sejam realizadas orientações e acompanhamentos.
  • Garantir que o paciente esteja em um local seguro, com vigilância e acesso constante do cuidador e disponibilidade do profissional, caso ele necessite.
  • Remover do alcance do paciente os objetos que possam causar risco, como facas, tesouras, estiletes, medicamentos e armas.
  • Traçar estratégias para o manejo de crises caso elas venham a acontecer. Em alguns casos, faz-se necessária a avaliação de internamento hospitalar integral.
  • Promover o bem-estar da criança ao lado da família, um ambiente saudável, com atividades desejadas e melhoria dos vínculos.
  • Conversar com amigos, familiares, educadores e pessoas próximas que possam auxiliar nesse cuidado, desmitificando a ideia e o ditado popular de que “quem quer se matar não avisa”. Afinal, ao externalizar o desejo de morrer, a criança ou o adolescente mostra que algo não está bem e que a situação é séria e grave.

Confira também a série especial de reportagens em alusão ao Setembro Amarelo:

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

16/04/2024

COVID-19 e dengue são ameaças à saúde das crianças no Brasil

Primeiro trimestre de 2024 foi marcado pela elevação do número de casos e de mortes provocadas pelas duas doenças
11/04/2024

Renúncia fiscal transforma a vida de crianças e adolescentes

Destinação do Imposto de Renda contribui para a equidade no atendimento em saúde a pacientes vindos de todo o país
08/04/2024

Pronon e Pronas: Pequeno Príncipe contribui com consulta pública

Há dez anos, o Hospital elabora, executa e presta contas de projetos desenvolvidos dentro dos programas
07/04/2024

Dia Mundial da Saúde: “Minha Saúde, Meu Direito”

O Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas
02/04/2024

TDAH e autismo: quais são as semelhanças e diferenças?

A identificação da manifestação dos sintomas é crucial para o diagnóstico e tratamento adequados e individualizados
30/03/2024

Como ajudar a criança ou o adolescente com transtorno bipolar?

Por ser uma doença crônica, que não tem cura, o apoio dos pais, familiares e amigos é essencial
Ver mais