Pequeno Príncipe recebe especialista de Madrid para uma troca de experiências com seus profissionais - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Pequeno Príncipe recebe especialista de Madrid para uma troca de experiências com seus profissionais

O tema do encontro foi o uso da toxina botulínica para o tratamento de crianças espásticas
14/08/2015

Dr_Samuel_Pascual_Pascual (1)O Hospital Pequeno Príncipe foi escolhido pelo grupo farmacêutico IPSEN para uma troca de experiências sobre práticas internacionais em reabilitação neuropediátrica, com o especialista espanhol Samuel Ignácio Pascual-Pascual. No Brasil, mais quatro instituições foram selecionadas para o encontro, em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás.

Em Curitiba, o evento ocorreu nesta quinta-feira, dia 13, e reuniu profissionais da instituição, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. Durante o encontro, foram apresentados aos participantes os mais novos estudos clínicos com o uso do medicamento Dysport® (toxina botulínica A).

Dr_Luiz_Antonio_Munhoz_da_Cunha_Dr (3)
Luiz Antonio Munhoz da Cunha, Samuel Ignácio Pascual-Pascual e Donizetti Dimer Giamberardino Filho

De acordo com o palestrante, a novidade está no tratamento de crianças com paralisia cerebral. “A toxina bloqueia a ordem de movimento do músculo de três a cinco meses. Nos casos de paralisia cerebral, ela faz com que os rostos dos pacientes deformem em menor proporção”, contou Pascual.

Dr_Donizetti (16)Uso da toxina botulínica no HPP
No Hospital Pequeno Príncipe, a toxina botulínica já é utilizada há aproximadamente 15 anos, e tem contribuído para a melhora de pacientes espásticos – que apresentam contrações musculares involuntárias. “Essa toxina relaxa o músculo e com isso, diminui a sua ação. O objetivo da técnica é melhorar a função motora dos pacientes em longo prazo”, explicou o ortopedista do Hospital, Edilson Forlin.

De acordo com o especialista, o medicamento é indicado para crianças mais novas, na faixa dos dois anos. “Ele é utilizado quando as contrações ainda estão em fase inicial, pois com o passar do tempo, o músculo vai encurtando. A toxina relaxa, mas não tem o poder de alongar o músculo”, relatou Forlin.

+ Notícias

03/02/2023

Gravidez na adolescência: quais são os riscos?

A gestação nessa fase, que compreende dos 10 aos 19 anos, gera uma série de consequências para a vida da mãe e do bebê
01/02/2023

Volta às aulas e a imunização de crianças e adolescentes

As medidas de higiene das mãos, etiqueta ao tossir e uso de máscara também auxiliam a evitar a disseminação de doenças
27/01/2023

Hanseníase: atenção aos sinais e sintomas auxilia diagnóstico

Neste Dia Mundial de Combate à Hanseníase, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de se buscar os serviços de saúde logo no aparecimento dos primeiros sinais e lembra que a doença tem cura
25/01/2023

Gastrosquise: diagnóstico é possível pelo ultrassom na gestação

O Hospital Pequeno Príncipe é referência no tratamento cirúrgico da doença, que é uma malformação rara da parede abdominal ocasionada ainda na formação do feto
23/01/2023

Saiba tudo sobre viroses em crianças

Hospital Pequeno Príncipe chama atenção de famílias para quadros virais comuns durante o verão
20/01/2023

Como cuidar da saúde mental na infância e adolescência?

O Hospital Pequeno Príncipe chama atenção para o tema e sugere atitudes de pais e responsáveis para contribuir com seus filhos
Ver mais