Riscos da automedicação em destaque no Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Riscos da automedicação em destaque no Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos

Quando não feito de maneira adequada, o uso dos fármacos pode levar à intoxicação, retardar o diagnóstico de outras doenças, causar dependências químicas e prejuízos mais sérios
05/05/2017

Usar racionalmente um medicamento significa utilizar os fármacos corretos, nas doses indicadas e pelo período necessário. Quando isso não é feito de maneira adequada, pode levar à intoxicação, retardar o diagnóstico de outras doenças, causar dependências químicas e prejuízos mais sérios. Por isso, neste Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos, lembrado em 5 de maio, o alerta é para a conscientização da sociedade sobre os riscos da automedicação e para a importância da assistência médica e farmacêutica.

No Hospital Pequeno Príncipe, em 2016, 31 crianças e adolescentes foram atendidos vítimas de intoxicação por medicamentos. Apenas neste ano, de janeiro a março, já foram identificados dez casos desse tipo. “É fundamental utilizar os fármacos apenas quando indicados pelo médico, na dose correta, respeitando o intervalo entre as medicações. Vale a pena lembrar também que nem sempre o remédio que é bom para uma pessoa fará o mesmo efeito na outra”, destaca a coordenadora do Setor de Farmácia da instituição, Julliana Bassani.

Fique atento à data de validade dos medicamentos

Ficar atento à validade dos medicamentos, cuidar com a semelhança das embalagens, guardá-las sempre em locais altos e fechados, e não armazenar os fármacos em cozinhas e banheiros, por conta da umidade, também são algumas dicas. “Outro cuidado essencial é não retirar os comprimidos utilizados com frequência das cartelas, pois eles podem perder a eficácia”, afirma a farmacêutica.

Descarte correto dos medicamentos
O Brasil é o 6.º mercado mundial em volume de medicamentos vendidos, de acordo com dados do Guia Interfarma 2014. Estima-se que, por ano, a população brasileira gere mais de 10 mil toneladas de resíduos de medicamentos, sejam eles vencidos ou que sobram de tratamentos.

Porém, muitos fármacos não são descartados de maneira adequada. “As pessoas jogam os remédios na pia, em terrenos ou lixos comuns. Isso pode ser um perigo para os indivíduos que encontrarem esses medicamentos e também gerar um problema ambiental enorme”, explica Julliana. Por isso, o ideal é procurar os pontos de coleta mais próximos para fazer o descarte correto. Confira onde podem ser entregues os medicamentos vencidos em Curitiba:
Em caminhões localizados próximos a terminais de ônibus
Em farmácias

+ Notícias

08/02/2023

Gravidez na adolescência: a prevenção começa com educação e diálogo

Um ambiente acolhedor e de confiança é fundamental para o desenvolvimento saudável de meninos e meninas  
07/02/2023

Nota de pesar pelo falecimento do pediatra Danilo Cerqueira Leite Junior

O médico, com mais de 50 de formação, atuou no Pequeno Príncipe e contribuiu com cuidados a milhares de crianças e adolescentes que passaram pelo Hospital nas últimas décadas
06/02/2023

ALTA COMPLEXIDADE | Serviço de Cirurgia Vascular

O Hospital Pequeno Príncipe tem equipe especializada no tratamento de doenças do sistema circulatório em crianças e adolescentes
03/02/2023

Gravidez na adolescência: quais são os riscos?

A gestação nessa fase, que compreende dos 10 aos 19 anos, gera uma série de consequências para a vida da mãe e do bebê
01/02/2023

Volta às aulas e a imunização de crianças e adolescentes

As medidas de higiene das mãos, etiqueta ao tossir e uso de máscara também auxiliam a evitar a disseminação de doenças
27/01/2023

Hanseníase: atenção aos sinais e sintomas auxilia diagnóstico

Neste Dia Mundial de Combate à Hanseníase, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de se buscar os serviços de saúde logo no aparecimento dos primeiros sinais e lembra que a doença tem cura
Ver mais