Unha encravada em bebês: como identificar e tratar - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Unha encravada em bebês: como identificar e tratar

Especialista do Pequeno Príncipe explica que o formato da unha dos recém-nascidos ou o corte inadequado pode gerar lesões e até mesmo infecções
06/10/2021
É sempre importante que a família procure um pediatra para identificar a causa da unha encravada, que pode ser hereditária, adquirida ou infecciosa.

 

Mais comum do que muita gente imagina são as unhas encravadas em bebês. A condição pode ocorrer nas mãos, mas é bem mais frequente nos pés dos pequenos. O primeiro fator que pode desencadear a lesão é o traumatismo, seja por meio do uso de macacão, meias ou sapatos apertados. O segundo motivo é por questões hereditárias, como o desalinhamento lateral do dedão do pé (hálux).

De acordo com a dermatologista Nadia Aparecida Pereira de Almeida, do Pequeno Príncipe, é sempre importante que a família procure um pediatra para identificar a causa da unha encravada, que pode ser hereditária, adquirida ou infecciosa. “No caso dos bebês, eles reagem à dor quando mexemos em seus dedos e chegam até a mancar ao caminhar. Por isso, é importante estar sempre atento à vermelhidão e ao processo inflamatório ao redor dos dedos, principalmente do dedão do pé.”

Para evitar ou tratar unhas encravadas decorrentes de traumatismos, a especialista recomenda que o bebê utilize roupas e sapatos mais frouxos; e, de preferência, que os pais deixem os pequenos andarem descalço em casa. “Já quando o desalinhamento é hereditário e os pais têm o mesmo problema, é possível fazer a correção por meio de cirurgia. A indicação é que a intervenção seja feita antes dos 2 anos de idade, para corrigir a matriz da unha e ser um tratamento definitivo”, enfatiza a médica.

Mas, afinal, o jeito de cortar as unhas interfere?
Sim, a especialista ressalta que aparar a unha que está grande do jeito certo é muito importante para evitar que ela encrave. “Em todos os casos, seja em bebês, crianças ou adolescentes, a unha deve ser cortada no formato reto, sem retirar os cantos ou arredondar. Deixar que a borda fique livre para crescer normalmente é essencial para não encravar nas laterais dos dedos”, explica a dermatologista.

 

 

+ Notícias

03/02/2023

Gravidez na adolescência: quais são os riscos?

A gestação nessa fase, que compreende dos 10 aos 19 anos, gera uma série de consequências para a vida da mãe e do bebê
01/02/2023

Volta às aulas e a imunização de crianças e adolescentes

As medidas de higiene das mãos, etiqueta ao tossir e uso de máscara também auxiliam a evitar a disseminação de doenças
27/01/2023

Hanseníase: atenção aos sinais e sintomas auxilia diagnóstico

Neste Dia Mundial de Combate à Hanseníase, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de se buscar os serviços de saúde logo no aparecimento dos primeiros sinais e lembra que a doença tem cura
25/01/2023

Gastrosquise: diagnóstico é possível pelo ultrassom na gestação

O Hospital Pequeno Príncipe é referência no tratamento cirúrgico da doença, que é uma malformação rara da parede abdominal ocasionada ainda na formação do feto
23/01/2023

Saiba tudo sobre viroses em crianças

Hospital Pequeno Príncipe chama atenção de famílias para quadros virais comuns durante o verão
20/01/2023

Como cuidar da saúde mental na infância e adolescência?

O Hospital Pequeno Príncipe chama atenção para o tema e sugere atitudes de pais e responsáveis para contribuir com seus filhos
Ver mais