Poliomielite: conheça os riscos de não imunizar as crianças

Notícias

Poliomielite: conheça os riscos de não imunizar as crianças

O Hospital Pequeno Príncipe alerta que as sequelas deixadas pela doença perduram por toda a vida e podem ser fatais
24/10/2022

poliomielite

A vacinação é a principal forma de prevenção para muitas doenças. Neste Dia Mundial de Combate à Poliomielite, o Pequeno Príncipe reforça a necessidade de imunização de crianças e adolescentes. Em 2021, a cobertura vacinal contra a pólio ficou em 70%, segundo o Datasus. Em dez anos, as taxas caíram quase 30%, o que representa inúmeras crianças sem a proteção necessária e suscetíveis às sequelas graves provocadas pela doença.

A queda nos números de imunização acende o alerta para a volta da circulação do vírus da pólio entre a população, inclusive no Brasil. O último caso da doença no país foi em 1989, e em 1994 a região das Américas recebeu o selo de erradicação da Comissão Internacional para a Certificação da Poliomielite. No entanto, em 2022, as notícias não são animadoras. A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) colocou o Brasil na lista de países com alto risco de reintrodução da enfermidade.

Neste ano, no Oriente Médio, uma criança com paralisia foi diagnosticada com pólio, outras seis crianças também foram diagnosticadas, assintomáticas e sem contato próximo com o primeiro caso. Além disso, os Estados Unidos divulgaram, em julho, que um morador do país teve a doença. “Esses novos casos no mundo só reforçam mais uma vez a importância da vacinação. É um grande equívoco pensar que a doença está erradicada permanentemente sem realizar a vacinação continuamente para todas as crianças, pois a não adesão à vacina da poliomielite leva à quebra da cadeia de proteção. O risco da reemergência da enfermidade, principalmente para as crianças, é iminente, e as sequelas perduram pela vida toda. Uma cobertura vacinal abaixo de 95% de adesão aumenta os números de crianças suscetíveis à enfermidade”, alerta a pediatra e coordenadora do Centro de Vacinas Pequeno Príncipe, Heloisa Ihle Garcia Giamberardino.

poliomielite
O esquema vacinal primário consiste em três doses – aos 2, 4 e 6 meses – e depois duas doses de reforço, entre 1 e 5 anos de idade.

 

Risco de retorno dos casos de pólio

A doença, que pode ser fatal, já teve coberturas vacinais altas. No entanto, a baixa procura pelo imunizante tem causado apreensão entre os especialistas. Por exemplo, o sarampo, que também tem na vacina a única forma de prevenção, foi erradicado no Brasil em 2016, porém, nos últimos anos, voltou a apresentar casos. Em 2021, foram registrados quase 700 casos de sarampo, com dois óbitos de bebês menores de 1 ano no país.

Enquanto os vírus do sarampo e da pólio estiverem circulando pelos países, o risco de uma criança ser contaminada é grande. Segundo dados da OPAS, uma em cada 200 infecções leva à paralisia irreversível, geralmente das pernas. Entre esses casos, de 5% a 10% vão a óbito por paralisia dos músculos respiratórios.

A poliomielite

A doença é altamente infecciosa e afeta especialmente crianças menores de 5 anos de idade, mas pode atingir também outras faixas etárias, especialmente pessoas imunossuprimidas. A transmissão ocorre por contato direto pela via fecal-oral, gotículas de secreções expelidas ao falar, tossir ou espirrar, por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de pessoas com o vírus da pólio. A falta de saneamento, as más condições habitacionais e a higiene pessoal precária são fatores que favorecem a transmissão da doença.

Para a especialista, cada organismo reage de uma forma diante do vírus, embora alguns sintomas sejam mais comuns, como febre, dor de cabeça, espasmos, rigidez na nuca e flacidez muscular, portanto a vacinação na faixa etária correta é fundamental. “A vacinação é a única forma de prevenção. O esquema vacinal primário consiste em três doses – aos 2, 4 e 6 meses – e depois duas doses de reforço, entre 1 e 5 anos de idade, de preferência utilizando a vacina inativada de poliomielite”, explica a pediatra.

Sobre o Centro de Vacinas Pequeno Príncipe

O imunizante contra a poliomielite está disponível no Centro de Vacinas Pequeno Príncipe. A instituição é referência em imunizações há mais de 20 anos e conta com atendimento integral a todas as faixas etárias – de recém-nascidos até idosos. Funciona de segunda a sexta, das 8h às 19h, e aos sábados, das 8h às 18h, sem necessidade de agendamento. Além disso, também é possível que uma equipe vá realizar a vacinação em casa, mediante agendamento por meio do telefone (41) 3310-1414 ou (41) 3310-1141. Siga o CEVA pelo Instagram e fique por dentro de assuntos importantes!

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

05/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
Ver mais