Programa APPAM atende de forma integral pacientes com mielomeningocele - Hospital Pequeno Principe

Notícias

Programa APPAM atende de forma integral pacientes com mielomeningocele

Neste Dia Internacional da Mielomeningocele, o Pequeno Príncipe reforça a importância da assistência, inclusão social e garantia de direitos às crianças e adolescentes com a doença
25/10/2021
O Programa APPAM oferece assistência, inclusão social e garantia de direitos às crianças e adolescentes com a mielomeningocele.

 

A mielomeningocele, doença congênita que provoca uma má-formação na coluna vertebral, é a forma mais grave da falha de fechamento do tubo neural do embrião. Apesar de não ter cura, com o tratamento e acompanhamento multidisciplinar, é possível diminuir os sintomas e oferecer melhor qualidade de vida aos pacientes com a doença. Neste Dia Internacional da Mielomeningocele, lembrado em 25 de outubro, o Pequeno Príncipe destaca o trabalho de assistência, inclusão social e garantia de direitos desenvolvido pelo Programa APPAM.

Referência no Paraná, o Programa APPAM, desenvolvido no Centro de Reabilitação e Convivência Pequeno Príncipe, tem o objetivo de garantir a melhoria da qualidade de vida das crianças e adolescentes com mielomeningocele, bem como de seus familiares. Atualmente, 385 famílias estão cadastradas e usufruem os serviços promovidos de forma gratuita, entre eles: fisioterapia, hidroterapia, terapia ocupacional, psicologia, assistência social e atividades de educação, cultura e lazer.

Para se inscrever no Programa APPAM, a criança ou o adolescente precisa ter nascido com mielomeningocele e ser encaminhado para um dos serviços de apoio ou terapêuticos disponíveis na unidade. “A reabilitação visa a garantir o desenvolvimento de habilidades funcionais das pessoas com deficiência para promover sua autonomia e independência, facilitando a realização das atividades da vida diária”, afirma a coordenadora do Programa APPAM, Patricia Bertolini Izidorio.

A iniciativa teve origem na Associação dos Pais e Amigos das Crianças Portadoras de Mielomeningocele, fundada em 1992, e que, com a finalidade de ampliar o atendimento, foi incorporada em 2012 à associação mantenedora do Pequeno Príncipe. “O Programa APPAM é mais um exemplo da atuação pioneira no cuidado integral da nossa instituição centenária. Referência no atendimento multidisciplinar, a unidade possui um olhar atento às pessoas com mielomeningocele e suas famílias, de forma individual, humanizada e digna”, ressalta a diretora-executiva do Hospital, Ety Cristina Forte Carneiro.

Atualmente, 385 famílias estão cadastradas no Programa APPAM e usufruem os serviços promovidos de forma gratuita.

 

Conheça os serviços oferecidos gratuitamente aos pacientes e famílias atendidos pelo Programa APPAM:

– Fisioterapia neurofuncional: auxilia a prevenir, reverter ou aliviar sequelas causadas por algum transtorno do sistema nervoso. São intervenções que contribuem para o restabelecimento das condições cerebrais, do tronco encefálico, das junções neuromusculares, dos nervos periféricos e da medula. Para isso, são aplicadas técnicas como eletroestimulação, atividades manuais, repetição de movimentos e atividades para enrijecer os músculos.

– Fisioterapia aquática: devido à presença da água, a força gravitacional é reduzida, impactando menos as articulações. A prática reduz dores e edemas, auxilia no relaxamento e autoconfiança do paciente, melhora o equilíbrio e a capacidade de locomoção, aumenta a coordenação motora, melhora a circulação sanguínea, aumenta o gasto energético, entre outros.

– Terapia ocupacional: trabalha com a utilização de recursos tecnológicos, ambiência, facilitação e economia de energia nas atividades cotidianas, bem como com emoções, desejos, habilidades, organização e conhecimento do corpo. Também fornece treinamento funcional e de atividades da vida diária, com a orientação em conjunto dos familiares.

– Psicologia: ajuda a pessoa com deficiência a ser ativa e proativa na sociedade, promovendo a oportunidade de desenvolver autonomia e responsabilidade sobre suas ações. O papel do psicólogo vai além, pois oferece suporte aos pais, visando ao fortalecimento familiar, estratégias para o enfrentamento do tratamento e esclarecimentos sobre dúvidas do processo de desenvolvimento emocional.

– Garantia de direitos: o programa contribui para a efetivação dos direitos de crianças e adolescentes com deficiências, visando à proteção integral por meio do apoio ao desenvolvimento físico, mental e social, propondo atividades específicas, como: fornecimento de recursos terapêuticos objetivando apoiar o tratamento domiciliar qualificado; distribuição de kits de alimentos como forma de complementação nutricional; divulgação de cursos sobre formação profissional e realização de oficinas com foco em geração de renda; e atividades de educação, cultura, esporte e lazer.

Centro de Reabilitação e Convivência Pequeno Príncipe
Atualmente, o Centro de Reabilitação e Convivência Pequeno Príncipe foi reestruturado e atende a outros tipos de deficiência física e mental, além da mielomeningocele, como: epilepsia, Síndrome Guillain-Barré, perda de audição por transtorno neurossensorial, paralisia cerebral, hemiplegia espástica, tetraplegia, anomalias cromossômicas, cegueira e visão subnormal, e microcefalia. Entre os eixos de atuação da unidade, estão: reabilitação física e fonoaudiológica, saúde mental, convivência, inclusão social e apoio ao tratamento domiciliar.

 

 

 

 

+ Notícias

29/11/2021

Nutrição pediátrica em consultório é destaque do Pequeno Príncipe Conhecimento

O assunto foi apresentado em cinco aulas com renomados especialistas na área
26/11/2021

Pequeno Príncipe vai auxiliar em ações estratégicas no Paraná na área de biotecnologia em saúde

Profissional da instituição foi convidada para integrar equipe que vai coordenar iniciativas para os próximos dez anos
26/11/2021

UTI Neonatal completa 30 anos salvando a vida de recém-nascidos complexos

Mais de oito mil bebês de todo o país já foram atendidos pela unidade que é referência para pacientes que precisam de tratamentos intensivos com equipamentos de ponta
23/11/2021

Câncer infantil: apenas 8,8% das crianças têm diagnóstico precoce da doença

Pioneiro no tratamento oncológico infantojuvenil no Paraná, Pequeno Príncipe realizou levantamento com seus pacientes entre 1998 e 2017. Neste Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil, o Hospital reforça a importância do diagnóstico precoce
19/11/2021

Representantes da Embaixada e do Consulado-Geral dos EUA conhecem o Complexo Pequeno Príncipe

Visita faz parte de ação de relacionamento entre a Associação Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro, mantenedora do Pequeno Príncipe, e o Centro Cultural Brasil-Estados Unidos de Curitiba – Inter Americano
19/11/2021

Excesso de telas na infância prejudica desenvolvimento saudável

Especialista do Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre os riscos da intoxicação digital infantil e aponta estratégias de prevenção e proteção
Ver mais