Sepse: Hospital é referência nacional no controle da infecção

Notícias

Pequeno Príncipe é referência nacional no controle da sepse

Programa de Stewardship de Antimicrobianos possibilita acompanhamento em tempo real de casos da infecção no Hospital
13/09/2023
linha de cuidado da sepse
A linha de cuidado da sepse permite uma atuação mais rápida e assertiva para o tratamento de pacientes.

A sepse, conhecida como infecção generalizada, é a principal causa de morte em unidades de terapia intensiva e é responsável por um a cada cinco óbitos no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Pequeno Príncipe, a linha de cuidado para a prevenção e tratamento da sepse é referência nacional, com taxas de letalidade que chegam a 5% e 7%, em 2023 e 2022, respectivamente. Números muito menores se comparados às médias nacionais, que totalizam 50% de chance de morte por sepse.

Por conta de uma resposta inflamatória desregulada, o sistema circulatório passa por um estado em que não consegue suprir as demandas de oxigênio e nutrientes exigidos pelos órgãos. É nesse momento que acontece a sepse.

Linha de cuidado da sepse no Pequeno Príncipe

O Pequeno Príncipe conta com um cuidado multidisciplinar que envolve diferentes profissionais para que se tenha uma metodologia eficaz. O técnico de enfermagem registra a captura dos sinais vitais – caso estejam alterados, cria-se um alerta para que o enfermeiro confirme a variação. Após isso, o médico recebe um alerta para realizar o atendimento. Em paralelo, a enfermeira navegadora-administrativa verifica se tudo foi realizado corretamente.

O médico, então, prescreve o antimicrobiano, e a Farmácia do Hospital é acionada para que forneça o medicamento prescrito. Em quadros graves, de choque séptico, a infusão precisa ser feita em até três horas. Na maioria dos casos, a medicação chega ao paciente em 40 minutos.

“A sepse é desafiadora em qualquer instituição, e o Pequeno Príncipe é referência na atenção a essa condição. Fomos reconhecidos pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) com o nível 3, que é o nível máximo. Ou seja, temos resultados muito bons”, pontua o vice-diretor de Qualidade e Pesquisa Clínica do Pequeno Príncipe, Fábio de Araújo Motta.

Programa de Stewardship de Antimicrobianos

Criado pelo Pequeno Príncipe, o Programa de Stewardship de Antimicrobianos integra a linha de cuidado e é fundamental para o uso efetivo e individualizado desses medicamentos. Consiste na expertise do farmacêutico clínico para auxiliar o médico na gestão do emprego de antimicrobianos, principalmente ao promover a articulação entre uma equipe multidisciplinar para avaliação do melhor tratamento para cada paciente.

Cada unidade possui farmacêuticas clínicas envolvidas diretamente na rotina de pacientes com sepse. Quando um antimicrobiano é prescrito, ocorre uma auditoria prospectiva. Ou seja, o farmacêutico responsável analisa e valida se o medicamento está dentro do protocolo da instituição.

“Dessa forma, realizamos acompanhamento a partir do que acontece em tempo real no quadro da criança ou adolescente com sepse. Isso é muito mais efetivo, porque conseguimos ajustar o que precisa e garantir que o paciente tenha o melhor acompanhamento e antimicrobiano possível. Isso evita que sejam aplicados inúmeros medicamentos até que um faça o efeito desejado”, explica o vice-diretor.

Os principais resultados obtidos pelo Pequeno Príncipe foram a redução de dias de uso de antimicrobianos, diminuição de custos e controle do avanço da resistência a esses fármacos.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
13/05/2024

É normal a criança ter amigos imaginários?

A criação desses personagens é comum no desenvolvimento infantil, mas veja alguns sinais que indicam atenção a essa prática
09/05/2024

Ministra da Saúde visita área onde será o Pequeno Príncipe Norte

Nísia Trindade de Lima destacou a importância do projeto e da instituição para a saúde infantil do país
07/05/2024

Hospital se destaca em encontro internacional por ações ambientais

Instituição é a única entre as organizações de 12 países a ter um indicador em saúde ambiental 
Ver mais