Otorrino na pediatria é tema do Pequeno Príncipe Conhecimento - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Otorrino na pediatria é tema do Pequeno Príncipe Conhecimento

Série de aulas sobre o assunto compartilhou vivências do maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil
15/09/2021
O Serviço de Otorrinolaringologia do Pequeno Príncipe realiza consultas ambulatoriais e cirurgias via Sistema Único de Saúde (SUS), por convênios e particular.

A Otorrinolaringologia é a especialidade médica que trata, pesquisa e acompanha problemas relacionados aos ouvidos, nariz, garganta e cirurgia cervicofacial. É uma área complexa e com particularidades. Para falar mais sobre essa especialidade, o Pequeno Príncipe, por meio do projeto Pequeno Príncipe Conhecimento, promoveu uma série de aulas. Cada apresentação contou com especialistas que atuam no Hospital, que abordaram um pouco dos diferenciais da otorrino na instituição.

No total, foram quatro encontros on-line com foco em: crianças com síndrome de Down e a necessidade de um otorrino, avaliação da audição e distúrbios da linguagem, obstrução nasal, otites, roncos e estridor. As aulas foram conduzidas pelos médicos Lauro João Lobo Alcantara; Trissia Maria Farah Vassoler; Juliana Benthien Cavichiolo; Rodrigo Guimarães Pereira e Elise Zimmermann Mathias, respectivamente.

A partir de casos vivenciados na rotina do maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil, os participantes tiveram a oportunidade de trocar conhecimentos e também esclarecer dúvidas sobre esta especialidade, que auxilia em diversos diagnósticos e merece a atenção dos pais e responsáveis.

Os especialistas reforçaram que sinais como ronco, atraso no início da fala rinite, entre outros, devem ser avaliados em consultas com otorrinolaringologistas pediátricos para esclarecer dúvidas e, sempre que possível, obter o diagnóstico necessário e precoce. Já para as crianças com a Síndrome de Down, o otorrino é um grande aliado, pois os pacientes podem apresentar distúrbios do sono, alterações auditivas e otológicas, entre outras intercorrências.

Referência em exames cocleares

Há dez anos, o Hospital Pequeno Príncipe realiza implante coclear pediátrico por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). A instituição, que é referência no procedimento no estado, realiza em média 18 implantes por ano via SUS. O Ministério da Saúde e estudos epidemiológicos indicam que a cada mil crianças no Brasil, três possuem problemas auditivos.

O implante é indicado para pessoas que têm perda auditiva profunda ou severa e que ao usar aparelhos convencionais não conseguem o resultado esperado. A deficiência auditiva, por sua vez, pode ter causas genéticas, traumas ou doenças adquiridas. O Hospital conta com uma equipe multiprofissional e toda a estrutura necessária para realizar o diagnóstico, cirurgia, acompanhamento pós-cirúrgico e reabilitação dos pacientes.

A especialidade em números – ano de referência 2019
– 4.813 consultas
– 1.414 internações
– 29 implantes cocleares (sendo 21 pelo SUS)

+ Notícias

12/06/2024

Cardiopatias congênitas: diagnóstico precoce evita complicações graves

Neste Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita, o alerta é para os exames disponíveis para diagnóstico e à importância do tratamento adequado para cada caso
11/06/2024

Gala Pequeno Príncipe 2024 será realizado em São Paulo

Jantar com a participação das madrinhas marcou o lançamento do evento, programado para o dia 30 de setembro
10/06/2024

Semana da Coluna tem mutirão com cirurgias de alta complexidade

Oito crianças passarão por procedimentos no Hospital, que é referência nacional em ortopedia pediátrica
06/06/2024

16.ª Noite dos Chefs une gastronomia e solidariedade

O evento tradicional une gastronomia e solidariedade com o objetivo de arrecadar recursos
05/06/2024

Como trabalhar a educação ambiental desde a infância?

Neste Dia Mundial do Meio Ambiente, o Hospital Pequeno Príncipe dá dicas sobre como falar a respeito da conservação do planeta com as crianças
04/06/2024

Doenças que mais acometem as crianças devido às enchentes

Além da destruição, as inundações no Rio Grande do Sul também preocupam pelo grande aumento de doenças infectocontagiosas e de pele
Ver mais