Complexo, Hospital

Depois da folia, o “bloco da organização diária” pede passagem

Voltar à rotina depois com o fim do carnaval pode ser complicado, mas garante às crianças e aos adolescentes um sentimento de segurança e organização

O fim do carnaval traz um alerta: é hora de colocar a rotina em ordem, principalmente quando se trata do dia a dia das crianças e dos adolescentes. As práticas diárias garantem um sentimento de segurança e organização na vida dos meninos e meninas. Apesar disso, todo excesso é prejudicial, por isso, flexibilidade e bom senso ajudam a determinar as regras.

A coordenadora do Serviço de Psicologia do Hospital Pequeno Príncipe, Ângela Bley, garante que a rotina é fundamental para estipular limites. “Na fase da adolescência, por exemplo, os meninos e meninas estão buscando o seu lugar no mundo. Nesse contexto, a rotina pode auxiliá-los e evitar que eles se percam”, aponta a psicóloga.

Nos casos das crianças, de acordo com a especialista, repetir os hábitos pode trazer segurança e senso de organização. “Algumas pessoas nascem assim, mas outras precisam que isso seja imposto. É por meio da rotina que elas aprendem a ter foco e se sentem parte de um todo”, explica a especialista.

As práticas também devem ser mantidas quando os meninos e meninas têm pais separados ou, por exemplo, quando vão dormir na casa de parentes. “Mudar essa rotina pode trazer confusão para as crianças, por isso é fundamental estabelecer um padrão. E, a não ser aos fins de semana, ele precisa ser cumprido”, destaca Ângela.

Porém, é necessário cautela. Exagerar no cumprimento da rotina pode gerar revoltas, principalmente quando se tratam dos adolescentes. “A flexibilidade e o bom senso são as palavras de ordem. É preciso saber adaptar a rotina, mas jamais ignorá-la”, afirma a profissional.

+ Notícias

Faça sua doação