A prevenção da violência deve começar na Primeira Infância - Hospital Pequeno Principe

Notícias

A prevenção da violência deve começar na Primeira Infância

O maior hospital exclusivamente pediátrico do país reforça a importância do olhar atento e da denúncia de qualquer tipo de agressão às crianças
15/10/2021
A educação é a chave para a prevenção da violência ainda na infância.

 

O número de denúncias de violência contra crianças e adolescentes já supera 200 mil neste ano no Brasil, de acordo com o levantamento do Disque 100, um dos canais da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos. De todas as denúncias realizadas de janeiro a setembro de 2021, mais de 23 mil são relacionadas à fase de gestação até os 6 anos de idade, período conhecido como Primeira Infância. Nesta Semana Nacional de Prevenção da Violência na Primeira Infância, de 12 a 18 de outubro, o Hospital Pequeno Príncipe reforça o seu papel de proteção e defesa dos direitos desse público.

Os dados são alarmantes inclusive no maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil, referência em atendimentos dessa natureza. Em relação ao primeiro semestre de 2020, o Pequeno Príncipe constatou um aumento de 18,75% dos casos em 2021, passando de 256 para 304 notificações. A maior parte está relacionada à violência sexual, com 161 situações, sendo que a menina mais jovem tinha apenas 8 meses; e o menino, 1 ano.

Das 79 crianças atendidas no Hospital que tiveram lesões decorrentes da violência no primeiro semestre deste ano, 73,41% tinham até 6 anos. A idade das vítimas assusta, especialmente porque os primeiros anos da vida são a base para o desenvolvimento futuro de uma pessoa. “A exposição à violência coloca em risco a saúde e a educação das crianças, com consequências mentais e fisiológicas negativas em longo prazo. Acredito que a revolução começa na educação, seja em casa ou na escola, esse assunto de prevenção da violência deve ser abordado, para instigar o respeito a todos, acima de tudo”, relata a coordenadora do Serviço Social, Rosane Brasil.

É importante a família ficar atenta aos sinais de alerta.

Também pela pouca idade, a criança não consegue identificar o que é violência e pedir socorro sozinha. “Geralmente, os meninos e meninas abaixo dos 6 anos não percebem que é uma violência. Entendem o ato como uma forma de carinho ou até mesmo de castigo. Por isso, cabe aos cuidadores verificar possíveis lesões, perguntar e deixar a criança explicar como se machucou, por exemplo. O olhar atento é imprescindível”, destaca a pediatra Maria Cristina da Silveira, supervisora do pronto-atendimento do Hospital.

Cerca de 80% das violências são intrafamiliares, ou seja, os agressores moram junto com a criança ou participam de seu convívio social. Com a pandemia do coronavírus, esse índice de violência doméstica aumentou no Pequeno Príncipe, até porque as crianças passaram a maior parte do tempo em suas residências. “Ficar atento aos sinais de alerta é essencial, como mudanças repentinas de comportamento, choro compulsivo, tristeza sem motivos, vergonha excessiva do corpo, medo inexplicado de um determinado adulto”, completa a médica.

O Hospital Pequeno Príncipe chama a atenção para o papel da sociedade na proteção dos meninos e meninas. “Se você é vizinho, conhecido, amigo ou familiar e suspeita, ouve ou vê algo, saiba que a denúncia é anônima e pode ser feita ligando para o Disque 100 [nacional], 181 [Paraná] ou 156 [Curitiba]. Este é um gesto que tem o poder de salvar vidas”, ressalta a diretora-executiva do Hospital, Ety Cristina Forte Carneiro.

Campanha Pra Toda Vida

O Pequeno Príncipe trabalha para combater os casos de agressões e abusos contra meninos e meninas, e, desde a década de 1970, mobiliza a população na luta contra a violação dos direitos do público infantojuvenil. A instituição faz parte da Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente em Situação de Risco para a Violência e mantém a constante capacitação e atualização dos profissionais que atuam no atendimento às vítimas de violência.

Para sensibilizar a sociedade sobre a importância da denúncia, o Pequeno Príncipe mantém, desde 2006, a Campanha Pra Toda Vida – A Violência não Pode Marcar o Futuro das Crianças. Por meio de manuais voltados a profissionais de saúde e da educação, livros sobre autoproteção direcionados ao público infantojuvenil e mobilização da comunidade via redes sociais e outros materiais, a campanha busca dar visibilidade ao tema, seja ajudando os profissionais a identificarem os sinais de violência, seja incentivando as pessoas a denunciarem.

 

+ Notícias

29/11/2021

Nutrição pediátrica em consultório é destaque do Pequeno Príncipe Conhecimento

O assunto foi apresentado em cinco aulas com renomados especialistas na área
26/11/2021

Pequeno Príncipe vai auxiliar em ações estratégicas no Paraná na área de biotecnologia em saúde

Profissional da instituição foi convidada para integrar equipe que vai coordenar iniciativas para os próximos dez anos
26/11/2021

UTI Neonatal completa 30 anos salvando a vida de recém-nascidos complexos

Mais de oito mil bebês de todo o país já foram atendidos pela unidade que é referência para pacientes que precisam de tratamentos intensivos com equipamentos de ponta
23/11/2021

Câncer infantil: apenas 8,8% das crianças têm diagnóstico precoce da doença

Pioneiro no tratamento oncológico infantojuvenil no Paraná, Pequeno Príncipe realizou levantamento com seus pacientes entre 1998 e 2017. Neste Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil, o Hospital reforça a importância do diagnóstico precoce
19/11/2021

Representantes da Embaixada e do Consulado-Geral dos EUA conhecem o Complexo Pequeno Príncipe

Visita faz parte de ação de relacionamento entre a Associação Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro, mantenedora do Pequeno Príncipe, e o Centro Cultural Brasil-Estados Unidos de Curitiba – Inter Americano
19/11/2021

Excesso de telas na infância prejudica desenvolvimento saudável

Especialista do Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre os riscos da intoxicação digital infantil e aponta estratégias de prevenção e proteção
Ver mais