Violência infantojuvenil: Hospital atende 652 casos em um ano

Notícias

Violência infantojuvenil: Hospital atende 652 casos em um ano

A instituição apoia o Maio Laranja, mês dedicado ao enfrentamento à violência contra crianças e adolescentes, e promove conscientização sobre o tema
17/05/2023
violência infantojuvenil
Em 2022, foram 652 atendimentos de casos de violência – um crescimento de 5,5% em relação aos dados de 2021.

Trazida pela mãe, uma menina de menos de 6 anos de idade chega à unidade de pronto-atendimento pediátrica por conta de suspeita de estupro. A narrativa infelizmente é comum no Hospital Pequeno Príncipe. Todos os anos, a instituição recebe crianças e adolescentes vítimas de vários tipos de violência: sexual, física, psicológica, negligência ou autolesão. Em 2022, foram 652 atendimentos – um crescimento de 5,5% em relação aos dados de 2021. A pouca idade das crianças atendidas no Hospital é um dos dados alarmantes: 63% delas estavam na primeira infância, ou seja, tinham até 6 anos.

Os números no maior hospital exclusivamente pediátrico do país são um reflexo da realidade brasileira. Quase 35 mil crianças e adolescentes foram mortos de forma violenta entre 2016 e 2020, sendo que o número anual em relação às crianças com idade entre 0 e 4 anos aumentou 27%. Os dados são do Panorama da violência letal e sexual contra crianças e adolescentes no Brasil, organizado pelo UNICEF e Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), que apontam também a média de 7 mil mortes e 45 mil estupros por ano nessa faixa etária.

“Historicamente, em cerca de 80% dos casos de violência, o agressor é alguém do próprio núcleo familiar ou conhecido da família. Ele, normalmente, se aproveita dos vínculos de confiança estabelecidos com a vítima, além do conhecimento da rotina e dos hábitos, para praticar a violência e ficar mais distante da suspeita de tal ato pelos responsáveis. Por isso, é importante observar mudanças no comportamento da criança e adolescente”, analisa a psicóloga Daniela Prestes, do Pequeno Príncipe.

Dados alarmantes no Hospital Pequeno Príncipe

violência sexual foi a predominante dos casos atendidos no Hospital Pequeno Príncipe, com 375 situações. Do total, 69% das vítimas tinham até 6 anos e 79% era do sexo feminino. Além disso, a residência é o lugar onde as vítimas mais sofreram o abuso sexual, com 185 casos. Ainda em relação à violência sexual, mais de 90% dos agressores eram do sexo masculino, e o pai apontado como o principal suspeito.

Em segundo lugar nesse trágico ranking está a negligência. Em 2022, foram atendidos no Hospital Pequeno Príncipe 130 casos envolvendo esse tipo de violação a direitos básicos do público infantojuvenil. A criança mais nova atendida por negligência foi um bebê de apenas 17 dias.  Em situações extremas, quando o risco à vida de uma criança ou adolescente é evidente, o último recurso utilizado para protegê-los é o encaminhamento para um abrigo. Pela primeira vez, a instituição registrou cinco solicitações desse gênero.

violência
De qualquer lugar do Brasil é possível ligar de forma anônima para o Disque 100 e relatar a suspeita de violência.

A denúncia de casos de violência salva vidas

Estar atento aos sinais da negligência e das violências sexual, física e psicológica é fundamental para a proteção das crianças e dos adolescentes. A denúncia pode ser a única chance para meninos e meninas serem salvos. De qualquer lugar do Brasil é possível ligar de forma anônima para o Disque 100 e relatar a suspeita de violência. A ligação é gratuita. “Muita gente acha que os pais são ‘donos’ da criança. Mas isso não é verdade. É responsabilidade de toda a sociedade protegê-los”, lembra a psicóloga.

Campanha Pra Toda Vida

Maio Laranja é dedicado ao enfrentamento à violência contra crianças e adolescentes. A Campanha Pra Toda Vida – A Violência não Pode Marcar o Futuro das Crianças é promovida pelo Hospital Pequeno Príncipe para dar visibilidade ao tema. Desde 2006, a instituição promove ações de combate à violência por meio de manuais e palestras educativas voltadas a profissionais de saúde e da educação, livros sobre autoproteção direcionados ao público infantojuvenil, e mobilização da comunidade.

  • Confira, no vídeo a seguir, mais dados estatísticos sobre a violência infantojuvenil:

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3) e Paz, Justiça e Instituições Eficazes (ODS 16).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

16/04/2024

COVID-19 e dengue são ameaças à saúde das crianças no Brasil

Primeiro trimestre de 2024 foi marcado pela elevação do número de casos e de mortes provocadas pelas duas doenças
11/04/2024

Renúncia fiscal transforma a vida de crianças e adolescentes

Destinação do Imposto de Renda contribui para a equidade no atendimento em saúde a pacientes vindos de todo o país
08/04/2024

Pronon e Pronas: Pequeno Príncipe contribui com consulta pública

Há dez anos, o Hospital elabora, executa e presta contas de projetos desenvolvidos dentro dos programas
07/04/2024

Dia Mundial da Saúde: “Minha Saúde, Meu Direito”

O Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas
02/04/2024

TDAH e autismo: quais são as semelhanças e diferenças?

A identificação da manifestação dos sintomas é crucial para o diagnóstico e tratamento adequados e individualizados
30/03/2024

Como ajudar a criança ou o adolescente com transtorno bipolar?

Por ser uma doença crônica, que não tem cura, o apoio dos pais, familiares e amigos é essencial
Ver mais