Mais de 4 mil pulseirinhas de identificação já foram distribuídas no litoral do Paraná - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Mais de 4 mil pulseirinhas de identificação já foram distribuídas no litoral do Paraná

Desde o início da Operação Verão Maior, mais de 150 crianças já se perderam nas praias do estado
08/01/2020
As pulseirinhas de identificação são fundamentais para a segurança das crianças nas praias.

Criança na praia exige atenção redobrada dos pais e responsáveis. Para evitar que os dias de lazer e férias se transformem em dor de cabeça, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros estão distribuindo pulseirinhas de identificação em todo litoral do estado.

Desde o dia 21 de dezembro, quando teve início a Operação Verão Paraná 2019/2020 (também chamada de Verão Maior), mais de 4 mil pulseirinhas já foram distribuídas. Elas também estão disponíveis para idosos e pessoas com necessidades especiais.

Até os primeiros dias de janeiro, foram registrados mais de 150 casos de desaparecimento de meninos e meninas nas cidades litorâneas. A coordenadora do Serviço de Psicologia do Hospital Pequeno Príncipe, Ângela Bley, lembra que a atenção dos responsáveis é primordial para evitar problemas. “Além das pulseirinhas de identificação, é importante que os pais orientem os filhos a conversar com um policial ou bombeiro se  perceberem que estão perdidos. É fácil identificá-los pelo uniforme. O ideal mesmo é  que elas nunca se afastem dos responsáveis”, comenta.

Há casos de crianças encontradas a mais de dois quilômetros de distância do local de saída, pois é comum perderem a referência de onde estão. O major Luciano José Romão, subcomandante da Operação Verão Maior no litoral do Paraná, afirmou que os dados contidos na pulseira facilitam o reencontro com a família. Ele informou que os pais podem procurar os postos policiais para colocar as pulseirinhas nas crianças. “A pessoa vendo uma criança chorando, acessa a pulseira e sabe para quem ligar, o nome dela, os nomes dos pais, onde estão hospedados, vê como fazer o contato”, reforça.

A coordenadora do Serviço de Psicologia do Hospital Pequeno Príncipe, Ângela Bley, lembra que a atenção dos responsáveis é primordial para evitar problemas.
A colocação de cartazes com imagens de crianças desaparecidas é uma das ações realizadas no litoral do Paraná.

Sicride
O Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride) também está com ações no litoral paranaense durante o verão 2020. O objetivo é conscientizar os pais, orientando-os a respeito de cuidados junto às crianças, com o objetivo de evitar casos de desaparecimento.

A Polícia Civil do Paraná tem feito ações preventivas, desde o início da Operação Verão Maior, buscando contribuir para o bem-estar de crianças e adolescentes durante toda a temporada, ocasião em que muitas famílias aproveitam o litoral paranaense.  A colocação de cartazes com fotos de crianças desaparecidas em estabelecimentos comerciais e em lugares de grande circulação de pessoas, como rodoviárias, ferryboat, feiras, entre outros espaços, é outra ação realizada na temporada.

* Com informações da Rádio Paiquerê.

+ Notícias

23/05/2022

Voluntários do Pequeno Príncipe retornam às atividades presenciais

A retomada foi possível com todos os cuidados que o momento de pandemia do coronavírus ainda exige
19/05/2022

Representantes do CEDCA visitam o Centro de Reabilitação e Convivência Pequeno Príncipe

A unidade, que foi reestruturada, atende a diferentes tipos de deficiências de forma integral e humanizada
18/05/2022

Em um ano, Hospital atende mais de 600 crianças e adolescentes vítimas de violência

Em comparação com o ano anterior, o aumento de casos foi de 11%; mais da metade das ocorrências aconteceu na residência da própria criança
17/05/2022

Pequeno Príncipe inicia campanha televisiva para captação de recursos

A iniciativa busca dar mais visibilidade para a causa da saúde infantojuvenil, além de contribuir para a sustentabilidade econômico-financeira da instituição
16/05/2022

Atualização do calendário vacinal pode prevenir casos de SRAG no público infantojuvenil

Diversas doenças respiratórias podem evoluir para a síndrome aguda grave. O Pequeno Príncipe alerta que as medidas de prevenção, como a imunização, precisam ser mantidas
15/05/2022

Sintomas da mucopolissacaridose aparecem na primeira infância

A doença rara é genética e neurodegenerativa, que evolui com sintomas multissistêmicos
Ver mais