Vínculos entre bebê e família são essenciais para o desenvolvimento

Notícias

Vínculos entre bebê e família são essenciais para o desenvolvimento

O fortalecimento de vínculos afetivos desde a gestação é fundamental para a saúde e o bem-estar da criança e a base para seu futuro
21/02/2022
vínculos
Em momentos como da amamentação, é essencial a troca de olhar com a criança, o toque carinhoso e a percepção de como ela aprende e reage aos estímulos.

 

Os primeiros mil dias de vida representam uma oportunidade única e decisiva para o desenvolvimento de todo ser humano, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). O fortalecimento de vínculos afetivos entre o bebê e seus familiares desde a gestação é, portanto, fundamental para a saúde e o bem-estar da criança e a base para seu futuro.

De acordo com o Unicef, avanços na neurociência provaram que quando as crianças passam os primeiros mil dias – desde a concepção até os 2 anos de idade – em um ambiente estimulante e acolhedor, novas conexões neuronais se formam na velocidade ideal e ajudam a determinar sua capacidade cognitiva – como elas aprendem e pensam – e influenciam na maneira com que lidam com o estresse.

vínculos
É fundamental a construção de um “lugar” de amor e de afeto para a criança desde a barriga

Quando os vínculos afetivos são fortalecidos?

O contexto familiar e o histórico da gestação influenciam na formação dos vínculos afetivos com o bebê. Mas independentemente das particularidades de cada família, é fundamental a construção de um “lugar” de amor e de afeto para a criança desde a barriga. Esse processo é vivido no dia a dia, com a escolha do nome, a preparação do enxoval, um diário de gravidez e a conversa com os familiares e com outras mães sobre os sentimentos presentes e as expectativas futuras. As experiências positivas com o bebê ainda na barriga favorecem a elaboração da nova função social de mãe e a superação dos desafios que se iniciam.

Com o novo integrante da família em casa, surgem dúvidas e inseguranças sobre como cuidar de um ser tão frágil. Um certo grau de estresse, causado pelas incertezas e pela rotina de cuidados, é normal e pode ser amenizado com a organização de todos os membros da família. Para tanto, é importante que os pais tentem estabelecer uma rotina de sono, banhos e trocas, e aproveitem essas oportunidades com prazer, pois os vínculos se fortalecem exatamente por meio desses cuidados.

Em momentos como da amamentação, do banho e da higiene do bebê é essencial a troca de olhar com a criança, o toque carinhoso e a percepção de como ela aprende e reage aos estímulos. “Esses momentos de cuidados básicos com o bebê, que costumam ser cansativos, são tão relevantes quanto o brincar, porque estimulam a criança a entender seu lugar no mundo e fortalecem os vínculos. O bebê começa a conhecer quem é esta pessoa de referência e seu ponto de apoio”, relata o psicólogo Bruno Jardini Mäder, do Hospital Pequeno Príncipe.

Se o bebê está chorando, sujo ou com fome, a simples presença da mãe é um fator desestressante, que gera prazer e segurança, e faz com que a criança se sinta preparada para as novas experiências. Mas mesmo a presença da mãe deve ser equilibrada. O especialista do Pequeno Príncipe lembra que é importante para o desenvolvimento da criança que ela perceba a presença e a ausência da mãe em alguns momentos, pois a volta dessa mãe é muito prazerosa e colabora para que o filho desenvolva a tolerância e aprenda a se acalmar com o tempo.

Por outro lado, quando a mãe é muito ausente e o bebê fica sozinho ou chorando por longos períodos, negligenciando-se o cuidado e o afeto, o vínculo acaba comprometido e isso pode trazer consequências para o desenvolvimento da criança, como insegurança, fobia social ou transtornos mentais mais sérios.

Redes de apoio

O provérbio africano “é preciso uma aldeia inteira para educar uma criança” tem um significado real, destaca o psicólogo do Pequeno Príncipe. A mãe é muito demandada pela criança pequena, especialmente quando está amamentando. Há muitas transições que causam sofrimento emocional para a mãe, como o desmame. Por isso, redes de apoio e a participação da família são fundamentais para dar o suporte que a mulher necessita, tanto nos momentos mais delicados, para que ela se sinta encorajada e segura, quanto para que possa cuidar de si e exercer suas outras funções sociais, além de ser mãe.

Compreender que a mulher não tem a função exclusiva de mãe e fazer atividades para seu bem-estar também contribui para que ela deseje estar com a criança, dedicando tempo e carinho ao pequeno. Para toda família com um novo bebê, a busca pela informação de qualidade e pelas redes de apoio colabora com novas descobertas sobre a criança e minimiza as preocupações. Importante é que a mãe não se sinta solitária nessa tarefa, troque experiências, e que o espaço do bebê na família seja compreendido e priorizado por todos.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

09/12/2022

Vai viajar com a família? Confira a carteira de vacinação!

Após decidir o destino das férias, é fundamental checar com antecedência a carteirinha de imunização, principalmente de crianças e adolescentes
07/12/2022

5 dicas para manter uma alimentação saudável nas férias

O Hospital Pequeno Príncipe relembra a importância de cuidar de alguns hábitos nesta época do ano
06/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
05/12/2022

Serviço de Ortopedia do Pequeno Príncipe é referência em tratamento de doenças e síndromes complexas

Em 2021, o serviço realizou 17.249 procedimentos cirúrgicos, além de 13.040 consultas ambulatoriais
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
Ver mais