Poliomielite tem vacinação como única forma de proteção

Notícias

Poliomielite tem vacinação como única forma de proteção

O Hospital Pequeno Príncipe alerta que a queda nos índices de imunização representa risco de novas infecções no país
17/08/2022
poliomielite
A vacinação é a única forma de prevenir a poliomielite, que não tem cura tampouco tratamento.

 

Há mais de 30 anos sem registrar casos de poliomielite em território nacional, o Brasil está em estado de alerta após outros países, que também não possuíam diagnósticos recentes, detectarem novos casos da doença. Como não há cura para a enfermidade, o Hospital Pequeno Príncipe enfatiza o papel da vacinação como única forma de proteção e prevenção à poliomielite, em um cenário mundial de preocupação quanto à circulação do vírus.

Os índices de imunização são alarmantes. De acordo com dados do Ministério da Saúde, a cobertura vacinal contra a poliomielite no Brasil sofreu queda ao longo dos últimos anos. Os números, que chegavam a 100% em 2013, decaíram para 67% em 2021 – menor taxa em uma década. Segundo informações da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), divulgadas em 2022, o Brasil já se encontra na lista de países com alto risco de reintrodução do vírus da poliomielite. Entre os motivos, destacam-se: questões de saneamento, vacinação heterogênea entre as diferentes regiões e movimentos migratórios e de viagens.

“A queda no número de crianças vacinadas é preocupante, pois a poliomielite é uma doença altamente contagiosa. Com uma cobertura vacinal abaixo de 95% de adesão, aumentam os números de crianças suscetíveis à enfermidade. Também aumentam os riscos de o vírus ser reintroduzido no Brasil e ocorrer uma rápida onda de transmissão entre os não vacinados”, adverte a médica pediatra Heloisa Ihle Garcia Giamberardino, que coordena o Centro de Vacinas Pequeno Príncipe.

Sobre a poliomielite

Popularmente conhecida como pólio ou paralisia infantil, a poliomielite é uma doença viral causada por três sorotipos de poliovírus, que ocorrem somente em humanos. A transmissão pode acontecer por via fecal, oral ou por meio de gotículas respiratórias.

A coordenadora do Centro de Vacinas Pequeno Príncipe reforça que em 70% dos casos a doença se apresenta de forma assintomática ou como um resfriado comum. O vírus da doença persiste no trato respiratório por aproximadamente duas semanas após o início dos sintomas, sendo posteriormente excretado pelas fezes durante três a seis semanas. “Essa forma de eliminação do vírus faz com que o paciente seja potencialmente contagioso durante esse período”, relata a médica.

“Apenas alguns casos, entre 1% e 5%, acabam se manifestando como uma meningite asséptica com parestesias, nos quais é possível somente um tratamento suportivo. Em poucos dias, temos a evolução para paralisia, característica da poliomielite”, acrescenta. Essa complicação em pacientes infectados pela doença se manifesta como uma paralisia assimétrica, que afeta principalmente os músculos proximais, aqueles próximos ao tronco, como a parte superior das pernas e braços.

Campanha Nacional de Vacinação

A vacinação é a única forma de prevenir a enfermidade, que não tem cura tampouco tratamento. Até o dia 9 de setembro, o Brasil realiza a Campanha Nacional de Vacinação, com cerca de 40 mil postos de saúde prontos para a aplicação de doses de 18 vacinas que compõem o calendário de vacinação da criança e do adolescente, entre elas a da poliomielite.

Em território nacional, existem duas vacinas disponíveis que atuam contra a pólio, ambas altamente imunogênicas e efetivas na prevenção da doença, sendo elas a vacina inativada, intramuscular, e a vacina viva atenuada, por via oral, desenvolvida por Albert Sabin. O esquema vacinal completo contra a pólio consiste de cinco doses, entre as quais duas de reforço.

“No esquema primário, com doses aos 2, 4 e 6 meses, deve-se dar prioridade para o uso da vacina inativada. Após essas três doses, o primeiro e segundo reforço devem ser realizados aos 15 meses e 4 anos respectivamente. 99% a 100% do público com ao menos três doses apresenta uma soroconversão e, consequentemente, a proteção contra a poliomielite”, completa a pediatra.

A campanha de vacinação também está disponível na rede particular. O Centro de Vacinas Pequeno Príncipe, referência em imunização há 23 anos, oferece atendimento integral para todas as faixas etárias e se encontra à disposição para a aplicação do imunizante contra a poliomielite. O funcionamento é de segunda a sexta, das 8h às 19h, e aos sábados, das 8h às 18h, sem necessidade de agendamento prévio. Além disso, também é possível que uma equipe vá realizar a vacinação em casa, mediante agendamento.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

 

+ Notícias

23/09/2022

Setembro Amarelo: saiba como agir caso alguém busque apoio

Ser empático com os sentimentos da criança e do adolescente é muito importante, além de necessário encorajar a buscar um profissional especializado em saúde mental
22/09/2022

Acompanhamento médico é fundamental para saúde de adolescentes e jovens

De acordo com especialista, a assistência é importante nessa fase, pois facilita o acesso a informações corretas, incluindo a vacinação
21/09/2022

Paciente que fez 44 cirurgias realiza o sonho de conhecer estádio de seu time

A cada espaço do Estádio Joaquim Américo que Geovani dos Santos de Andrade visitava, a emoção tomava conta
20/09/2022

Primavera: como prevenir as doenças mais comuns em crianças

O Hospital Pequeno Príncipe chama atenção para cuidados que podem evitar quadros alérgicos e virais nessa época do ano
17/09/2022

Doação de medula óssea é ato de amor que renova a esperança

No Hospital Pequeno Príncipe, 73 crianças e adolescentes tiveram a vida transformada por meio desse tipo de transplante em 2021
16/09/2022

Hospital Pequeno Príncipe é eleito, pela segunda vez, um dos melhores hospitais pediátricos do mundo

A instituição subiu 25 posições e passou de 112.º para 87.º no ranking da revista norte-americana Newsweek, que listou os 200 melhores hospitais em pediatria, com base em recomendações de mais de 40 mil especialistas de 20 países
Ver mais