Pequeno Príncipe incentiva engajamento em programas de voluntariado - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Pequeno Príncipe incentiva engajamento em programas de voluntariado

Há 96 anos, a instituição conta com o apoio de cidadãos que fazem a diferença na causa da saúde infantojuvenil
25/09/2015

Ser voluntário é abrir mão dos próprios interesses em prol das necessidades do próximo. É um trabalho de intensa dedicação às pessoas e causas. No Hospital Pequeno Príncipe, além de transmitir amor, eles também precisam assumir responsabilidades. Hoje, a instituição conta com 500 voluntários ativos. O alto índice é resultado de 96 anos de pessoas mobilizadas pela missão de promover a saúde de crianças e adolescentes.

Tudo começou em 1919, quando um grupo de mulheres da sociedade curitibana se reuniu para viabilizar o atendimento em saúde à população carente da cidade, primordialmente as crianças. Quase um século depois, esse trabalho continua dando frutos. Até agosto deste ano, 3.353 visitas e 46.836 atendimentos foram realizados pelos colaboradores em ambulatórios, brinquedotecas e enfermarias.

Como ajudar?
Algumas características são essenciais para quem deseja ser um voluntário, como ter responsabilidade, seguir normas, ser pontual e assíduo, além de manter discrição. “O que as pessoas devem entender é que elas serão voluntárias do Hospital e não de algumas crianças”, relatou Rita Lous, coordenadora do Setor de Voluntariado da instituição.

Para ser voluntário no Pequeno Príncipe é preciso ter mais de 18 anos. As inscrições são feitas pessoalmente no Setor de Voluntariado. Os interessados devem escolher um dia da semana e período de atuação (manhã, tarde ou noite), de acordo com a modalidade e a disponibilidade das vagas. Após a inscrição, os candidatos passam por uma entrevista e posteriormente por um treinamento e visita no Hospital. Novas vagas são disponibilizadas no primeiro dia útil de cada mês.

Com a palavra, as crianças
Alguns pacientes expressaram o quão importante e especiais são os voluntários. Confira os depoimentos:

Kaike_Riski (8)Eu gosto muito deles, são divertidos. Eles me ajudar a melhorar e trazem brinquedos, pode ser qualquer um.
Kaike Riski, quatro anos.
Larissa_Pacheco (1)Uma vez eu liguei para uma tia que me trouxe um brinquedo de música. É porque eu estou internada e por isso ela me ajuda.
Larissa Pacheco, sete anos.
Izabelly_Amaral (2)Eles são muito legais, ontem mesmo eu fiquei aqui na brinquedoteca mexendo na casinha. Foi super divertido.
Izabelly do Amaral, seis anos.
Roberto_Jesus (2)Eu gosto de pintar o desenho do batman com eles. É o meu preferido.
Roberto Jesus, sete anos.
Julio_Cesar_Medeiros (2)Eu gosto dos voluntários, sempre brinco com a tia Elizângela. Nós conversamos sobre a escola e tudo mais.
Julio César Medeiros, oito anos.

+ Notícias

17/05/2022

Pequeno Príncipe inicia campanha televisiva para captação de recursos

A iniciativa busca dar mais visibilidade para a causa da saúde infantojuvenil, além de contribuir para a sustentabilidade econômico-financeira da instituição
16/05/2022

Atualização do calendário vacinal pode prevenir casos de SRAG no público infantojuvenil

Diversas doenças respiratórias podem evoluir para a síndrome aguda grave. O Pequeno Príncipe alerta que as medidas de prevenção, como a imunização, precisam ser mantidas
15/05/2022

Sintomas da mucopolissacaridose aparecem na primeira infância

A doença rara é genética e neurodegenerativa, que evolui com sintomas multissistêmicos
12/05/2022

Semana de Enfermagem aborda tecnologias e inovações em benefício da saúde

Neste ano, além de homenagear os profissionais de enfermagem do Pequeno Príncipe e ampliar os conhecimentos, a iniciativa apresentou as novidades do ramo
11/05/2022

Faculdades Pequeno Príncipe inaugura escritório que facilita oportunidade de estudos nos EUA

A iniciativa coloca a unidade de educação em um seleto de grupo de 43 instituições brasileiras que integram o programa global
10/05/2022

Lúpus: conscientização garante diagnóstico e tratamento corretos

O Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância da atenção à doença, que não tem cura, mas permite, com os cuidados necessários, ao paciente ter mais qualidade de vida
Ver mais