Investimento em remédios de alto custo ultrapassa R$ 2,5 milhões

Notícias

Investimento em remédios de alto custo ultrapassa R$ 2,5 milhões

Esse valor representa o custo com os dez medicamentos mais utilizados no Pequeno Príncipe e não cobertos integralmente pelo SUS
05/10/2022
remédios alto custo
Nessa lista de remédios mais caros estão os utilizados por pacientes da oncologia e de transplante de medula óssea, como a Lavínia.

 

Lavínia tem apenas 5 anos e já enfrenta uma grande batalha. Diagnosticada com um tumor no fêmur, ela está em tratamento no Hospital Pequeno Príncipe desde o início de julho. “Ela sempre foi saudável, até que um dia a perna falhou e ela caiu. Começamos a investigar, fomos a vários médicos até que nos encaminharam para o Pequeno Príncipe. Aqui fizeram vários exames e descobriram o tumor na perninha dela”, conta a mãe, Jéssica Kalaine Pierroti.

Esse tumor representa de 3% a 5% de todas as neoplasias que podem acontecer na infância. O tratamento é bastante agressivo, para impedir que o tumor se dissemine. Um dos potentes quimioterápicos utilizados no tratamento, estabelecido pelo protocolo do Grupo Latino-Americano, pode causar insuficiência cardíaca como efeito colateral. “Para prevenir quadros cardíacos, nós associamos à quimioterapia o medicamento dexrazoxano, que o Hospital adquire com recursos próprios”, explica a médica oncologista Gabriela Caus. Cada paciente precisa de oito frascos, totalizando mais de R$ 10 mil a parte do tratamento que envolve apenas esse medicamento.

O dexrazoxano é apenas um dos muitos remédios de alto custo que o Hospital compra com recursos próprios para não desamparar os pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Com o apoio de empresas, cidadãos, poderes Legislativo e Judiciário, conseguimos adquirir esses medicamentos e oferecer um tratamento mais efetivo. Dessa forma, oferecemos uma medicina mais resolutiva, melhoramos a qualidade de vida dos nossos pacientes e salvamos vidas”, enfatiza a diretora-executiva do Hospital, Ety Cristina Forte Carneiro.

Remédios de alto custo

Se considerarmos apenas a lista dos dez mais comprados, o Pequeno Príncipe investe cerca de R$ 2,5 milhões ao ano. Nessa lista estão remédios utilizados por pacientes da Oncologia e do Serviço de Transplante de Medula Óssea (TMO). “Apesar de comuns, as infecções que acometem os pacientes transplantados podem ser fatais e irreversíveis quando não tratadas com a medicação adequada e no tempo certo. As opções de medicamentos desta categoria ofertadas pelo SUS e pelas operadoras de saúde são limitadas”, revela a chefe do Serviço de TMO, Carmem Bonfim.

Ao se constatar uma infecção em pacientes imunossuprimidos recém-transplantados, os tratamentos devem ter início imediato, para evitar que fungos, vírus ou bactérias indesejados comprometam o funcionamento de algum órgão vital ou que se espalhem pelo corpo da criança de modo a tornar a infecção irreversível, caso que pode levar o paciente a óbito. “Muitos desses medicamentos são importados, e o processo de compra é mais demorado. Por isso, ter o medicamento na farmácia do Hospital para início imediato do tratamento é fundamental”, informa a médica.

  • Confira, no vídeo a seguir, a importância do apoio para compra de medicamentos:

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – Facebook, InstagramTwitterLinkedInYouTube

+ Notícias

05/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
24/11/2022

Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
23/11/2022

Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
Ver mais