Paralisia cerebral: conheça a condição grave que afeta a infância

Notícias

Paralisia cerebral: conheça sobre essa condição grave que afeta a infância

O Hospital Pequeno Príncipe destaca o atendimento multidisciplinar como essencial para promover a qualidade de vida desses pacientes
06/10/2022
paralisia cerebral
Diagnóstico rápido e a intervenção precoce constituem o principal tratamento da criança com paralisia cerebral.

Ao redor do globo, segundo a organização World Cerebral Palsy Day, mais de 17 milhões de pessoas vivem com paralisia cerebral (PC), a causa mais comum de problemas físicos graves na infância. Neste Dia Mundial da Paralisia Cerebral, o Hospital Pequeno Príncipe conscientiza sobre essa deficiência permanente e reforça a importância da atuação de uma equipe multidisciplinar para um tratamento adequado da doença.

A paralisia cerebral é descrita como uma condição permanente que afeta o desenvolvimento do movimento e da postura. A doença é resultado de malformações ou lesões cerebrais que ocorrem durante o desenvolvimento do cérebro fetal ou infantil, até os 5 anos. No Brasil, estima-se que de 30 mil a 40 mil casos surjam todos os anos, de acordo com a organização World Cerebral Palsy Day.

Entenda a paralisia cerebral

  • Classificações

O comprometimento dos sistemas neuromuscular, musculoesquelético e sensorial é característico da PC. Conforme a disfunção motora atribuída a cada paciente com esse diagnóstico e o local da lesão cerebral, é possível classificar a paralisia cerebral. A doença é dividida em três principais tipos: espástica, discinética/hipotônica e atáxica.

Na paralisia cerebral espástica, que representa de 70% a 80% dos casos, os músculos são rígidos e fracos, podendo afetar o movimento de braços e pernas. Problemas de visão, como estrabismo, e a marcha em tesoura, quando a criança se desloca com uma perna à frente da outra, também são possíveis nesse quadro. Com a paralisia discinética ou hipotônica, o movimento involuntário é algo característico. Já a atáxica afeta o equilíbrio e a coordenação, junto de um tremor nos movimentos.

  • Principais causas

A neurologista pediátrica Elisabete Coelho Auersvald, do Hospital Pequeno Príncipe, revela que as causas da PC podem ser pré-natais, como malformação do encéfalo e problemas genéticos; perinatais, a exemplo de fatores traumáticos e isquemia; ou pós-natais, como infecções e acidentes.

“Com todas essas causas, o importante é que também podemos identificar alguns sinais de alerta. O atraso para sentar, engatinhar ou falar, assimetria na movimentação de membros, falta de equilíbrio, dificuldade de deglutição, distúrbio no sono e estagnação no crescimento da cabeça ao longo do primeiro ano de vida são alguns fatores que merecem atenção e investigação”, conta a médica.

  • Tratamento

Por ser uma condição permanente e sem cura, o diagnóstico rápido e a intervenção precoce constituem o principal tratamento da criança com paralisia cerebral. Esses fatores são determinantes para garantir um melhor desenvolvimento psicomotor e uma consequente melhora da qualidade de vida já durante a primeira infância.

Cuidados multidisciplinares com neurologistas, ortopedistas, fonoaudiólogos e psicopedagogos são essenciais para promover uma vida melhor a crianças com PC. “Sabemos que a paralisia cerebral é uma condição persistente, não progressiva. No entanto, as habilidades da criança só vão progredindo à medida que novos processos são instigados. Desta forma, os profissionais de saúde devem sempre guiar ações visando a atender às metas funcionais das crianças”, finaliza a neurologista.

Cuidado da família é essencial no tratamento

Em um cenário global, mais de 350 milhões de pessoas convivem com alguém que tenha paralisia cerebral. A experiência em dividir uma rotina com uma pessoa nessa condição pode culminar em uma sobrecarga dos pais ou responsáveis. Por isso, a médica paliativista Andreia Christine Bonotto Farias Franco, do Hospital Pequeno Príncipe, reforça a importância do cuidado com as famílias dessas crianças, que devem receber informações seguras e relevantes, além de apoio, respeito e acolhimento.

“Ao obter o diagnóstico da paralisia cerebral, os pais geralmente vivenciam um período de choque. Isso pode gerar um forte impacto emocional, devido ao medo do desconhecido e por não se sentirem preparados para enfrentar a situação. Gradualmente, passam a aceitar, reestruturar a organização familiar e a se adaptar à nova condição da criança, que demanda tratamento contínuo e exige cuidados permanentes. O amor dos pais oferece às crianças a capacidade de desenvolver o seu potencial humano de manifestar sua própria forma de ser no mundo”, finaliza a especialista.

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

22/05/2024

Qual é a importância do vínculo afetivo na Primeiríssima Infância?

A ligação entre a criança e seus cuidadores se estabelece ainda na gravidez e se estende por um longo caminho após o nascimento
18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
13/05/2024

É normal a criança ter amigos imaginários?

A criação desses personagens é comum no desenvolvimento infantil, mas veja alguns sinais que indicam atenção a essa prática
09/05/2024

Ministra da Saúde visita área onde será o Pequeno Príncipe Norte

Nísia Trindade de Lima destacou a importância do projeto e da instituição para a saúde infantil do país
Ver mais