Violência na primeira infância gera danos ainda mais graves

Notícias

Violência na primeira infância gera danos ainda mais graves

O Hospital Pequeno Príncipe reforça a atenção a esse grupo e encoraja a denúncia para proteção das crianças
13/10/2022
violência
A violência na primeira infância acarreta consequências mentais e fisiológicas negativas em longo prazo.

 

Datas como o Dia das Crianças celebram o direito de os pequenos vivenciarem a infância em sua plenitude: brincando, aprendendo e divertindo-se. Entretanto, a realidade apresenta um cenário preocupante. Nos últimos cinco anos, 35 mil crianças e adolescentes foram mortos de forma violenta no Brasil, segundo levantamento do Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Entre as idades de 0 a 4 anos ocorreu aumento de 27% nos casos.

Por isso, nesta Semana Nacional de Prevenção da Violência na Primeira Infância, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a atenção a esse grupo e encoraja a denúncia para proteção dos meninos e meninas. Em 2021, a instituição, referência em atendimentos dessa natureza, realizou 618 atendimentos a crianças e adolescentes vítimas de violência, sendo que 282 tinham até 3 anos.

A violência na primeira infância – que compreende desde a gestação até os 6 anos – acarreta consequências mentais e fisiológicas negativas em longo prazo. Dentre elas, ansiedade, depressão, alucinação, baixo desempenho na escola, alterações de memória, comportamento agressivo e violento, e até tentativas de suicídio. “Quanto mais nova a vítima for, e por ter uma maior imaturidade física e psicológica, maiores serão as sequelas. Muitas vezes elas nem percebem que é uma violência. As consequências podem se manifestar imediatamente após a situação de violência ou a médio e longo prazo”, destaca a psicóloga Daniela Prestes, do Hospital Pequeno Príncipe.

Padrões nos casos atendidos

Nos casos de violência sexual, que somaram 344 ocorrências, a maioria das crianças atendidas pelo Hospital Pequeno Príncipe que foram submetidas a alguma situação violenta é menina – 78% do total. A faixa de idade com mais casos registrados, do sexo feminino, é entre 4 e 7 anos, com 107 ocorrências. No sexo masculino, os registros de violência sexual se concentram entre 5 meses e 3 anos – com 32 casos.

A médica pediatra Maria Cristina da Silveira, do Hospital Pequeno Príncipe, informa sobre os padrões observados nos casos atendidos no maior hospital exclusivamente pediátrico do país. “Cerca de 60% das ocorrências de violência sexual eram em crianças com menos de 6 anos de idade, sendo a maioria meninas. Em quase 90% dos casos, o agressor é intrafamiliar, ou seja, dentro do vínculo de confiança da criança”, alerta.

Por isso, o papel da sociedade na proteção dos meninos e meninas é fundamental por meio da denúncia. “A denúncia pode ser feita de forma anônima, caso a pessoa que se vê diante da violência tenha um receio de interferir. É importante que isso aconteça, porque a gente vai estar, de fato, fazendo uma defesa de uma criança e um adolescente, para que eles tenham melhores condições de uma qualidade de vida no futuro”, conclui a psicóloga. Para denunciar, basta ligar para o Disque 100 (nacional), 181 (Paraná) ou 156 (Curitiba).

Referência nacional no combate à violência

O Hospital Pequeno Príncipe atua ativamente no combate à violência infantojuvenil. Desde a década de 1970, a instituição mobiliza a população em prol da luta contra a violação dos direitos de crianças e adolescentes. Para sensibilizar a sociedade acerca da importância da denúncia desses casos de violência, o Pequeno Príncipe mantém, desde 2006, a Campanha Pra Toda Vida – A Violência Não Pode Marcar o Futuro das Crianças.

Em 2022, a instituição lançou também cursos para melhorar ainda mais a qualidade do serviço prestado a crianças e adolescentes que foram vítimas de violência e buscaram a instituição. As formações fazem parte do Projeto Pra Toda Vida, viabilizado pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA), que tem o objetivo de atuar na prevenção, atendimento e acompanhamento dos casos, prevendo cursos nas modalidades presencial e on-line para os profissionais do Hospital Pequeno Príncipe.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
13/05/2024

É normal a criança ter amigos imaginários?

A criação desses personagens é comum no desenvolvimento infantil, mas veja alguns sinais que indicam atenção a essa prática
09/05/2024

Ministra da Saúde visita área onde será o Pequeno Príncipe Norte

Nísia Trindade de Lima destacou a importância do projeto e da instituição para a saúde infantil do país
07/05/2024

Hospital se destaca em encontro internacional por ações ambientais

Instituição é a única entre as organizações de 12 países a ter um indicador em saúde ambiental 
Ver mais