Instituto de Pesquisa completa 15 anos de atuação e de valorização da ciência - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Instituto de Pesquisa completa 15 anos de atuação e de valorização da ciência

Com apoio do Pelé, o rei do futebol, o Complexo Pequeno Príncipe ousou ao investir em pesquisa. O desenvolvimento dos projetos do Instituto traz mais oportunidade de vida para crianças e adolescentes e gera valor para a comunidade
26/04/2021

A palavra ciência nunca foi tão citada em conversas, redes sociais e veículos de comunicação como hoje em dia. A busca por métodos de diagnóstico precoce e tratamentos mais assertivos tem se tornado cada vez mais urgente e necessária, e é por isso que a ciência na área da saúde tem assumido, cada vez mais, um papel fundamental. Os estudos científicos estão no DNA do Complexo Pequeno Príncipe, e nesta segunda-feira, dia 26, o Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe completa 15 anos de atuação e de valorização da ciência. Atualmente, sua equipe conta com 19 pesquisadores principais e mais de cem projetos em andamento, estruturados em sete linhas de pesquisa com o foco em doenças complexas que atingem crianças e adolescentes.

De acordo com a diretora-geral do Instituto, Ety Cristina Forte Carneiro, a ciência precisa ser prioridade em um país, pois é o motor para a inovação e o seu desenvolvimento, bem como é imprescindível para nortear políticas públicas. “A arte e a ciência são o que a humanidade tem de mais bonito, porque elas nos trazem a capacidade de transcender, de ir além, de observar por perspectivas diferentes e ampliar o conhecimento”, ressalta ela, que também é diretora executiva do Hospital Pequeno Príncipe. “Como diria Albert Einstein, o impossível existe até que alguém duvide dele e prove o contrário. E esse é o papel dos estudos científicos e o foco do trabalho desenvolvido por pesquisadores mundo afora”, completa.

Ety reforça que é por meio da ciência que se torna possível evoluir e também vencer os desafios impostos diariamente. Um exemplo de desafio é a enorme crise sanitária provocada pela pandemia do coronavírus (COVID-19), que o planeta enfrenta desde 2020. Para entender a biologia do vírus e o desenvolvimento da doença, pesquisadores de todo o mundo têm trabalhado incessantemente – somente no Instituto de Pesquisa, 13 projetos relacionados à COVID-19 têm sido realizados pela equipe da unidade. O resultado final, com benefícios proporcionados diretamente à sociedade, é o desenvolvimento de remédios eficazes para o tratamento da doença e de vacinas para a prevenção contra o coronavírus, entre outros.

E para que benefícios como esses cheguem até a população, os investimentos público e privado em ciência são fundamentais. Atualmente, a média mundial de investimento em pesquisa e desenvolvimento como parte do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), é de 2,22%. No Brasil, a média é de 1,26%.

Formação de profissionais especializados
Além do avanço do conhecimento e dos retornos científicos, sociais e econômicos proporcionados pelas pesquisas, os benefícios da ciência também são vistos na formação de profissionais altamente capacitados e na produção de inovação. No Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, por exemplo, são formados profissionais especializados em pediatria. Desde a sua implantação, a unidade do Pequeno Príncipe já formou 86 mestres e 42 doutores por meio do Programa de Mestrado e Doutorado em Biotecnologia Aplicada à Saúde da Criança e do Adolescente, oferecido em parceria com a Faculdades Pequeno Príncipe.

“Temos hoje no Brasil 13 cursos de mestrado e nove de doutorado na área de pediatria, o que representa um número inferior ao que havia no final da década de 1990. O número de cursos é pequeno para um país continental, com cerca de 60 milhões de pessoas abaixo de 18 anos, com grandes proporções e variações geográficas nos tipos e incidências das doenças da criança”, contextualiza o diretor científico do Instituto de Pesquisa, Bonald Cavalcante de Figueiredo. Ele destaca, ainda, que o programa de mestrado e doutorado do Instituto de Pesquisa é o único no Brasil com interface entre biotecnologia e pediatria. “Isto nos permite desenvolver ferramentas com inovações no diagnóstico e no tratamento, incluindo todas as áreas do conhecimento”, explica.

Importantes incentivadores
Se hoje o Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe colhe os frutos de um trabalho que beneficia milhares de crianças e adolescentes de todo o Brasil, é porque 15 anos atrás o Complexo Pequeno Príncipe ousou sonhar com fazer ciência no país. Para isso, a instituição contou com o apoio de grandes incentivadores, como o médico Nilson Santos (em memória) e a pesquisadora Mara Lúcia Cordeiro – hoje diretora de Relações Institucionais da unidade de pesquisa –, responsáveis pela aproximação do Pequeno Príncipe com Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. Ao emprestar seu nome ao Instituto de Pesquisa, Pelé tem marcado um verdadeiro gol de placa no que se refere à causa da saúde infantojuvenil.

+ Notícias

08/08/2022

Colesterol pode ser prevenido com consumo de alimentos saudáveis

O Hospital Pequeno Príncipe ressalta a importância da adoção de bons hábitos para melhor qualidade de vida desde a infância
05/08/2022

Cirurgia de correção de malformação rara é realizada no Pequeno Príncipe

A reparação da extrofia de cloaca foi feita com a técnica de Kelley, considerada inovadora
04/08/2022

Cientistas estão desenvolvendo gel bucal para tratar mucosite

Principal reação adversa da quimioterapia, a mucosite oral causa intensa dor e pode ser porta de entrada para outras infecções
02/08/2022

Doenças raras é tema de mesa-redonda organizada pelo Pequeno Príncipe

A iniciativa fez parte da programação da 74.ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)
01/08/2022

Aleitamento materno favorece desenvolvimento da inteligência e estrutura da face

Especialistas do Hospital Pequeno Príncipe explicam ligação entre o neurodesenvolvimento e o crescimento ósseo adequado da face
28/07/2022

Hepatites A e B podem ser prevenidas por meio da vacinação

O Centro de Vacinas Pequeno Príncipe disponibiliza imunizantes contra essas duas formas da doença, que ocorrem de forma endêmica no Brasil
Ver mais