Cerca de 30 mil crianças nascem com cardiopatia congênita no Brasil

Notícias

Cerca de 30 mil crianças nascem com cardiopatia congênita no Brasil

O diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento da doença
12/06/2023
cardiopatia congênita
Kauany Aparecida dos Santos Almeida foi diagnosticada com cardiopatia congênita no Pequeno Príncipe.

As cardiopatias são malformações na estrutura ou na função do coração e surgem ainda na gestação. O Pequeno Príncipe é referência nacional em cirurgia cardíaca pediátrica – por ano, são realizadas mais de 60 cirurgias em bebês com até 30 dias de vida. É uma das instituições que mais realizam esse tipo de procedimento no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 30 mil crianças nascem com cardiopatia congênita no país e 40% delas vão necessitar de cirurgia ainda no primeiro ano de vida.

Uma dessas crianças é Kauany Aparecida dos Santos Almeida. A mãe da menina, Daniele dos Santos Cruz, realizou todos os exames necessários de pré-natal e teste do coraçãozinho quando a filha nasceu, no entanto a cardiopatia não foi diagnosticada. Nos primeiros dias de vida, a mãe percebeu que a criança tinha as pontas dos dedos roxas e chorava muito. Aos 3 meses, Kauany desmaiou e foi encaminhada para o Pequeno Príncipe, onde recebeu o diagnóstico de cardiopatia congênita.

“Minha filha fez três cirurgias – aos 3 meses, com 1 ano e aos 5 anos. Durante esses cinco anos de tratamento intenso, a Kauany fez quatro cateterismos [procedimento realizado para diagnosticar e tratar doenças cardíacas]”, conta Daniele. Apesar da cardiopatia, a menina tem uma rotina normal: vai à escola, brinca com os amigos e gosta de posar para fotos. “Minha pequena é uma guerreira. Uma criança muito ativa. Pelo diagnóstico que teve, foi um milagre ter nascido. Sou muito grata por ter ela comigo”, completa a mãe.

cardiopatia congênita
O Pequeno Príncipe é referência nacional em cirurgia cardíaca pediátrica – por ano, são realizadas mais de 60 cirurgias em bebês com até 30 dias de vida.

Sinais de alerta de cardiopatia congênita

Em bebês: pontas dos dedos e/ou língua roxas; transpiração e cansaço excessivos durante as mamadas; respiração acelerada enquanto descansa; dificuldade em ganhar peso; e irritação frequente e choro sem consolo.

Em crianças: cansaço excessivo durante a prática de atividades físicas e dificuldade de acompanhar o ritmo de outros garotos e garotas; crescimento e ganho de peso de forma não adequada; infecções pulmonares repetitivas, lábios roxos e pele mais pálida quando brinca muito; coração com ritmo acelerado; e desmaio.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são fundamentais para prevenir o risco de complicações graves. “Quanto antes o diagnóstico for feito e o tratamento for iniciado, maior será a qualidade de vida do paciente. Descobrir uma cardiopatia ainda na gestação [por meio do ecocardiograma fetal] é importante para que o bebê tenha a assistência necessária assim que nascer. Dessa forma, é possível evitar que a criança fique meses ou anos sem tratar a condição cardíaca, piorando o quadro”, explica a cardiologista pediátrica Cristiane Binotto, do Pequeno Príncipe.

O uso de medicamentos é a principal forma de tratar a cardiopatia, embora o cateterismo e a indicação de cirurgia também façam parte quando necessário. O acompanhamento médico e a adesão ao tratamento correto são fundamentais para que a criança ou adolescente tenha uma rotina normal, como a de Kauany.

Serviço de Cardiologia

O Hospital Pequeno Príncipe é um dos mais importantes centros brasileiros de cardiologia pediátrica. Um dos diferenciais do Serviço de Cardiologia é a rapidez na investigação diagnóstica, que leva no máximo 48 horas – a maioria dos pacientes tem o diagnóstico no mesmo dia da consulta. Além de atendimentos ambulatoriais, disponibiliza todos os exames necessários para o diagnóstico do paciente, bem como alternativas de tratamentos, incluindo cirurgias e transplantes.

  • Confira, no vídeo a seguir, tudo o que você precisa saber sobre as cardiopatias congênitas:

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

28/05/2024

Como resgatar as brincadeiras tradicionais na era digital?

Neste Dia Mundial do Brincar, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de equilibrar o tempo de tela com atividades lúdicas
26/05/2024

Centro de Vacinas Pequeno Príncipe: 25 anos de excelência em saúde

Inovação, atendimento integral, atualização contínua, compromisso e capacitação de profissionais marcam um quarto de século da unidade
22/05/2024

Qual é a importância do vínculo afetivo na Primeiríssima Infância?

A ligação entre a criança e seus cuidadores se estabelece ainda na gravidez e se estende por um longo caminho após o nascimento
18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
Ver mais