Pesquisa busca desenvolver novo tratamento para doença de Parkinson - Hospital Pequeno Principe

Notícias

Pesquisa busca desenvolver novo tratamento para doença de Parkinson

Projeto, comandado pelos pesquisadores do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe , propõe desenvolvimento de um nanomedicamento que impede o avanço da enfermidade
08/10/2021

A doença de Parkinson é um distúrbio neurológico do movimento, progressivo e degenerativo, que afeta milhares de pessoas em todo o mundo. Conforme avança, a doença se torna cada vez mais incapacitante, tornando difícil ou impossível a realização de atividades diárias simples, como tomar banho ou vestir-se. Muitos dos sintomas da doença de Parkinson envolvem o controle motor, a capacidade de controlar seus músculos e movimentos. Essas alterações decorrem, principalmente, da morte de neurônios dopaminérgicos.

Estima-se que o custo mundial com medicamentos para essa doença esteja em torno de US$ 11 bilhões, sendo o tratamento cerca de três a quatro vezes mais caro para os pacientes em fase avançada da doença. Os tratamentos existentes são sintomáticos, ou seja, repõem parcialmente a dopamina que está faltando, mas não evitam o progresso da doença. O projeto de pesquisa liderado pela cientista e neurologista Katherine Athayde Teixeira de Carvalho e sua equipe, do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, busca o desenvolvimento de um novo tratamento, capaz de impedir a morte dos neurônios, preservando assim a qualidade de vida dos pacientes e reduzindo os custos de tratamento.

“As células-tronco têm capacidade regenerativa e potencial de diferenciação. Evidências sugerem que o efeito terapêutico dessas células advém de produtos extracelulares, como os microRNAs. Diante disso, nosso estudo propõe uma terapia baseada em microRNAs. Os microRNAs que não apresentam efeitos tóxicos são incorporados em nanoemulsões e utilizados em testes pré-clínicos. A doença de Parkinson é induzida em ratos, e os animais são tratados por quatro a oito semanas com o nanomedicamento. Assim, espera-se o desenvolvimento de um nanomedicamento seguro para uma proposição futura de estudo clínico”, explica a pesquisadora. A nova terapia será testada por via nasal e endovenosa.

“Teremos três anos para desenvolver o projeto, ao final do qual esperamos contribuir com a oferta de um tratamento mais resolutivo, mais econômico e com resultados de mais qualidade de vida para os pacientes com doença de Parkinson atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS)”, enfatiza a cientista.

+ Notícias

28/10/2021

Pequeno Príncipe recebe Prêmio Amigo do Meio Ambiente

O maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil foi reconhecido pela redução e compensação de emissões de gases de efeito estufa e medidas de adaptação às mudanças do clima, baseadas na conservação da biodiversidade
27/10/2021

Pequeno Príncipe completa dois anos de compromisso formal junto ao Pacto Global

Com este engajamento, o Hospital reforça sua atuação por uma sociedade mais sustentável e justa
26/10/2021

Pequeno Príncipe: muito mais que um hospital

Para além da excelência técnico-científica, um dos grandes diferenciais da instituição está na multiplicidade de ações pioneiras de humanização que impactam na rotina de milhares de crianças, adolescentes e suas famílias
25/10/2021

Apresentação especial celebra a infância e o 102º aniversário do Pequeno Príncipe

A distância, pacientes, familiares e profissionais se encantaram com o repertório preparado com muito carinho ao público infantojuvenil
25/10/2021

Programa APPAM atende de forma integral pacientes com mielomeningocele

Neste Dia Internacional da Mielomeningocele, o Pequeno Príncipe reforça a importância da assistência, inclusão social e garantia de direitos às crianças e adolescentes com a doença
23/10/2021

Gala Pequeno Príncipe: uma celebração da ciência e da vida

Evento transmitido pelo canal do Pequeno Príncipe no YouTube compartilhou histórias emocionantes de superação, celebrando a ciência e a vida
Ver mais