Pandemia reduziu acesso de crianças vítimas de violência a serviços de saúde - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Pandemia reduziu acesso de crianças vítimas de violência a serviços de saúde

Referência em atendimento de vítimas de maus-tratos, Hospital Pequeno Príncipe recebeu 20% menos crianças em comparação ao ano anterior. Dos 554 casos atendidos na instituição, 59% tinham até 6 anos
17/05/2021

Uma estatística triste. A cada ano, o Hospital Pequeno Príncipe recebe centenas de crianças e adolescentes vítimas de todos os tipos de violência: sexual, física, psicológica, negligência ou autoagressão. Em 2020, foram 554 atendimentos, sendo que a violência sexual foi a predominante, com 362 crianças vítimas, o que corresponde a 65,3% do total de casos. Cento e três menores necessitaram de internação para se recuperar das lesões sofridas ou para serem retirados da convivência familiar até que os órgãos de defesa da infância tomassem as medidas protetivas cabíveis. “São números estarrecedores, que ressaltam a importância de a sociedade estar atenta, ouvir os pedidos de socorro desses meninos e meninas, e denunciar sempre, pois a denúncia pode salvar vidas”, enfatiza a diretora-executiva do Hospital, Ety Cristina Forte Carneiro.

Especialistas são unânimes em dizer que a necessidade de ficar mais tempo em casa agravou os casos de violência contra as crianças. “Historicamente, em cerca de 80% dos casos de violência, o agressor é alguém da própria família ou conhecido da família. Em tempos de pandemia, a convivência com esses agressores está aumentada. Se somarmos a isso o fato de as pessoas estarem mais estressadas, menos tolerantes, com diversos problemas sociais, e ainda sem a escola, que é um lugar de proteção das crianças, elas, sem dúvida, estão muito mais vulneráveis”, analisa a psicóloga do Pequeno Príncipe Daniela Prestes.

Um dado alarmante é com relação à pouca idade das vítimas: 326 tinham até 6 anos. Segundo o Comitê das Nações Unidas sobre o Direito da Criança, os primeiros anos da vida são a base para o desenvolvimento futuro de uma pessoa, e o estresse na primeira infância (que vai desde a gestação até os 6 anos), incluindo a exposição à violência, coloca em risco a saúde e a educação das crianças, com consequências mentais e fisiológicas negativas em longo prazo e que podem causar mudanças permanentes no cérebro em desenvolvimento, afetando a aquisição da linguagem, o funcionamento cognitivo e o autocontrole. Também pela pouca idade, a criança não consegue identificar o que é violência e pedir socorro sozinha.

Perfil das vítimas
Conforme relatório de 2020 da Organização Mundial da Saúde (OMS), uma a cada duas crianças sofre algum tipo de violência no mundo todo ano. A Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, que mantém o Disque 100, contabilizou 95.252 denúncias de maus-tratos contra crianças e adolescentes em 2020 no Brasil. No Pequeno Príncipe, foram 554 atendimentos. A maioria das vítimas, 67,5% do total, era menina. De todas as crianças atendidas, 167 apresentaram lesões aparentes, e em 103 casos foi necessária a internação. Enquanto em 2019 duas crianças foram retiradas da família e encaminhadas a abrigos, em 2020 o número passou para oito.

Nos casos de violência sexual, as menores crianças vítimas desse tipo de violação foram três meninas e um menino de 10 meses de idade. Em três dos quatro casos, o pai foi o principal suspeito. O genitor foi apontado como principal suspeito em 70 dos casos atendidos (20%). Em 81% das situações de violação sexual, a agressão foi cometida por alguém do vínculo familiar da criança.

Considerada também como violência, a autoagressão é bastante preocupante. O que chama a atenção é que em 2020 a menor vítima de tentativa de suicídio era uma criança de apenas 10 anos de idade. Ao todo o Pequeno Príncipe atendeu 19 crianças e adolescentes por situações provocadas pela própria vítima.

Veja, ouça, denuncie
Para sensibilizar a sociedade sobre a importância da denúncia, o Pequeno Príncipe mantém, desde 2006, a Campanha Pra Toda Vida – A Violência não Pode Marcar o Futuro das Crianças. Por meio de manuais voltados a profissionais de saúde e da educação, livros sobre autoproteção direcionados ao público infantojuvenil e mobilização da comunidade por meio das redes sociais e outros materiais, a campanha busca dar visibilidade ao tema, seja ajudando os profissionais a identificarem os sinais de violência, seja incentivando as pessoas a denunciarem.

Em 2021 o tema é um chamado ainda para a sociedade engajar-se na proteção às crianças e adolescentes. “Veja – Ouça – Denuncie é um apelo à sociedade, é um pedido para que todos fiquem de olhos abertos, atentos aos pedidos de socorro das crianças e em ação, denunciando os casos suspeitos de violência. A denúncia pode ser feita ligando de forma anônima para o Disque 100 (nacional), 181 (Paraná) ou 156 (Curitiba). Este é um gesto que tem o poder de salvar vidas”, ressalta Ety.

Histórico dos atendimentos no Hospital Pequeno Príncipe

 

+ Notícias

30/09/2022

Setembro Amarelo: é preciso falar sobre tentativa de suicídio na infância e adolescência

O Hospital Pequeno Príncipe, referência em atendimentos pediátricos, registrou um aumento de 95% dos casos do primeiro semestre de 2021 para 2022
29/09/2022

Coração dá sinais de que precisa de cuidado

Neste Dia Mundial do Coração, o Hospital Pequeno Príncipe alerta quando é necessário buscar um pediatra
27/09/2022

Doação de órgãos e tecidos: uma decisão que transforma vidas

O Hospital Pequeno Príncipe, que até agosto de 2022 realizou 183 transplantes de órgãos, reforça a importância do diálogo sobre o tema
26/09/2022

Voluntários celebram o brincar em retorno ao Pequeno Príncipe

Neste ano, o Dia do Voluntário Paranaense é cercado de ainda mais emoção, devido à retomada das atividades presenciais
23/09/2022

Setembro Amarelo: saiba como agir caso alguém busque apoio

Ser empático com os sentimentos da criança e do adolescente é muito importante, além de necessário encorajar a buscar um profissional especializado em saúde mental
22/09/2022

Acompanhamento médico é fundamental para saúde de adolescentes e jovens

De acordo com especialista, a assistência é importante nessa fase, pois facilita o acesso a informações corretas, incluindo a vacinação
Ver mais