Gripe fora de época? Veja como se proteger - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Gripe fora de época? Veja como se proteger

Crianças podem ser mais suscetíveis ao surto de influenza H3N2. Devido à mutação do vírus, a vacinação deve ser anual
31/01/2022

O Brasil vive uma epidemia de influenza, subtipo H3N2 (cepa Darwin), neste início de 2022, causando preocupação especialmente com as crianças, que ficam mais suscetíveis pela proximidade com outras crianças, por terem menos noções de higiene e imunidade ainda em formação. O Hospital Pequeno Príncipe alerta que a epidemia de H3N2 e o aumento geral de casos de gripe podem estar associados às festas do final de ano, viagens de férias e baixa imunização contra a gripe em 2021.

O quadro geral dessas gripes é caracterizado por coriza, tosse, irritação na garganta, dor de cabeça e dor no corpo.

As cepas mais comuns originárias do vírus influenza atualmente são a H3N2 e a H1N1. Os sintomas causados pelos vírus do grupo influenza são semelhantes e de difícil identificação clínica. O quadro geral dessas gripes é caracterizado por coriza, tosse, irritação na garganta, dor de cabeça e dor no corpo. Nos casos de infecção por influenza, o que chama mais a atenção é uma febre de início súbito e geralmente alta. Diante desses sintomas, a orientação é evitar a automedicação para não tardar o diagnóstico da doença e procurar um pediatra para a realização de exame físico e indicação de medicação adequada.

A proteção das crianças contra as infecções gripais começa pela imunização dos pais e responsáveis. Segundo o especialista, se os adultos que têm filhos pequenos não tomaram a vacina, é provável que toda a família se contamine. “Raramente vemos casos nos quais só as crianças se contaminam, geralmente os pais também estão infectados”, afirma o pediatra infectologista Victor Horácio de Souza Costa Júnior, do Hospital Pequeno Príncipe.

A epidemia de H3N2 se soma à de COVID-19, que teve um novo aumento em todo o país em função da cepa ômicron, que tem uma transmissibilidade muito maior do que as cepas anteriores. As orientações de prevenção valem para as duas situações: evitar aglomerações, usar máscara, higienizar as mãos, além de manter hábitos saudáveis como ingerir muito líquido, ter boa qualidade de sono, boa alimentação e praticar exercícios físicos.

Por que tomar a vacina da gripe todo ano?
O vírus influenza passa por mutações por se replicar muitas vezes durante um ano. Por isso, o monitoramento e a vigilância dessas replicações são fundamentais para a fabricação de vacinas eficazes para o ano vigente.

As crianças devem iniciar a imunização para a influenza a partir de 6 meses de vida.

O infectologista do Pequeno Príncipe destaca que a vacina aplicada no ano vigente protege contra as cepas que circularam no ano anterior. Porém, informa que estudos recentes do Instituto Butantan, responsável pelo imunizante distribuído pelo Ministério da Saúde, apontaram que a vacina disponibilizada em 2021, que contém a cepa H1N1, pode oferecer uma imunidade cruzada em relação à cepa H3N2.

A partir da recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), com base em informações provenientes de coleta de secreções de pessoas infectadas no mundo todo, a versão da vacina da influenza que será distribuída em 2022 pelo Ministério da Saúde é trivalente, composta pelos vírus H1N1, H3N2 e um tipo de influenza B. Na rede privada, a vacina será tetravalente, com inclusão de um segundo tipo de influenza B.

Dessa forma, em cada ano, as vacinas contra a gripe protegem contra subtipos da influenza diferentes, por isso os médicos alertam para a necessidade de vacinação anual. As crianças devem iniciar a imunização para a influenza a partir de 6 meses de vida, possibilitando que o organismo fique protegido contra a cepa com maior circulação no ano em vigor.

+ Notícias

05/08/2022

Cirurgia de correção de malformação rara é realizada por Pequeno Príncipe

A correção da extrofia de cloaca foi realizada pela técnica de Kelley, considerada inovadora
04/08/2022

Cientistas estão desenvolvendo gel bucal para tratar mucosite

Principal reação adversa da quimioterapia, a mucosite oral causa intensa dor e pode ser porta de entrada para outras infecções
02/08/2022

Doenças raras é tema de mesa-redonda organizada pelo Pequeno Príncipe

A iniciativa fez parte da programação da 74.ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)
01/08/2022

Aleitamento materno favorece desenvolvimento da inteligência e estrutura da face

Especialistas do Hospital Pequeno Príncipe explicam ligação entre o neurodesenvolvimento e o crescimento ósseo adequado da face
28/07/2022

Hepatites A e B podem ser prevenidas por meio da vacinação

O Centro de Vacinas Pequeno Príncipe disponibiliza imunizantes contra essas duas formas da doença, que ocorrem de forma endêmica no Brasil
27/07/2022

Único hospital do Brasil com 35 especialidades pediátricas atrai estudantes de todo o país

Com 50 anos de existência, a residência em pediatria do Pequeno Príncipe ajuda a melhorar o déficit de especialistas em diversos estados brasileiros
Ver mais