Tudo o que você precisa saber sobre a hanseníase - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Tudo o que você precisa saber sobre a hanseníase

Neste Dia Mundial de Combate à Hanseníase, o Hospital Pequeno Príncipe defende a educação em saúde para o enfrentamento da doença
30/01/2022

Neste domingo, 30 de janeiro, data na qual é lembrado o Dia Mundial de Combate à Hanseníase, o Pequeno Príncipe, maior hospital exclusivamente pediátrico do país, visa a contribuir com a disseminação de informações sobre essa doença que também pode atingir crianças e adolescentes. A hanseníase conta com tratamento gratuito oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e o mais importante: tem cura. Devido à pandemia do coronavírus, as pessoas deixaram de procurar os serviços de saúde e houve subnotificação dos casos. No Brasil, por exemplo, a queda foi de 50,4% nas notificações de casos novos; enquanto no Paraná o declínio foi de 47,6% no mesmo período.

Com o objetivo de conscientizar a população sobre a doença, o Pequeno Príncipe destacou os principais tópicos sobre a hanseníase, respondidos pela médica Nadia Almeida, chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital.

O que é e o que causa a hanseníase?
A hanseníase é causada por uma bactéria – o Mycobacterium leprae ou bacilo de Hansen – e tem a transmissão inter-humana; ou seja, de pessoas para pessoas. Esse bacilo penetra na pele pela primeira vez e depois vai se reproduzindo no sistema nervoso. Há pessoas que são bem resistentes, que entram em contato com o bacilo, e o bacilo morre; a doença acaba ali. Mas outras são mais suscetíveis e desenvolvem formas mais intensas, que vão levar à doença mais grave e transmitir a enfermidade.

Quais são os principais sinais e sintomas da hanseníase?
Os primeiros sinais são as manchas brancas e, principalmente, amortecidas, que anestesiam. Isso porque o bacilo atinge as terminações nervosas, as destrói, e a pele fica amortecida. Esse amortecimento pode vir pelos dedos, pelos pés. Então, as pessoas se machucam, se cortam, se queimam e não percebem, pois a pele está amortecida. Com a evolução, essas manchas podem se tornar vermelhas e pode acontecer a ulceração. As manchas não desaparecem, é uma evolução de anos. A hanseníase pode ser confundida pelo fato de ser uma doença que demora muito tempo para aparecer, pois demora anos para se manifestar.

Como é feito o diagnóstico da hanseníase?
A hanseníase é uma doença bastante estudada, exatamente porque é uma enfermidade muito antiga, mutilante e incapacitante. O diagnóstico é basicamente clínico. Ao perceber que tem aquela mancha amortecida, deve-se procurar o serviço de saúde. Não existe um exame feito para saber se a pessoa tem a doença. Depois, pode ser feito um exame para confirmar o diagnóstico.

Como é feito o tratamento da hanseníase?
O tratamento é disponibilizado pelo SUS gratuitamente. Há dois tempos de tratamento: de seis meses, para quem não transmite a doença [hanseníase paucibacilar], e de um ano, para quem está transmitindo a doença [hanseníase multibacilar]. A hanseníase é uma doença muito fácil de tratar, pois você tem remédio de graça, o tempo de tratamento é muito curto e, a partir do momento em que você começa a tratar, já não transmite a doença. Se fosse mais divulgada e se as pessoas soubessem que a enfermidade existe e que podem estar com a doença, seria muito mais fácil erradicar a hanseníase.

Qual a importância da busca ativa de casos de hanseníase?
Como a hanseníase tem a característica de ser uma doença contagiosa, tende a atingir o convívio em família. O convívio intenso, por muito tempo, facilita que aquele bacilo –que demora muito para se desenvolver – leve ao surgimento da doença. É importante ressaltar que, quando o diagnóstico de um paciente é feito, é preciso examinar os contatos para verificar se não há outras pessoas que estão doentes. Outro fator de risco é entre as pessoas que trabalham em frentes de trabalho, que viveram muito tempo em alojamentos, em lugares de ocupação coletiva.

As crianças e os adolescentes também podem desenvolver a doença?
Isso é um grande sinal de alerta, porque quando há um caso de hanseníase em uma criança, isso significa que ela está sendo exposta a uma pessoa que está transmitindo muito a doença. A hanseníase é uma enfermidade que demora anos para aparecer. Então, se uma criança já está contaminada, é porque ela está vivendo em um ambiente supercontaminado. Quando há um diagnóstico de hanseníase em criança, tem que ser feita uma busca ativa e o tratamento imediato da família. E o tratamento para essa faixa etária é o mesmo dos adultos, variando o tempo e a dosagem da medicação.

 

+ Notícias

12/08/2022

Vacinação contra a COVID-19 é fundamental para proteção de crianças de 3 a 5 anos

Especialista do Pequeno Príncipe, maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil, reforça pontos positivos para os responsáveis que adotam essa medida de prevenção
10/08/2022

“Nosso meio ambiente”: pacientes do Projeto Integra participam de ação ambiental

A iniciativa, realizada na sede que abrigará o Pequeno Príncipe Norte, proporcionou a experiência de explorar o vasto universo do ecossistema presente no local
08/08/2022

Colesterol pode ser prevenido com consumo de alimentos saudáveis

O Hospital Pequeno Príncipe ressalta a importância da adoção de bons hábitos para melhor qualidade de vida desde a infância
05/08/2022

Cirurgia de correção de malformação rara é realizada no Pequeno Príncipe

A reparação da extrofia de cloaca foi feita com a técnica de Kelley, considerada inovadora
04/08/2022

Cientistas estão desenvolvendo gel bucal para tratar mucosite

Principal reação adversa da quimioterapia, a mucosite oral causa intensa dor e pode ser porta de entrada para outras infecções
02/08/2022

Doenças raras é tema de mesa-redonda organizada pelo Pequeno Príncipe

A iniciativa fez parte da programação da 74.ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)
Ver mais