Doença renal crônica na infância: o que você precisa saber

Notícias

O que você precisa saber sobre a doença renal crônica na infância

O Hospital Pequeno Príncipe, que oferece todas as modalidades de tratamento para a DRC, apoia a campanha do Dia Mundial do Rim, que chama atenção para a saúde desse órgão
09/03/2023
doença renal crônica na infância
A doença renal crônica na infância pode ser silenciosa, por isso é preciso ficar atento aos sinais e sintomas.

A doença renal crônica (DRC) é caracterizada quando há alteração persistente da função dos rins por um período superior a três meses. A condição afeta mais de dez milhões de pessoas no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Embora seja mais comum em adultos, quando a doença atinge as crianças, especialmente em estágios avançados, pode trazer consequências graves, o que exige cuidados contínuos.

“Saúde dos rins (e exame de creatinina) para todos” é o tema central da campanha do Dia Mundial do Rim em 2023. A iniciativa é coordenada no Brasil pela Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN). Infelizmente, nem toda doença renal crônica é prevenível, principalmente na infância. Por isso, o Hospital Pequeno Príncipe chama atenção para as causas e sintomas da condição, além dos principais cuidados com esse órgão.

Segundo a médica nefrologista Lucimary de Castro Sylvestre, do Hospital Pequeno Príncipe, o Brasil é muito grande e desigual, e nem sempre existe facilidade de acesso ao tratamento, e isso faz com que haja evolução da doença para estágio avançado. “Há também a falta de conhecimento das pessoas sobre as causas da condição. Além da dificuldade dos próprios profissionais da saúde em reconhecer os sintomas e encaminhar adequadamente para evitar a evolução do quadro”, aponta.

Causas da doença renal crônica na infância

A doença renal crônica na infância pode ter diversas causas e ocorrer ainda na formação do bebê durante a gravidez. Ou então ser hereditária e já estar presente no histórico da família. E, ainda, pode ser adquirida e evoluir para uma insuficiência, caso não seja tratada adequadamente, como é o caso das infecções urinárias de repetição.

“Nem toda causa da doença renal crônica é prevenível. Desta forma, o que fazemos é retardar sua evolução. A depender do caso, há necessidade de intervenção cirúrgica ou de acompanhamento clínico periódico, além da adoção de hábitos saudáveis, que incluem alimentação, e atividades física; e também evitar as causas secundárias, como obesidade, diabetes e hipertensão arterial, que também podem ocorrer em crianças e adolescentes”, explica a nefrologista pediátrica.

Diagnóstico precoce

O início dos cuidados com os rins deve acontecer desde antes da concepção do bebê. É importante conhecer o histórico de doenças na família, entre elas as hereditárias renais. No pré-natal, é necessário acompanhar o desenvolvimento fetal por meio da ultrassonografia gestacional e identificar possíveis doenças congênitas renais para viabilizar o acompanhamento adequado da gestante e do feto.

A doença renal crônica é dividida em estágios, e uma das formas de avaliar a função do órgão do paciente é por meio da creatinina – substância presente no sangue que é produzida pelos músculos e eliminada pelos rins. Outros exames complementam a avaliação se os rins estão funcionando bem ou não, como ureia, potássio e exame de urina, para avaliar se há perda excessiva de albumina.

cor da urina

Sintomas da doença renal crônica na infância

A doença renal crônica pode ser silenciosa e muitas vezes o paciente só descobre que tem o problema renal quando existe uma falência dos rins. No caso das crianças e dos adolescentes, é preciso ficar atento aos sinais e sintomas, que podem auxiliar no diagnóstico precoce da doença.

  • Infecções urinárias de repetição.
  • Dificuldade do ganho de peso e/ou crescimento.
  • Anemia persistente sem causas aparentes.
  • Inchaço.
  • Problemas ósseos.
  • Dificuldade, dor e/ou ardência ao urinar.

Tratamento

No Brasil, o número de pacientes com doença renal crônica avançada é crescente. A Sociedade Brasileira de Nefrologia estima que, em 2040, a DRC será a quinta maior causa de morte no mundo.

O tratamento depende da fase em que o paciente se encontra. Nos primeiros estágios, é importante controlar as infecções, a pressão arterial e a perda de proteína. Isso geralmente é feito por meio de acompanhamento de um nefrologista, uso de medicações e orientação nutricional para uma dieta que seja adequada e evite o sobrecarregamento dos rins.

Se a função renal chega a menos do que 10% a 15% de sua capacidade, existe a necessidade de fazer algum tipo de tratamento para substituir a função dos rins, que pode ser a diálise peritoneal, a hemodiálise ou o transplante renal.

“Felizmente, apenas uma pequena parcela das crianças e adolescentes evoluem para essa situação, e essa faixa etária é uma excelente fase para controlar os fatores que podem levar à necessidade de substituição renal, tanto nesse período da vida quanto na idade adulta, quando a falência dos rins é muito mais frequente”, finaliza a médica.

Serviço de Nefrologia

O Serviço de Nefrologia do Hospital Pequeno Príncipe oferece todas as modalidades de tratamento para a doença renal crônica. Há quase 40 anos, a instituição realiza atendimento ambulatorial e hospitalar a crianças e adolescentes com idades até 18 anos, além de contar com os serviços de hemodiálise, diálise peritoneal e transplante renal. Os pacientes também têm à disposição um ambulatório geral de nefrologia e ambulatórios especializados. Os pacientes dispõem de uma equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas e assistentes sociais, e de uma estrutura completa para a realização de todos os exames em um só local.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube

+ Notícias

11/04/2024

Renúncia fiscal transforma a vida de crianças e adolescentes

Destinação do Imposto de Renda contribui para a equidade no atendimento em saúde a pacientes vindos de todo o país
08/04/2024

Pronon e Pronas: Pequeno Príncipe contribui com consulta pública

Há dez anos, o Hospital elabora, executa e presta contas de projetos desenvolvidos dentro dos programas
07/04/2024

Dia Mundial da Saúde: “Minha Saúde, Meu Direito”

O Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas
02/04/2024

TDAH e autismo: quais são as semelhanças e diferenças?

A identificação da manifestação dos sintomas é crucial para o diagnóstico e tratamento adequados e individualizados
30/03/2024

Como ajudar a criança ou o adolescente com transtorno bipolar?

Por ser uma doença crônica, que não tem cura, o apoio dos pais, familiares e amigos é essencial
25/03/2024

Sociedade Paranaense de Pediatria: 90 anos em prol da saúde infantojuvenil

Berço da pediatria no Paraná, o Pequeno Príncipe se orgulha da semente plantada naquele 25 de março de 1934
Ver mais