Máscara de proteção: o uso permanece essencial em crianças - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Máscara de proteção: o uso permanece essencial em crianças

Fique atento às recomendações do especialista do Hospital Pequeno Príncipe, principalmente neste período que antecede o feriado prolongado em Curitiba
03/09/2021
As medidas de proteção já conhecidas, como distanciamento social, higiene das mãos e o uso de máscara, permanecem essenciais.

 

Às vésperas do feriado prolongado em Curitiba, o Hospital Pequeno Príncipe relembra a importância do uso de máscara de proteção em crianças. O exemplo em casa é a melhor forma de incentivar a utilização desse item, que se tornou essencial para a prevenção da contaminação e disseminação do coronavírus.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a Academia Americana de Pediatria (AAP) e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), crianças menores de 2 anos de idade não devem usar máscaras porque a salivação intensa, as vias aéreas de pequeno calibre e a imaturidade motora elevam o risco de sufocação. Entre os 2 e 5 anos, é necessária a supervisão constante.

No caso de meninos e meninas que apresentem alguma comorbidade ou transtorno comportamental, o infectologista pediátrico Victor Horácio de Souza Costa Júnior reforça que é importante a família pedir orientação ao profissional que faz acompanhamento da criança. “Neste momento, no qual as crianças ainda não são um grupo prioritário de vacinação, as medidas de proteção já conhecidas, como distanciamento social, higiene das mãos e o uso de máscara, permanecem essenciais”, enfatiza o especialista.

Cuidados importantes com o uso da máscara

  • Utilize o modelo que se adequar ao rosto da criança, cobrindo o nariz, a boca e o queixo.
  • Troque-a sempre que estiver suja e/ou úmida ou a cada duas horas.
  • Leve máscaras de reserva, em um saco plástico, sempre que precisar trocar.
  • Durante o uso, não toque na máscara, para não se contaminar.
  • Ao colocá-la ou retirá-la, faça o manuseamento apenas pelas laterais.
  • Higienize sempre as mãos antes e após tocá-la.
  • O item é de uso pessoal e não deve ser compartilhado.

 Importante: as máscaras cirúrgicas devem ser descartadas após o uso. Já as máscaras de tecido podem ser reutilizadas após a lavagem. O Ministério da Saúde recomenda deixar o item imerso em água sanitária e potável por 30 minutos (a diluição é de 10ml de água sanitária para 500ml de água potável). Após o tempo de molho, enxague em água corrente e lave com água e sabão. Depois de secar, passe o ferro quente e acondicione-a em um saco plástico. A máscara deve ser descartada ao apresentar sinais de deterioração ou funcionalidade comprometida.

 

O exemplo é essencial para adesão do uso da máscara pela criança.

Cinco dicas para ajudar seu filho a utilizar a máscara

1) Conheça o seu filho. Sempre converse com o pediatra sobre o uso do item e quais os melhores modelos.

2) Explique à criança, de forma lúdica, a importância de se proteger contra o vírus e mostre a importância do ato para o bem maior.

3) Torne as crianças parte do processo. Deixe que escolham as ilustrações e desenhos disponíveis na máscara de tecido, por exemplo.

4) Treine o uso com o seu filho. Os pais podem tentar fazer com que os filhos usem suas máscaras em casa por períodos curtos para se sentirem mais confortáveis ao sair.

5) Seja o exemplo para seu filho. Assim como os pais, as crianças também precisam entender que usar a máscara é importante para proteger si mesmo e os outros.

+ Notícias

28/05/2024

Como resgatar as brincadeiras tradicionais na era digital?

Neste Dia Mundial do Brincar, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de equilibrar o tempo de tela com atividades lúdicas
26/05/2024

Centro de Vacinas Pequeno Príncipe: 25 anos de excelência em saúde

Inovação, atendimento integral, atualização contínua, compromisso e capacitação de profissionais marcam um quarto de século da unidade
22/05/2024

Qual é a importância do vínculo afetivo na Primeiríssima Infância?

A ligação entre a criança e seus cuidadores se estabelece ainda na gravidez e se estende por um longo caminho após o nascimento
18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
Ver mais