Pequeno Príncipe participa de debate sobre segurança do paciente na 11.ª edição do Seminário Femipa - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Pequeno Príncipe participa de debate sobre segurança do paciente na 11.ª edição do Seminário Femipa

O diretor corporativo do Complexo, José Álvaro da Silva Carneiro, expôs a trajetória da instituição no processo de conquista da Acreditação ONA, um dos mais importantes certificados de qualidade em serviços de saúde
16/03/2018

Com o tema “Políticas de gestão que impactam nas políticas de saúde”, a 11.ª edição do Seminário Femipa, realizada nos dias 14, 15 e 16 de março, reuniu diferentes especialistas com o intuito de compartilhar temas pertinentes ao dia a dia das instituições de saúde hospitalar. No primeiro dia de evento, o diretor corporativo do Complexo Pequeno Príncipe, José Álvaro da Silva Carneiro, participou de um debate sobre segurança do paciente, expondo a trajetória da instituição no processo de conquista da Acreditação ONA, um dos mais importantes certificados de qualidade em serviços de saúde.

Com o intermédio do médico e presidente do IPASS, Fábio Motta, e ao lado da promotora Angela Khury, do médico Renato Vieira e do advogado Silvio Guidi, o diretor corporativo José Álvaro da Silva Carneiro expôs o desafio da segurança do paciente. “Se por um lado, o jurídico acredita que o sistema de notificações gera provas contra nós mesmos, percebemos que a organização como um todo se sente mais confortável ao assumir um erro, principalmente num mundo tecnológico que vivemos, onde tudo se espalha rapidamente nas redes sociais. Porém, o processo de melhoria é contínuo, sempre buscamos fazer mais e melhor”, enfatizou o diretor.

“Descobri, no início da minha gestão, que o Pequeno Príncipe havia sido o primeiro hospital acreditado no Paraná e que havia desistido para obter um ISO. Isso me instigou ainda mais a preparar um ambiente de sistema integrado em 2011 e retomar a busca pelo processo de Acreditação em 2013. Por contar com mais de 2 mil funcionários, foi um lento processo na construção de uma nova cultura organizacional”, destacou Carneiro. “Por conta dessa dificuldade, é muito importante o apoio da alta direção e que haja persistência”, completou.

Atualmente, o Hospital Pequeno Príncipe realiza mais de 300 mil atendimentos ambulatoriais, mais de 22 mil internações e mais de 20 mil cirurgias por ano. “Nossa quantidade de eventos sentinelas é bem abaixo da média, temos uma grande eficiência e facilidade de acesso às famílias e poucas ações contra casos médicos. No último ano, conquistamos o Nível 2 da Acreditação ONA e agora caminhamos para o Nível 3 e buscaremos a certificação internacional, fazendo com que nos posicionemos como um dos melhores hospitais do planeta”, finalizou o diretor corporativo.

+ Notícias

25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
21/11/2022

Pequeno Príncipe atua na prevenção da resistência aos antimicrobianos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1,3 milhão de pessoas morram a cada ano devido aos efeitos dessa resistência  
20/11/2022

Dia Mundial da Criança chama atenção à defesa de direitos

Em sua trajetória centenária, o Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas  
18/11/2022

Eletrofisiologia: Pequeno Príncipe é pioneiro em pediatria e mapeamento do coração em procedimento cirúrgico

O serviço também é referência no Brasil na realização de procedimentos invasivos e colocação de dispositivos eletrônicos no público infantojuvenil
Ver mais