Serviço de Gastroenterologia do Pequeno Príncipe completa 30 anos

Notícias

Serviço de Gastroenterologia do Pequeno Príncipe completa 30 anos

A especialidade da instituição é considerada a mais importante do Paraná e uma das principais do país na área da pediatria
08/02/2024
Serviço de Gastroenterologia
O médico Mário César Vieira foi o responsável por formalizar e estruturar o Serviço de Gastroenterologia da instituição.

Há três décadas, o Serviço de Gastroenterologia do Hospital Pequeno Príncipe foi oficializado e estruturado. Hoje, essa especialidade é considerada a mais importante do Paraná e uma das principais do país no campo da pediatria. A atuação da equipe é marcada por inovação, dedicação e compromisso contínuo com o avanço da ciência e o cuidado personalizado às crianças e aos adolescentes. Por ano, são mais de três mil consultas, de dois mil procedimentos de endoscopia e de mil internamentos realizados.

A especialidade foi formalizada e estruturada pelo médico Mário César Vieira, em 1994, quando ele percebeu a falta de atendimento especializado na região. “Isto me motivou a me interessar e estudar a complexidade e diversidade dos distúrbios gastrointestinais em pediatria e a buscar treinamento e formação na área. Ao chegar no Pequeno Príncipe, meu objetivo foi implantar uma unidade de subespecialidade adequada no nosso Hospital com alto padrão de atendimento”, relembra o médico.

Além da atuação na prevenção, no diagnóstico e no tratamento de diferentes doenças gastrointestinais de média e alta complexidade em crianças e adolescentes, o Serviço de Gastroenterologia é um espaço de ensino e pesquisa na área. Ao longo dos anos, foram dezenas de artigos publicados em revistas científicas e centenas de participações ativas em congressos, seminários e simpósios, no Brasil e no exterior, com o objetivo de fomentar o desenvolvimento científico da especialidade.

Serviço de Endoscopia
O Serviço de Endoscopia Digestiva existe desde 1998, possibilitando o aumento na capacidade de procedimentos diagnósticos e terapêuticos.

Evolução do Serviço de Gastroenterologia

Em menos de um ano após a formalização, o Serviço de Gastroenterologia iniciou a realização de procedimentos diagnósticos, como endoscopia digestiva e pH-metria esofagiana de 24 horas. Nessa época, as endoscopias digestivas e colonoscopias eram feitas no Centro Cirúrgico com endoscópio de fibra óptica. “O acesso à sala de cirurgia era limitado, e as endoscopias eram executadas apenas uma vez por semana, aguardando a conclusão de procedimentos de cirurgiões e otorrinolaringologistas”, recorda Vieira.

Até que em 1998 uma significativa mudança ocorreu com o estabelecimento do Serviço de Endoscopia Digestiva, equipado com novos recursos. Essa expansão permitiu um aumento na capacidade de procedimentos diagnósticos e terapêuticos, incluindo a realização nas próprias instalações. Dilatações de esôfago, tratamento de hemorragias digestivas, polipectomias, gastrostomias endoscópicas e retiradas de corpos estranhos ingeridos são algumas das técnicas feitas com segurança em crianças.

O médico ressalta as transformações, ao longo das últimas décadas, no perfil dos pacientes, com aumento na complexidade dos casos. Além disso, destaca as modalidades de tratamento para doenças inflamatórias intestinais, que evoluíram significativamente. O surgimento de medicamentos, como anticorpos monoclonais, revolucionou o cuidado dessas condições.

As mudanças no perfil das doenças refletem avanços positivos, mas também trazem novos desafios, como o crescimento de casos de doenças alérgicas no trato gastrointestinal. A esofagite eosinofílica, uma alergia que afeta o esôfago, é um exemplo desse fenômeno. Apesar de ser uma condição relativamente nova, o Serviço de Gastroenterologia tem um papel significativo na documentação e no estudo dessa enfermidade na América Latina desde o início dos anos 2000.

Ao longo dos anos, a equipe se expandiu e atualmente conta com mais cinco especialistas atuando nas áreas de assistência, ensino e pesquisa – Danielle Reis Yamamoto, Giovana Stival da Silva, Luciana B. Mendez Ribeiro, Sabine Krüger Truppel e Amanda Lewandowski da Silva.

Serviço de Gastroenterologia
A estrutura do Hospital possibilita segurança no desempenho de procedimentos e no atendimento a pacientes com complexidades diversas.

Diferencial do Pequeno Príncipe

O Hospital Pequeno Príncipe se notabiliza por fornecer um ambiente no qual a gastroenterologia e a endoscopia são complementadas pela atuação integrada de outras 34 especialidades médicas e serviços multiprofissionais. Essa estrutura colaborativa proporciona segurança no desempenho de procedimentos e no atendimento a pacientes com complexidades diversas. “A abordagem abrangente é evidente ao lidar, por exemplo, com um paciente que apresenta uma doença gastrointestinal, uma condição neurológica, uma doença reumatológica ou qualquer outra natureza médica”, exemplifica o médico.

Planos para o futuro

No curto e médio prazo, os planos incluem o desenvolvimento de um serviço especializado em motilidade gastrointestinal e a melhoria das condições de endoscopia terapêutica avançada. No âmbito da motilidade gastrointestinal (movimentação coordenada desde a mastigação até a saída do intestino), são reconhecidos diversos distúrbios que exigem investigações especializadas, como os estudos de manometria, que visam a medir a pressão nos órgãos, como esôfago e intestino. Isso é especialmente relevante para pacientes com dificuldades motoras no esôfago e àqueles que passaram por cirurgias complexas, como as de anomalias anorretais.

Histórico do atendimento de gastroenterologia pediátrica

Em 1994, o serviço foi formalizado com o olhar voltado aos avanços científicos e tecnológicos no diagnóstico e na terapia das doenças gastrointestinais.

Desde 1994, a equipe passou a integrar o grupo de preceptores voluntários da Residência Médica em Pediatria do Hospital.

– Em menos de um ano, foi introduzido o método de pH-metria esofagiana de 24 horas, e as atividades de endoscopia digestiva eram desenvolvidas no Centro Cirúrgico.

– Em 1998, com novas instalações e equipamentos, foi criado o Serviço de Endoscopia Digestiva.

– Em 2003, foi criado o Programa de Residência Médica em Gastroenterologia Pediátrica, avaliado e reconhecido oficialmente pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

equipe
Parte da equipe do Serviço de Gastroenterologia em celebração ao centenário da instituição, em 2019.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

13/07/2024

ECA: ampliação de leis fortalece proteção contra violência

Entre as atualizações, está a inclusão de bullying e cyberbullying no Código Penal. Neste Dia do ECA, o Hospital Pequeno Príncipe chama a atenção para dados alarmantes destes tipos de violências
10/07/2024

Por que é importante não reprimir o choro?

Hospital Pequeno Príncipe dá dicas de como criar um ambiente seguro e acolhedor para crianças e adolescentes expressarem as emoções
09/07/2024

Sessão de cinema diverte pacientes da hemodiálise

Crianças e adolescentes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe saíram do espaço com o coração aquecido e memórias inesquecíveis
08/07/2024

Nota de solidariedade ao hospital pediátrico bombardeado em Kiev

Pequeno Príncipe manifesta a dor pela violência cometida contra pessoas inocentes, dentre elas crianças doentes e hospitalizadas
04/07/2024

Tratamento de efluentes: Hospital e Sanepar assinam parceria

Iniciativa pioneira no país vai testar diferentes maneiras de reduzir antibióticos e combater o surgimento de superbactérias no esgoto hospitalar
03/07/2024

Como o celular e as redes sociais afetam os adolescentes?

Hospital Pequeno Príncipe dá dicas sobre como promover a utilização equilibrada e responsável dessas tecnologias
Ver mais