Notificação de caso de febre amarela no Paraná exige atenção especial de toda população - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Notificação de caso de febre amarela no Paraná exige atenção especial de toda população

A imunização faz-se necessária, de acordo com a Sesa, em Curitiba, região metropolitana e litoral. A vacina contra a doença já é prevista no calendário nacional de vacinação para crianças a partir dos 9 meses – 1 ano de idade
30/01/2019

Um alerta importante: foi registrado em Antonina, município do litoral do Paraná, o primeiro caso de febre amarela no estado este ano. Desde 2015 não haviam notificações da doença, que exige atenção especial de toda população.

Com o caso do jovem de 21 anos, divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) nessa terça-feira, dia 29, além da confirmação da presença do vírus da febre amarela em macacos encontrados mortos na mesma região, a imunização faz-se necessária. “A vacinação é indicada para todas as pessoas que vivem próximas às áreas de epizootia, praticamente todo o mapa do Brasil agora.  Ela já está na rotina do calendário pediátrico para todo o Brasil a partir de 9 meses – 1 ano de idade”, explica a médica e coordenadora do Serviço de Epidemiologia e Controle de Infecção Hospitalar (SECIH) do Hospital Pequeno Príncipe, Heloisa Giamberardino.

Em situações de epidemias, lembra a especialista,  a vacina poderá ser aplicada a partir dos 6 meses até os 60 anos. “Acima dos 60 anos, poderão receber 1 dose após avaliação médica e se não estiverem em uso de medicação imunossupressora”, completa.

Em relação às crianças, a médica faz uma ressalva importante: “As que receberam 1 dose antes dos 2 anos de idade deverão fazer uma segunda dose até os 4 anos, devido ao risco de falha primária”, reitera Heloisa Giamberardino.

Mais de 4 mil pessoas foram imunizadas em  Antonina nos últimos dias. A orientação da Sesa é que os moradores de Curitiba, região metropolitana e litoral que ainda não se vacinaram contra a febre amarela procurem um posto de saúde.

Sintomas da doença
Os sintomas da doença são febre com início súbito em pessoas que nunca tomaram a vacina contra a febre amarela ou com vacinação há menos de 10 dias e que tenham passado por áreas de matas, rios ou áreas de circulação viral comprovada nos últimos 15 dias. Essas condições devem estar associadas a outros dois ou mais sinais, como cefaleia, náusea, vômitos, dor articular, dor abdominal, dor lombar, icterícia ou hemorragias.

A Sesa orienta que toda informação sobre macacos mortos e ocorrência de casos suspeitos sejam imediatamente notificados ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), que está em plantão permanente. Os telefones são (41) 99117-3500 e (41) 99917-0444.

+ Notícias

25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
21/11/2022

Pequeno Príncipe atua na prevenção da resistência aos antimicrobianos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1,3 milhão de pessoas morram a cada ano devido aos efeitos dessa resistência  
20/11/2022

Dia Mundial da Criança chama atenção à defesa de direitos

Em sua trajetória centenária, o Hospital Pequeno Príncipe desenvolve uma série de iniciativas em favor da proteção integral de meninos e meninas  
18/11/2022

Eletrofisiologia: Pequeno Príncipe é pioneiro em pediatria e mapeamento do coração em procedimento cirúrgico

O serviço também é referência no Brasil na realização de procedimentos invasivos e colocação de dispositivos eletrônicos no público infantojuvenil
Ver mais