Pesquisa descobre novas mutações genéticas associadas a uma doença rara

Notícias

Pesquisa descobre novas mutações genéticas associadas a uma doença rara

Estudo indicou ainda a importância do diagnóstico precoce de glicogenose para evitar danos no cérebro
04/09/2023
pesquisa doença rara DAG
O estudo vai contribuir com a literatura científica internacional sobre a doença rara DAG, que ainda é escassa em todo o mundo.

A doença do armazenamento do glicogênio (DAG) é uma enfermidade rara e hereditária, causada por defeito no metabolismo de enzimas responsáveis pela síntese ou decomposição do glicogênio. Uma pesquisa coordenada pela neurocientista Mara Lúcia Cordeiro, do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, descobriu novas mutações genéticas e indicou a importância do diagnóstico precoce da doença, a fim de evitar danos irreparáveis no cérebro e no desenvolvimento da criança.

Existem mais de dez tipos de DAGs, também chamadas de glicogenoses. Mundialmente, a doença afeta um a cada cem mil nascidos vivos. Esse distúrbio provoca o acúmulo anormal de glicogênio em diferentes órgãos, principalmente no fígado e nos músculos. O glicogênio é uma reserva de energia produzida e armazenada pelo corpo com a transformação dos carboidratos ingeridos em glicose.

Diagnóstico e sintomas da doença rara

O diagnóstico da doença pode ser clínico, por meio de exames físicos e associações com outras ocorrências; enzimático, a partir de biópsia hepática e dosagem de enzimas; e com a aplicação de teste genético molecular. Quando a mutação está presente, é possível realizar ainda o diagnóstico pré-natal em pacientes de risco.

Entre os problemas causados pela DAG estão a hepatomegalia (fígado aumentado), além de sintomas de intolerância ao jejum, hipoglicemia (baixo açúcar no sangue), osteopenia e/ou osteoporose (alterações de estruturas ósseas), nefromegalia (rins aumentados) e disfunção de neutrófilos (células de defesa) e de plaquetas.

O principal sintoma ocasionado pelo distúrbio é a hipoglicemia, que pode resultar em graves consequências, como convulsões e danos cerebrais, que podem provocar atrasos no desenvolvimento, dificuldades físicas e de aprendizado e, em casos raros, levar à morte.

Descobertas do estudo

A pesquisa desenvolvida pelo Instituto avaliou os aspectos genéticos, cerebrais, estruturais e neurológicos de pacientes pediátricos com glicogenoses hepáticas. Participaram do estudo 12 crianças e adolescentes, com idades de 2 a 17 anos, que têm a doença, atendidos no Ambulatório de Neuropediatria do Hospital Pequeno Príncipe.

De acordo com a cientista responsável, a pesquisa descobriu seis novas mutações genéticas ainda não descritas na literatura científica, um resultado que pode contribuir para outros relatos de casos no Brasil.

Além disso, a investigação comprovou os efeitos negativos da glicogenose no cérebro. “Até o momento, o foco era o fígado e os rins. Nosso estudo demonstrou que, quando existe um atraso no diagnóstico e tratamento da doença, danos irreparáveis podem ocorrer no cérebro”, explica a neurocientista. O estudo apontou ainda que o principal impacto da DAG parece estar relacionado ao controle metabólico inadequado, especialmente da hipoglicemia.

Nas próximas etapas do trabalho, os pesquisadores irão avaliar o impacto da doença nos aspectos cognitivos, neurocomportamentais e na família. Segundo os especialistas, o estudo vai contribuir com a literatura científica internacional sobre a DAG, que ainda é escassa em todo o mundo.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3) e Indústria, Inovação e Infraestrutura (ODS 9).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

11/04/2024

Renúncia fiscal transforma a vida de crianças e adolescentes

Destinação do Imposto de Renda contribui para a equidade no atendimento em saúde a pacientes vindos de todo o país
08/04/2024

Pronon e Pronas: Pequeno Príncipe contribui com consulta pública

Há dez anos, o Hospital elabora, executa e presta contas de projetos desenvolvidos dentro dos programas
07/04/2024

Dia Mundial da Saúde: “Minha Saúde, Meu Direito”

O Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas
02/04/2024

TDAH e autismo: quais são as semelhanças e diferenças?

A identificação da manifestação dos sintomas é crucial para o diagnóstico e tratamento adequados e individualizados
30/03/2024

Como ajudar a criança ou o adolescente com transtorno bipolar?

Por ser uma doença crônica, que não tem cura, o apoio dos pais, familiares e amigos é essencial
25/03/2024

Sociedade Paranaense de Pediatria: 90 anos em prol da saúde infantojuvenil

Berço da pediatria no Paraná, o Pequeno Príncipe se orgulha da semente plantada naquele 25 de março de 1934
Ver mais