Notificação de caso de febre amarela no Paraná exige atenção especial de toda população - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Notificação de caso de febre amarela no Paraná exige atenção especial de toda população

A imunização faz-se necessária, de acordo com a Sesa, em Curitiba, região metropolitana e litoral. A vacina contra a doença já é prevista no calendário nacional de vacinação para crianças a partir dos 9 meses – 1 ano de idade
30/01/2019

Um alerta importante: foi registrado em Antonina, município do litoral do Paraná, o primeiro caso de febre amarela no estado este ano. Desde 2015 não haviam notificações da doença, que exige atenção especial de toda população.

Com o caso do jovem de 21 anos, divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) nessa terça-feira, dia 29, além da confirmação da presença do vírus da febre amarela em macacos encontrados mortos na mesma região, a imunização faz-se necessária. “A vacinação é indicada para todas as pessoas que vivem próximas às áreas de epizootia, praticamente todo o mapa do Brasil agora.  Ela já está na rotina do calendário pediátrico para todo o Brasil a partir de 9 meses – 1 ano de idade”, explica a médica e coordenadora do Serviço de Epidemiologia e Controle de Infecção Hospitalar (SECIH) do Hospital Pequeno Príncipe, Heloisa Giamberardino.

Em situações de epidemias, lembra a especialista,  a vacina poderá ser aplicada a partir dos 6 meses até os 60 anos. “Acima dos 60 anos, poderão receber 1 dose após avaliação médica e se não estiverem em uso de medicação imunossupressora”, completa.

Em relação às crianças, a médica faz uma ressalva importante: “As que receberam 1 dose antes dos 2 anos de idade deverão fazer uma segunda dose até os 4 anos, devido ao risco de falha primária”, reitera Heloisa Giamberardino.

Mais de 4 mil pessoas foram imunizadas em  Antonina nos últimos dias. A orientação da Sesa é que os moradores de Curitiba, região metropolitana e litoral que ainda não se vacinaram contra a febre amarela procurem um posto de saúde.

Sintomas da doença
Os sintomas da doença são febre com início súbito em pessoas que nunca tomaram a vacina contra a febre amarela ou com vacinação há menos de 10 dias e que tenham passado por áreas de matas, rios ou áreas de circulação viral comprovada nos últimos 15 dias. Essas condições devem estar associadas a outros dois ou mais sinais, como cefaleia, náusea, vômitos, dor articular, dor abdominal, dor lombar, icterícia ou hemorragias.

A Sesa orienta que toda informação sobre macacos mortos e ocorrência de casos suspeitos sejam imediatamente notificados ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), que está em plantão permanente. Os telefones são (41) 99117-3500 e (41) 99917-0444.

+ Notícias

05/08/2022

Cirurgia de correção de malformação rara é realizada por Pequeno Príncipe

A correção da extrofia de cloaca foi realizada pela técnica de Kelley, considerada inovadora
04/08/2022

Cientistas estão desenvolvendo gel bucal para tratar mucosite

Principal reação adversa da quimioterapia, a mucosite oral causa intensa dor e pode ser porta de entrada para outras infecções
02/08/2022

Doenças raras é tema de mesa-redonda organizada pelo Pequeno Príncipe

A iniciativa fez parte da programação da 74.ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)
01/08/2022

Aleitamento materno favorece desenvolvimento da inteligência e estrutura da face

Especialistas do Hospital Pequeno Príncipe explicam ligação entre o neurodesenvolvimento e o crescimento ósseo adequado da face
28/07/2022

Hepatites A e B podem ser prevenidas por meio da vacinação

O Centro de Vacinas Pequeno Príncipe disponibiliza imunizantes contra essas duas formas da doença, que ocorrem de forma endêmica no Brasil
27/07/2022

Único hospital do Brasil com 35 especialidades pediátricas atrai estudantes de todo o país

Com 50 anos de existência, a residência em pediatria do Pequeno Príncipe ajuda a melhorar o déficit de especialistas em diversos estados brasileiros
Ver mais