Um alerta ao preconceito no Dia Mundial de Combate à Hanseníase - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Um alerta ao preconceito no Dia Mundial de Combate à Hanseníase

Para difundir informações sobre a doença e desconstruir o julgamento acerca da enfermidade, este mês é lembrado como Janeiro Roxo
29/01/2017

india-1250652_960_720É difícil imaginar que há muitos séculos uma enfermidade, originária do Oriente e difundida no mundo por tribos nômades e navegadores, excluiu pessoas da sociedade e gerou colônias para os doentes, nas quais famílias foram separadas e seres humanos isolados. A história, marcada por preconceito e constante violação de direitos, é real e os danos serão eternos. Hoje, sabe-se que o panorama é diferente. A hanseníase tem cura e diversas instituições trabalham para que a doença seja erradicada.

Pensando nisso, este mês é dedicado ao conhecimento e divulgação da enfermidade. O Janeiro Roxo faz alusão ao Dia Mundial de Combate à Hanseníase, lembrado hoje, 29 de janeiro. A cada ano, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil registra 30 mil novos casos da doença. O país é o segundo no mundo e perde apenas para Índia, com 126 mil registros anualmente.

????????????????????????????????????A hanseníase é uma doença infectocontagiosa, crônica, causada pelo Mycobacterium leprae, também conhecido como bacilo de Hansen. “Essa bactéria tem forte atração por nervos e pele”, explica a dermatologista do Hospital Pequeno Príncipe, Nádia Almeida. Os sinais e sintomas são dormência, formigamentos e queimações localizadas, que vêm acompanhadas pelo surgimento de manchas na pele e com perda de sensibilidade no local.

“Daí vem todo o preconceito. Por causa da falta de sensibilidade, as pessoas se machucam e não percebem a ferida, o que gera infecção e, muitas vezes, leva à perda e/ou deformação de membros”, destaca a médica.

A transmissão da enfermidade acontece de pessoa para pessoa, por meio de gotículas provenientes da fala, espirro ou tosse, por exemplo. O bacilo penetra através das vias respiratórias, percorre o organismo e se instala preferencialmente nos nervos periféricos e na pele. “É importante também fazer a avaliação dos comunicantes, ou seja, das pessoas que convivem com o indivíduo contaminado”, aponta a profissional.

O diagnóstico é clínico, obtido com base nos sinais e sintomas detectados no exame de toda a pele, olhos, palpação dos nervos, avaliação da sensibilidade superficial e da força muscular dos membros superiores e inferiores. “Quanto antes a doença for identificada, maior é a chance de não haver nenhum comprometimento nos membros do corpo”, afirma Nádia.

O tratamento se dá com o uso de medicamentos específicos, no período de seis meses a um ano, disponíveis gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A partir da primeira dose do antibiótico, o indivíduo contaminado já deixa de ser um transmissor. Mesmo assim, é necessário manter um acompanhamento por pelo menos cinco anos para os casos de reincidência da doença.

+ Notícias

15/08/2022

Transplante de fígado número 50 é realizado pelo Pequeno Príncipe

O resultado ocorreu após dois anos e meio da retomada da realização do procedimento pelo maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil
12/08/2022

Vacinação contra a COVID-19 é fundamental para proteção de crianças de 3 a 5 anos

Especialista do Pequeno Príncipe, maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil, reforça pontos positivos para os responsáveis que adotam essa medida de prevenção
10/08/2022

“Nosso meio ambiente”: pacientes do Projeto Integra participam de ação ambiental

A iniciativa, realizada na sede que abrigará o Pequeno Príncipe Norte, proporcionou a experiência de explorar o vasto universo do ecossistema presente no local
08/08/2022

Colesterol pode ser prevenido com consumo de alimentos saudáveis

O Hospital Pequeno Príncipe ressalta a importância da adoção de bons hábitos para melhor qualidade de vida desde a infância
05/08/2022

Cirurgia de correção de malformação rara é realizada no Pequeno Príncipe

A reparação da extrofia de cloaca foi feita com a técnica de Kelley, considerada inovadora
04/08/2022

Cientistas estão desenvolvendo gel bucal para tratar mucosite

Principal reação adversa da quimioterapia, a mucosite oral causa intensa dor e pode ser porta de entrada para outras infecções
Ver mais