Unha encravada em bebês: como identificar e tratar - Hospital Pequeno Principe

Notícias

Unha encravada em bebês: como identificar e tratar

Especialista do Pequeno Príncipe explica que o formato da unha dos recém-nascidos ou o corte inadequado pode gerar lesões e até mesmo infecções
06/10/2021
É sempre importante que a família procure um pediatra para identificar a causa da unha encravada, que pode ser hereditária, adquirida ou infecciosa.

 

Mais comum do que muita gente imagina são as unhas encravadas em bebês. A condição pode ocorrer nas mãos, mas é bem mais frequente nos pés dos pequenos. O primeiro fator que pode desencadear a lesão é o traumatismo, seja por meio do uso de macacão, meias ou sapatos apertados. O segundo motivo é por questões hereditárias, como o desalinhamento lateral do dedão do pé (hálux).

De acordo com a dermatologista Nadia Aparecida Pereira de Almeida, do Pequeno Príncipe, é sempre importante que a família procure um pediatra para identificar a causa da unha encravada, que pode ser hereditária, adquirida ou infecciosa. “No caso dos bebês, eles reagem à dor quando mexemos em seus dedos e chegam até a mancar ao caminhar. Por isso, é importante estar sempre atento à vermelhidão e ao processo inflamatório ao redor dos dedos, principalmente do dedão do pé.”

Para evitar ou tratar unhas encravadas decorrentes de traumatismos, a especialista recomenda que o bebê utilize roupas e sapatos mais frouxos; e, de preferência, que os pais deixem os pequenos andarem descalço em casa. “Já quando o desalinhamento é hereditário e os pais têm o mesmo problema, é possível fazer a correção por meio de cirurgia. A indicação é que a intervenção seja feita antes dos 2 anos de idade, para corrigir a matriz da unha e ser um tratamento definitivo”, enfatiza a médica.

Mas, afinal, o jeito de cortar as unhas interfere?
Sim, a especialista ressalta que aparar a unha que está grande do jeito certo é muito importante para evitar que ela encrave. “Em todos os casos, seja em bebês, crianças ou adolescentes, a unha deve ser cortada no formato reto, sem retirar os cantos ou arredondar. Deixar que a borda fique livre para crescer normalmente é essencial para não encravar nas laterais dos dedos”, explica a dermatologista.

 

 

+ Notícias

29/11/2021

Nutrição pediátrica em consultório é destaque do Pequeno Príncipe Conhecimento

O assunto foi apresentado em cinco aulas com renomados especialistas na área
26/11/2021

Pequeno Príncipe vai auxiliar em ações estratégicas no Paraná na área de biotecnologia em saúde

Profissional da instituição foi convidada para integrar equipe que vai coordenar iniciativas para os próximos dez anos
26/11/2021

UTI Neonatal completa 30 anos salvando a vida de recém-nascidos complexos

Mais de oito mil bebês de todo o país já foram atendidos pela unidade que é referência para pacientes que precisam de tratamentos intensivos com equipamentos de ponta
23/11/2021

Câncer infantil: apenas 8,8% das crianças têm diagnóstico precoce da doença

Pioneiro no tratamento oncológico infantojuvenil no Paraná, Pequeno Príncipe realizou levantamento com seus pacientes entre 1998 e 2017. Neste Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil, o Hospital reforça a importância do diagnóstico precoce
19/11/2021

Representantes da Embaixada e do Consulado-Geral dos EUA conhecem o Complexo Pequeno Príncipe

Visita faz parte de ação de relacionamento entre a Associação Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro, mantenedora do Pequeno Príncipe, e o Centro Cultural Brasil-Estados Unidos de Curitiba – Inter Americano
19/11/2021

Excesso de telas na infância prejudica desenvolvimento saudável

Especialista do Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre os riscos da intoxicação digital infantil e aponta estratégias de prevenção e proteção
Ver mais