Por meio de parceria com o Pequeno Príncipe, Santa Casa de Maringá vai utilizar robô nas UTIs neonatal e pediátrica - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

    Por meio de parceria com o Pequeno Príncipe, Santa Casa de Maringá vai utilizar robô nas UTIs neonatal e pediátrica

    A iniciativa vai permitir que a instituição maringaense troque informações em tempo real no tratamento de casos complexos congênitos
    18/09/2020
    A parceria entre as instituições é fundamental para a qualidade da saúde infantojuvenil no Paraná.

    Reforçando seu compromisso com a saúde infantojuvenil, o Hospital Pequeno Príncipe, que aposta na inovação em prol da assistência e cuidado integral, vai iniciar um projeto pioneiro com a Santa Casa de Maringá. Por meio da utilização de um robô de telepresença nas UTIs neonatal e pediátrica, será possível trocar informações em tempo real no tratamento de casos complexos congênitos.

    O diretor corporativo do Complexo Pequeno Príncipe, José Álvaro da Silva Carneiro, e médicos do Hospital participaram do encontro.

    O diretor corporativo do Complexo Pequeno Príncipe, José Álvaro da Silva Carneiro, esteve na terceira maior cidade do estado do Paraná, no dia 16 de setembro, para uma reunião com o objetivo de alinhar os trabalhos das equipes das duas instituições de saúde. “O uso do robô de telepresença irá gerar ainda mais confiança nas equipes médicas. Elas poderão discutir os casos e tomar as melhores decisões. Nós tratamos de casos complexos e precisamos da telemedicina. Temos aqui o que há de mais moderno no mundo nesse sentido”, enfatizou.

    A Santa Casa de Maringá possui 20 leitos nas UTIs neonatal e pediátrica e é uma das maiores maternidades do estado. Anualmente, cerca de 4 mil crianças nascem no local. “Os nossos médicos poderão receber instruções dos médicos do Pequeno Príncipe em tempo real. Essa troca de informações imediatas vai aumentar ainda mais a qualidade do nosso atendimento para as nossas crianças”, comentou o superintendente da instituição, José Pereira.

    O encontro reuniu profissionais das duas instituições e autoridades de Maringá.

    O encontro contou ainda com as participações do prefeito de Maringá, Ulisses Maia, e do secretário municipal de Saúde, Jair Biato, responsável pela intermediação da parceria. “A Santa Casa é um hospital de referência e sugerimos que esse projeto fosse desenvolvido aqui por causa da estrutura que o Hospital tem no atendimento ao SUS e da qualidade da equipe”, explicou o responsável pela pasta da saúde no município.

    Os médicos intensivistas do Pequeno Príncipe, Leonardo Cavadas, também gestor de risco na instituição, e Silmara Possas, chefe da UTI Neonatal da instituição, também estiveram em Maringá. “Com a experiência centenária do Pequeno Príncipe, essa parceria é muito importante na propagação do conhecimento, abreviando o caminho para casos clínicos extremamente difíceis e alcançando uma sobrevida muito maior para crianças recém-nascidas”, comentou Silmara.

    + Notícias

    16/04/2024

    COVID-19 e dengue são ameaças à saúde das crianças no Brasil

    Primeiro trimestre de 2024 foi marcado pela elevação do número de casos e de mortes provocadas pelas duas doenças
    11/04/2024

    Renúncia fiscal transforma a vida de crianças e adolescentes

    Destinação do Imposto de Renda contribui para a equidade no atendimento em saúde a pacientes vindos de todo o país
    08/04/2024

    Pronon e Pronas: Pequeno Príncipe contribui com consulta pública

    Há dez anos, o Hospital elabora, executa e presta contas de projetos desenvolvidos dentro dos programas
    07/04/2024

    Dia Mundial da Saúde: “Minha Saúde, Meu Direito”

    O Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas
    02/04/2024

    TDAH e autismo: quais são as semelhanças e diferenças?

    A identificação da manifestação dos sintomas é crucial para o diagnóstico e tratamento adequados e individualizados
    30/03/2024

    Como ajudar a criança ou o adolescente com transtorno bipolar?

    Por ser uma doença crônica, que não tem cura, o apoio dos pais, familiares e amigos é essencial
    Ver mais