Síndrome de Down: inclusão plena na sociedade ainda é um desafio

Notícias

Síndrome de Down: inclusão plena na sociedade ainda é um desafio

O Dia Internacional da Síndrome de Down tem como finalidade dar visibilidade e reduzir o preconceito histórico que cerca o tema
21/03/2022
down
O ponto-chave para a qualidade de vida de quem tem síndrome de Down é promover e orientar a aceitação dessa condição desde a infância até a vida adulta.

 

Estima-se que no Brasil, em um a cada 700 nascimentos, ocorra o caso de trissomia 21, que totaliza em torno de 270 mil pessoas com síndrome de Down, segundo dados da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down. Com os estímulos corretos ainda na infância, muitas potencialidades podem ser desenvolvidas nos indivíduos com essa condição genética, o que contribui positivamente para um futuro com mais qualidade.

Neste ano, o Dia Internacional da Síndrome de Down, lembrado em 21 de março, traz como tema “O que significa inclusão?”, com o objetivo de conscientizar pessoas em todo o mundo na defesa da inclusão total na sociedade das pessoas com síndrome de Down e outras deficiências. Em seus princípios gerais, a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD da ONU) diz: “Participação e inclusão plena e efetiva na sociedade”.

O ponto-chave para a qualidade de vida de quem tem síndrome de Down é promover e orientar a aceitação dessa condição desde a infância até a vida adulta. “É importante reforçar a ideia de que a pessoa é como qualquer outra, com os mesmos direitos, de entristecer, de ser feliz, de ter família, ir à escola, trabalhar. E é a missão da sociedade dar o suporte para que essas crianças e pessoas vivam com dignidade, respeito e amor”, pontua o médico neuropediatra Anderson Nitsche, do Hospital Pequeno Príncipe.

A síndrome de Down não é uma doença, mas sim uma alteração genética produzida pela presença de um cromossomo a mais ligado ao par de número 21 (na maioria das vezes, o corpo humano possui 23 pares cromossômicos). Apesar dos inúmeros desafios, a vida de uma pessoa com síndrome de Down melhorou muito nos últimos anos. À época de Langdon Down – que se referiu à síndrome pela primeira vez em 1866 –, por exemplo, quem tinha essa condição era isolado. “Hoje entende-se que a inclusão da pessoa com síndrome de Down deve ser defendida em todos os ambientes”, completa o médico.

down
Os estímulos são essenciais e devem ser realizados desde a primeira infância.

Cuidados especiais para quem tem síndrome de Down

As pessoas com síndrome de Down podem ter algumas características semelhantes e estar sujeitas a uma maior incidência de doenças, como cardiopatias e problemas intestinais, mas apresentam personalidades e características diferentes e únicas. O médico lembra que é fundamental um acompanhamento especial de pacientes com essa condição. Como há a possibilidade de apresentarem outros problemas de saúde, faz-se necessária uma avaliação mais detalhada do coração, do intestino e exames oftalmológicos, bem como a realização do exame BERA.

No caso das crianças com a condição genética, os estímulos são essenciais e devem ser realizados desde a primeira infância. “As pessoas com essa síndrome têm, em sua maioria, uma capacidade intelectual inferior. Mas quanto mais cedo for realizado o estímulo ao cérebro – nas questões afetivas, táteis, visuais e olfativas –, melhor o cérebro responde. Fazer fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional, por exemplo, faz com que futuramente elas sejam capazes de viver de forma mais complexa e serem independentes, pois é isso que buscamos”, finaliza Nitsche.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

07/12/2022

5 dicas para manter uma alimentação saudável nas férias

O Hospital Pequeno Príncipe relembra a importância de cuidar de alguns hábitos nesta época do ano
06/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
05/12/2022

Serviço de Ortopedia do Pequeno Príncipe é referência em tratamento de doenças e síndromes complexas

Em 2021, o serviço realizou 17.249 procedimentos cirúrgicos, além de 13.040 consultas ambulatoriais
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
Ver mais