Prematuridade: Brasil está entre 10 países com mais prematuros

Notícias

Brasil está entre os 10 países com mais nascimentos prematuros

A Organização Mundial da Saúde estima que, no mundo, mais de um milhão de bebês percam a vida todos os anos por causa da prematuridade
17/11/2022
prematuridade bebê mamando
A pequena Heloísa é um caso de prematuridade. Ela nasceu com 27 semanas e com 930 gramas por conta de um quadro de eclampsia gestacional de sua mãe.

 

A Organização Mundial da Saúde estima que, no mundo, mais de um milhão de bebês percam a vida todos os anos por causa da prematuridade. Segundo o Ministério da Saúde, a cada dez minutos, seis bebês prematuros nascem no Brasil, o que corresponde a mais de 340 mil casos por ano. Isso coloca o país em décimo lugar no ranking mundial dos que mais registram nascimentos antes do tempo, ou seja, antes das 37 semanas.

A pequena Heloísa, agora com 5 meses, faz parte dessa estatística. Ela nasceu com 27 semanas e com 930 gramas por conta de um quadro de eclampsia gestacional que sua mãe, Thays Cristine Alves Valente, teve. “Na gestação do meu primeiro filho, eu já tinha tido pré-eclampsia e, quando descobri a gravidez da Heloísa, também tive essa preocupação justamente por saber que poderia ter de novo. Eu fiz acompanhamento pré-natal desde o início da minha segunda gestação, mas mesmo assim minha pressão ficou muito alta”, relata Thays.

A eclampsia é uma consequência da pré-eclampsia, doença que acontece devido à elevação da pressão arterial e que está entre os principais motivos da prematuridade. Por colocar em risco a vida da mãe e do bebê, o parto acaba sendo adiantado, como no caso de Heloísa. “Eu estava acompanhando e fazendo o tratamento para pré-eclampsia, até que um dia senti uma pressão muito forte na cabeça, fui para o hospital, e tinha evoluído para eclampsia. Como estava afetando a Heloísa, os médicos fizeram uma cesárea de emergência”, lembra a mãe.

Com 44 dias de vida, a menina precisou ser transferida para o Hospital Pequeno Príncipe – referência nacional também no atendimento multiprofissional de prematuros e recém-nascidos complexos – para investigar uma distensão abdominal. Ela foi diagnosticada com obstrução intestinal e passou por cirurgias. Heloísa teve alta no início de novembro, e a mãe, além da alegria pela recuperação, carrega também o sentimento de gratidão. “Ela é uma prematura extrema e ainda vai precisar de muito acompanhamento, então sempre estaremos pelo Hospital em consultas, mas ela já passou por muitas coisas e deu passos gigantes. Sou muito grata por todo o cuidado de todos os profissionais, e esse cuidado não é só com os pacientes, mas com todos os familiares também”, finaliza Thays.

prematuridade maior causa de mortalidade infantil
Com 44 dias de vida, Heloísa foi diagnosticada com obstrução intestinal e passou por cirurgias no Hospital Pequeno Príncipe.

Prematuridade á a principal causa da mortalidade infantil

Por conta de histórias como a da Heloísa, o Pequeno Príncipe, maior hospital exclusivamente pediátrico do país, reforça neste Dia Mundial da Prematuridade a importância da realização do acompanhamento pré-natal com qualidade, pois isso é fundamental para a redução da taxa de nascimentos prematuros, o que impacta diretamente também a redução da mortalidade infantil.

“Muitas vezes, o parto prematuro acontece de forma inesperada, sem sinais ou sintomas. Fatores como infecções durante a gestação e hipertensão arterial podem gerar esse nascimento antes do tempo. Por isso é tão importante um pré-natal rigoroso, pois durante esse acompanhamento podemos identificar situações de risco que podem ser cuidadas e até mesmo evitar o parto prematuro”, enfatiza Silmara Aparecida Possas, neonatologista e gerente das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) do Pequeno Príncipe.

Se, durante o pré-natal, for identificada a possibilidade do nascimento prematuro, o obstetra também consegue planejar para que isso aconteça em centros especializados, capazes de proporcionar toda a assistência necessária e diminuir os riscos para a saúde do bebê. “Todos os prematuros precisam de um acompanhamento intensivo com uma equipe multiprofissional, pois a imaturidade dos órgãos, principalmente pulmões, coração, intestino, rim e cérebro, necessita de tratamento com especialistas para suportar o desenvolvimento fora do útero. E quando o nascimento deles acontece em locais especializados, não é necessário realizar o transporte desse paciente até outra instituição, evitando ainda mais os riscos para sua saúde e desenvolvimento”, explica a especialista.

O tempo de internamento de cada prematuro varia caso a caso e conforme o seu desenvolvimento, mas após a alta os cuidados e acompanhamentos com diferentes especialistas continuam. “O prematuro é um ser fantástico, porque ele tem uma energia intrínseca muito grande. E mesmo ficando internado por três, quatro, cinco meses, esse bebê vai precisar de acompanhamento por um período de pelo menos dois anos. É necessário sempre passar por diferentes avaliações oftalmológicas, pulmonares, gastrointestinais, renais, além de reabilitações com fisioterapia e fonoaudiologia, por exemplo. Nós sempre vamos querer que esses bebês tenham qualidade de vida”, finaliza Silmara.

prematuridade mãe e filha
Heloísa teve alta no início de novembro, e a mãe, além da alegria pela recuperação, carrega também o sentimento de gratidão.

 

UTI Neonatal

A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do Hospital Pequeno Príncipe é voltada exclusivamente para bebês recém-nascidos ou prematuros que necessitem de cuidados intensivos e tratamentos especializados. A UTI tem 20 leitos, todos capacitados para atendimento de bebês de alto risco e de alta complexidade em casos de doenças de difícil diagnóstico ou por malformações, alterações de esqueleto e cutâneas.

O atendimento prestado é humanizado integralmente e efetuado por uma equipe multiprofissional formada por médicos de várias especialidades, enfermeiros, técnicos de enfermagem, psicólogos, fisioterapeutas, farmacêuticos, assistentes sociais e odontólogos, entre outros. Durante o tratamento, os pacientes contam com a presença dos pais e acompanhantes, com possibilidade de permanência em tempo integral, 24 horas por dia.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube

+ Notícias

05/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
Ver mais