Pequeno Príncipe recepciona novos alunos das residências em Enfermagem e Multiprofissional - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Pequeno Príncipe recepciona novos alunos das residências em Enfermagem e Multiprofissional

Com duração de dois anos, as especializações capacitarão enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos e biomédicos para atuarem especificamente na saúde infantojuvenil
11/03/2014

O Complexo Pequeno Príncipe deu as boas-vindas a 27 novos alunos das residências de Enfermagem e Multiprofissional Imagem 019(Psicologia, Farmácia e Biomedicina). São profissionais que vieram de diversas cidades em busca de especialização voltada para a área da saúde da criança e do adolescentecom os diferenciais de humanização do atendimento e excelência técnico-científica. Eles permanecerão em formação por dois anos.

“Já conhecia o Hospital Pequeno Príncipe pelo trabalho realizado. Por isso, não tive dúvidas em escolher essa instituição para minha especialização. Espero crescer profissionalmente e contribuir com esse local tão referenciado”, destaca Graziele Cardoso de Sousa, residente de Enfermagem, que veio de Tangará da Serra, MT.

As práticas das residências não estarão restritas ao Hospital. Serão realizadas também nas unidades básicas de saúde de Curitiba e São José dos Pinhais.  “Os primeiros dias serão marcados pelo processo de integração aos cenários das práticas. Após os alunos conhecerem a realidade é que começarão a desempenhar as suas funções efetivas”, explica a coordenadora das residências de Enfermagem e Multiprofissional, Noeli Haack.

As especializações com o foco específico para a saúde infantojuvenil são exclusivas da Faculdades Pequeno Príncipe. A residência em Enfermagem, por exemplo, é a única oferecida no sul do Brasil. “As residências são um recurso de educação permanente que possibilitam a continuidade do estudo ao mesmo tempo em que é possível produz condições concretas para mudanças na atenção em saúde”, acrescenta a diretora de Pesquisa e Pós-graduação da Faculdades, Rosiane Guetter Mello.

Além de beneficiar os alunos com a formação, as residências permitem manter o atendimento ao paciente em constante melhoria. “A presença do estudante no Hospital faz com que ocorra a interação efetiva entre a academia e a assistência, ou seja, entre a teoria e a prática. É uma troca de saberes com abordagens atuais do conhecimento”, finaliza Rosiane.

Residências do Pequeno Príncipe

Imagem 023 Referência em saúde infantojuvenil, o Pequeno Príncipe desempenha importante papel no ensino participando na formação de médicos e demais profissionais da área, como enfermeiros, fisioterapeutas e psicólogos.

Na década de 1970, a instituição foi credenciada pelo Ministério da Educação a oferecer residência nas áreas médicas. Mas, muito antes disso, em 1935 abrigava a clínica pediátrica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná. Hoje, são oferecidas quatro especialidades em residência médica (pediatria, cirurgia pediátrica, cancerologia e ortopedia e traumatologia) e outras dez áreas de atuação, além dos estágios em especialidades pediátricas.

Em 2012, a Faculdades Pequeno Príncipe também foi credenciada pelos Ministérios da Saúde e da Educação para residências em Enfermagem e Multiprofissional. A primeira turma começou em 2013 e conclui a especialização em 2015

+ Notícias

23/05/2022

Voluntários do Pequeno Príncipe retornam às atividades presenciais

A retomada foi possível com todos os cuidados que o momento de pandemia do coronavírus ainda exige
19/05/2022

Representantes do CEDCA visitam o Centro de Reabilitação e Convivência Pequeno Príncipe

A unidade, que foi reestruturada, atende a diferentes tipos de deficiências de forma integral e humanizada
18/05/2022

Em um ano, Hospital atende mais de 600 crianças e adolescentes vítimas de violência

Em comparação com o ano anterior, o aumento de casos foi de 11%; mais da metade das ocorrências aconteceu na residência da própria criança
17/05/2022

Pequeno Príncipe inicia campanha televisiva para captação de recursos

A iniciativa busca dar mais visibilidade para a causa da saúde infantojuvenil, além de contribuir para a sustentabilidade econômico-financeira da instituição
16/05/2022

Atualização do calendário vacinal pode prevenir casos de SRAG no público infantojuvenil

Diversas doenças respiratórias podem evoluir para a síndrome aguda grave. O Pequeno Príncipe alerta que as medidas de prevenção, como a imunização, precisam ser mantidas
15/05/2022

Sintomas da mucopolissacaridose aparecem na primeira infância

A doença rara é genética e neurodegenerativa, que evolui com sintomas multissistêmicos
Ver mais