Serviço de Neurologia do Pequeno Príncipe completa 40 anos

Notícias

Serviço de Neurologia do Pequeno Príncipe completa 40 anos

A instituição tem um dos mais completos serviços no Brasil na área da pediatria
18/07/2023
40 anos Serviço Neurologia
O neuropediatra Alfredo Löhr Júnior foi o fundador do Serviço de Neurologia, que hoje conta com dez neurologistas e várias subáreas de atuação.

O Serviço de Neurologia do Pequeno Príncipe teve início em julho de 1983. Nestas quatro décadas, a especialidade foi estruturada e ampliada com o objetivo de promover saúde com equidade e de forma integrada. O serviço foi precursor em diversos tratamentos, especialmente voltados às doenças raras neurológicas e neuromusculares, e é considerado um dos mais completos no Brasil na área da pediatria. Somente em 2022, mais de cinco mil crianças e adolescentes foram atendidos, e 2.884 eletroencefalogramas e 44 eletroneuromiografias foram realizados.

O fundador e médico responsável pelo serviço, o neuropediatra Alfredo Löhr Júnior, relembra que quando chegou à instituição já existia o Serviço de Neurocirurgia, comandado pelo cirurgião Sérgio Machado, e um equipamento de encefalograma analógico. A neurologia ficou atrelada à neurocirurgia por alguns anos até passar a atuar com ambulatório e enfermaria independentes. “No início, eu tinha uns quatro pacientes e atendia pelo SUS e convênios. Me coloquei à disposição para casos de neurologia e tinha um bipe, que sempre que precisavam me chamavam, pois no início eu era o único médico dessa especialidade”, recorda.

Hoje, o Serviço de Neurologia conta com dez neurologistas, com formação em pediatria e que se dedicam às seguintes subáreas da neurologia: epilepsia, distúrbios de movimento e paralisia cerebral, doenças raras neurológicas (divididas em musculares, mitocondriais, erros inatos do metabolismo, degenerativas e genéticas), distúrbios neurocomportamentais e eletroencefalograma. A equipe de neurologistas (formada por: Alfredo Löhr Junior, Mara Lúcia Schmitz Ferreira Santos, Adriana Banzzatto, Anderson Nitsche, Daniel do Valle, Elisabete Auersvald, Marilis Tissot, Michelle Zeny, Monica Spinosa e Rafaela Grochoski) atua de forma integrada com as demais 34 especialidades médicas e com serviços multiprofissionais para propiciar melhor qualidade de vida dos pacientes.

À medida que o Hospital foi expandindo-se e recebendo mais pacientes que demandam atendimentos de alta complexidade, consequentemente, aumentaram as complicações neurológicas, as quais necessitam de avaliação e acompanhamento contínuo. “Com isso, percebemos o crescimento e a valorização da especialidade como um todo. A neurologia tem uma grande demanda da família, pois os diagnósticos são, em sua maioria, difíceis e perduram por toda a vida. Por isso, requer muita atenção, tempo e cuidado do médico especialista que acompanha cada caso”, esclarece a neuropediatra responsável pelo Ambulatório de Doenças Raras Neurológicas e preceptora da Residência de Neurologia Infantil, Mara Lúcia Schmitz Ferreira Santos.

Residência em Neurologia Infantil
Há mais de 20 anos, o serviço conta com a formação de especialistas por meio da Residência em Neurologia Infantil.

Programa de Residência Médica

Com o seu compromisso de disseminar conhecimento e contribuir com a formação de profissionais para a área da saúde infantojuvenil, a instituição implantou o Programa de Residência em Neurologia há mais de 20 anos. No início, o programa recebia um residente a cada dois anos. Hoje, são quatro especialistas por ano. A Residência em Neurologia Infantil do Hospital Pequeno Príncipe é um dos processos seletivos mais concorridos do país nessa área.

O neuropediatra Alfredo Löhr Júnior reforça também como a formação de profissionais foi uma grande aliada para o serviço transformar a vida de milhares de crianças e adolescentes. “Graças a todos os médicos e demais profissionais, ao longo desses 40 anos, o Serviço de Neurologia é um dos grandes serviços do Brasil, um centro de referência, principalmente para crianças e adolescentes com doenças raras. Conseguimos atender e resolver todas as questões que vêm até nós. É gratificante ver que muitos neuropediatras que estão conosco hoje iniciaram aqui como residentes”, diz.

doenças raras
O Serviço de Neurologia foi precursor em diversos tratamentos, especialmente voltados às doenças raras neurológicas.

Diferenciais do Serviço de Neurologia

Em relação aos marcos da especialidade durante os 40 anos, a neuropediatra Mara Lúcia Schmitz Ferreira Santos destaca as novas tecnologias que permitiram diagnósticos ainda mais assertivos por meio de exames genéticos, que impactaram especialmente as doenças neurológicas, genéticas e raras. “A partir do momento que conseguimos dar nome às doenças, foi possível conseguir também novos tratamentos, por exemplo, a terapia de reposição enzimática e a terapia gênica”, explica.

O avanço em diagnósticos permitiu também a sobrevida de pacientes. Por exemplo, o Hospital Pequeno Príncipe foi o primeiro do Brasil a fazer o diagnóstico da encefalite do receptor antinmda (distúrbio grave que gera alterações comportamentais, convulsões e transtorno de movimento), que até então não tinha tratamento e as crianças iam a óbito, mas hoje têm a chance de uma vida com qualidade. “A genética chegou para responder muitas perguntas que, antigamente, ficavam em aberto na neurologia”, finaliza.

Histórico do atendimento de neurologia pediátrica

– Em 1983, inicia o atendimento em neurologia clínica.
– Em 1985, é criado o Serviço de Eletroencefalografia.
– Em 1992, o Serviço de Neurologia passa a atuar com ambulatório e enfermaria independentes do Serviço de Neurocirurgia.
– Em 1999, é criado o Programa de Residência em Neurologia Infantil.

equipe Serviço Neurologia
Parte da equipe do Serviço de Neurologia em celebração ao centenário da instituição, em 2019.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

28/05/2024

Como resgatar as brincadeiras tradicionais na era digital?

Neste Dia Mundial do Brincar, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de equilibrar o tempo de tela com atividades lúdicas
26/05/2024

Centro de Vacinas Pequeno Príncipe: 25 anos de excelência em saúde

Inovação, atendimento integral, atualização contínua, compromisso e capacitação de profissionais marcam um quarto de século da unidade
22/05/2024

Qual é a importância do vínculo afetivo na Primeiríssima Infância?

A ligação entre a criança e seus cuidadores se estabelece ainda na gravidez e se estende por um longo caminho após o nascimento
18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
Ver mais