“A vida é um sopro. Então, temos que ser feliz!” - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

“A vida é um sopro. Então, temos que ser feliz!”

Longe da família que mora no sudoeste do Paraná, a técnica de enfermagem Marlene Jandira Chimanski venceu a COVID-19 e teve acolhimento e amparo do Hospital
28/09/2020

Ficar doente sempre é difícil. Mas passar por isso sem ter a família perto para amparar é um grande aprendizado. A técnica de enfermagem Marlene Jandira Chimanski, de 47 anos, não atende casos de coronavírus, mas desde que a pandemia começou, sentia muito medo de ter a doença. Os dias passavam e ela agradecia por amanhecer bem.

Até que entre suas idas e vindas entre um hospital e outro, já que trabalha em dois locais, sentiu dores no estômago e os sintomas se agravaram. “No fim de semana comecei a ter uma crise de tosse e na segunda-feira tive febre e falta de ar ao subir a escada. Fui ao médico, que falou que só pela escuta do meu pulmão era 99% de chances de ser COVID-19”, lembra a profissional.

Ao fazer uma ecografia do pulmão, um susto: várias manchas apontaram que o coronavírus havia se instalado. O isolamento é uma realidade para aqueles que são infectados pela doença. “Minha família é do sudoeste do Paraná. Não tenho ninguém próximo para ajudar, então me vi completamente sozinha e nesse momento muitas coisas passam pela cabeça”, desabafa Marlene.

Cuidado que faz a diferença
Com o suporte e acolhimento do Pequeno Príncipe, Marlene se sentiu amparada nesse momento tão delicado. “Por mais que eu estivesse sozinha fisicamente, eu tive todo o cuidado dos meus colegas, da minha gestora e também do setor de Medicina do Trabalho da instituição. Todos ligavam sempre para saber como eu estava. Juro que não tenho palavras para agradecer”, conta.

E esse cuidado do Pequeno Príncipe é percebido por Marlene nas pequenas atitudes, desde o início da pandemia. “Me sinto muito segura trabalhando no Hospital. Nós temos muitos treinamentos e não são apenas sobre coronavírus. Nunca me faltou equipamento de proteção individual (EPI). E me sinto muito valorizada, olham para nós e se preocupam. Eu amo esse lugar”, agradece a técnica de enfermagem.

Valorizar as pequenas coisas
“A sensação que eu tenho é de que tudo o que aprendi até agora foi para viver este momento.” Há 12 anos atuando no Pequeno Príncipe, Marlene ressalta que, se antes a assistência que prestava era segura, hoje é ainda mais. “A essência da enfermagem é o cuidado, então sei que essa é minha missão”, reforça.

Com essa experiência, a profissional aprendeu a valorizar ainda mais tudo o que tem e às pessoas que estão ao redor. “A vida é um sopro. Então, temos que ser feliz!”

+ Notícias

25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
21/11/2022

Pequeno Príncipe atua na prevenção da resistência aos antimicrobianos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1,3 milhão de pessoas morram a cada ano devido aos efeitos dessa resistência  
20/11/2022

Dia Mundial da Criança chama atenção à defesa de direitos

Em sua trajetória centenária, o Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas  
18/11/2022

Eletrofisiologia: Pequeno Príncipe é pioneiro em pediatria e mapeamento do coração em procedimento cirúrgico

O serviço também é referência no Brasil na realização de procedimentos invasivos e colocação de dispositivos eletrônicos no público infantojuvenil
Ver mais