Açúcar na infância: evitar a oferta contribui para um futuro mais saudável

Notícias

Açúcar na infância: evitar a oferta contribui para um futuro mais saudável

O Hospital Pequeno Príncipe destaca que a escolha dos alimentos nos primeiros anos de vida merece atenção especial, pois é quando os hábitos alimentares são desenvolvidos
16/10/2022
evite açúcar
Substituir a ingestão de açúcar por opções mais saudáveis, como frutas, garante uma vida mais saudável.

 

O consumo de doce aumenta a chance de obesidade ainda na infância e também pode gerar prejuízos na vida adulta. Por isso, o Ministério da Saúde recomenda que a ingestão de açúcar seja evitada antes dos 2 anos. Neste Dia Mundial da Alimentação, o Hospital Pequeno Príncipe destaca que os primeiros anos de vida são importantes para a formação de hábitos alimentares mais saudáveis.

Mas os dados do levantamento encomendado pela Tetra Pak, que mostram que 38% das crianças de 2 a 3 anos consumiram mais doces durante a pandemia, merecem atenção. “A exposição ao açúcar pode acarretar dificuldades na aceitação de outros tipos de alimentos, como frutas, verduras e legumes. Além disso, contribui para o excesso de peso, cárie dentária e doenças crônicas como obesidade e diabetes mellitus”, alerta a nutricionista Ana Claudia Guerreiro, do Hospital Pequeno Príncipe.

Durante os primeiros 2 anos de vida, recomenda-se não oferecer nenhum tipo de açúcar (refinado, cristal, mascavo, mel, melado e rapadura) nem produtos ou preparações que contenham açúcar (ultraprocessados, biscoitos, bolos, guloseimas, gelatinas, iogurtes, achocolatados, bebidas açucaradas e gaseificadas). Depois dos 2 anos de idade, a oferta de pequenas quantidades de alimentos com açúcar não prejudicará a aceitação de outros alimentos.

Melhores substituições para o açúcar

A nutricionista destaca que os primeiros anos de vida são importantes para a formação dos hábitos alimentares, no entanto a variedade e a forma com que os alimentos são oferecidos influenciam a formação do paladar e a sua relação com a alimentação. “A criança que come alimentos saudáveis e adequados terá maiores chances de na vida adulta ser consciente e ter autonomia para fazer boas escolhas alimentares”, pontua.

Substitua o açúcar por opções naturais, como:

  • banana madura;
  • tâmara;
  • ameixa seca;
  • uvas passa;
  • purê de maçã;
  • baunilha; ou
  • canela.

Nova rotulagem de alimentos

Além de mudanças na tabela de informação – como a obrigatoriedade de declarar a quantidade de açúcares totais e adicionados, do valor energético e de nutrientes –, a novidade impacta a rotulagem nutricional frontal sobre o alto conteúdo de nutrientes que têm relevância para a saúde. A nova regra já vigora desde o dia 9 de outubro, mas os produtos que estão no comércio podem demorar um pouco mais para incorporarem as alterações.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

05/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
Ver mais