Pesquisas com fármacos voltadas à pediatra somam apenas 8%

Notícias

Apenas 8% das pesquisas clínicas com medicamentos são voltadas à pediatria

Núcleo de Pesquisa Clínica do Pequeno Príncipe contribui para ampliar esse percentual e melhorar a assistência médica de crianças e adolescentes
07/11/2022
pesquisas clínicas com medicamentos
As pesquisas clínicas desenvolvidas no Hospital proporcionam uma nova opção terapêutica para diversas doenças da pediatria.

 

Crianças e adolescentes são considerados “órfãos terapêuticos”, pois apenas 8% de todas as pesquisas clínicas desenvolvidas no mundo que envolvem medicamentos são voltadas a essas faixas etárias. No Hospital Pequeno Príncipe, o Núcleo de Pesquisa Clínica, que foi criado em 2010, desenvolve estudos em parceria com a indústria farmacêutica para contribuir na elaboração de novos fármacos direcionados aos pequenos pacientes, e também realiza pesquisas próprias.

“Estas pesquisas podem proporcionar aos pacientes pediátricos uma nova opção terapêutica para doenças em que as alternativas medicamentosas regulamentadas para uso em crianças são escassas e, dependendo da enfermidade, nem existam ainda”, esclarece o coordenador do Núcleo de Pesquisa Clínica do Pequeno Príncipe, Fábio de Araújo Motta.

O documento intitulado “Assistência farmacêutica em pediatria no Brasil”, do Ministério da Saúde aborda também que “o desenvolvimento de medicamentos e suas respectivas evidências de eficácia e segurança têm origem na pesquisa envolvendo adultos, de modo que o emprego dessas tecnologias em crianças resulta de adaptações desses resultados, situações estas que não são ideais e podem ocasionar falhas terapêuticas ou mesmo eventos adversos.”

Pesquisas clínicas desenvolvidas no Pequeno Príncipe

Atualmente, estão em desenvolvimento no Pequeno Príncipe 25 estudos, e em 64% deles a instituição é o centro coordenador. São 13 investigadores principais, que coordenam pesquisas em dez especialidades: anestesiologia, gastroenterologia, transplante de medula óssea, cardiologia, pneumologia, infectologia, oncologia, hematologia, neurologia e vacinas. “Esses números demonstram a seriedade do nosso trabalho e o compromisso com resultados sólidos, que tragam contribuições reais para o avanço dos tratamentos pediátricos”, frisa o coordenador.

As pesquisas clínicas são aprovadas pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Pequeno Príncipe (CEP). As famílias, bem como as crianças acima de 7 anos que participam dos estudos, são consultadas previamente sobre seu desejo de participar, assinando um termo de consentimento. “A criança que participa da pesquisa tem a garantia de receber o medicamento de forma gratuita até que ele seja incluído no rol do Sistema Único de Saúde (SUS)”, informa o coordenador.

pesquisas fármacos
A falta de investimento em pesquisas priva pacientes brasileiros dos avanços conquistados pela ciência.

Cenário brasileiro e mundial

Conforme o Guia 2020 da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), o Brasil ocupa a 25.ª posição no ranking mundial de pesquisas clínicas. Dos 3.170 estudos clínicos iniciados no mundo em 2019, na área de oncologia (adulta e pediátrica), o país participa de 68, ou seja, 2,1% do total global.

Considerando a pesquisa clínica em pediatria, o desafio é ainda maior. Cerca de 80% dos medicamentos aprovados nos Estados Unidos, por exemplo, não se destinam ao uso pediátrico e contêm informações incompletas sobre os efeitos que podem causar em crianças. Na Europa, cerca de 50% dos remédios utilizados nas crianças não tiveram ensaios clínicos nem autorização específica para uso pediátrico, caracterizando o que é chamado de uso off label.

A falta de investimento em pesquisas acaba privando os pacientes brasileiros dos avanços conquistados pela ciência. Segundo a Interfarma, o maior volume de gastos com medicamentos comercializados no Brasil é referente a produtos com mais de 11 anos de presença no mercado nacional. A demora na atualização do mercado significa que o paciente brasileiro está sem acesso às maiores inovações em saúde disponíveis em outros países. São tratamentos que poderiam dar mais qualidade de vida ou até mesmo curar doenças.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube

+ Notícias

05/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
Ver mais