Gastrosquise: diagnóstico é possível pelo ultrassom na gestação

Notícias

Gastrosquise: diagnóstico é possível pelo ultrassom na gestação

O Hospital Pequeno Príncipe é referência no tratamento cirúrgico da doença, que é uma malformação rara da parede abdominal ocasionada ainda na formação do feto
25/01/2023
gastrosquise
O Hospital Pequeno Príncipe é referência em procedimentos de alta e média complexidade, como a cirurgia de correção da gastrosquise.

A gastrosquise é uma malformação congênita rara da parede abdominal, que atinge um a cada 2.500 nascidos vivos. O defeito faz com que o intestino delgado e, eventualmente, estômago e cólon fiquem expostos para fora da barriga do bebê, no líquido amniótico da mãe. As consequências podem ser graves, por isso é muito importante que, após o diagnóstico por meio do ultrassom, a partir da 12.ª semana de gestação, a família busque informação para o melhor tratamento. A doença ganhou destaque depois de as celebridades Pedro Scooby e Cintia Dicker revelarem a condição de sua filha, Aurora.

A cirurgiã pediátrica Elisângela de Mattos e Silva, do Hospital Pequeno Príncipe – referência em procedimentos de alta e média complexidade, como a cirurgia de correção da gastrosquise –, explica que, após o diagnóstico ainda na gestação, é muito importante a família contar com uma equipe multidisciplinar para atender ao caso, formada por obstetra, pediatra e cirurgião pediátrico. “Assim, algumas manobras podem ser feitas já no momento do parto para proteger o conteúdo intestinal, e o recém-nascido é direcionado a um hospital especializado com cirurgia pediátrica, anestesiologia pediátrica, UTI Neonatal e demais profissionais com experiência nesse caso”, pontua.

Diagnóstico precoce é essencial

A gastrosquise pode ser diagnosticada ainda na gestação por meio do ultrassom obstétrico e com mais detalhamento pelo ultrassom morfológico, que revela a anatomia do bebê. Segundo a médica, a causa para a malformação ainda é controversa, entretanto é mais comum que ocorra em mulheres com menos de 20 anos. “As alças intestinais são formadas para fora da barriga e durante a formação do feto ocorre a entrada das alças e o fechamento da parede abdominal. Na gastrosquise, não há esse fechamento. Por isso, na 12.ª semana, é possível diagnosticá-la”, explica a cirurgiã pediátrica.

Tratamento da gastrosquise

O tratamento deve ser o mais rápido possível, pois depois do nascimento os órgãos ficam expostos ao ambiente e suscetíveis a traumas e infecções. Por isso, assim que o diagnóstico é feito na gestação, a família deve consultar especialistas para que o parto seja realizado com o suporte adequado em centros de referência. Dependendo da gravidade do caso, o bebê pode ser submetido a mais de uma cirurgia com o objetivo de deslocar o tecido exposto e reconstruir a parede intestinal.

Como após voltar para dentro da barriga, o conteúdo do intestino está inchado, é normal que o trânsito intestinal demore para regular-se e, durante esse período, a criança precise de nutrição parenteral para alimentar-se pela veia. “Alguns bebês levam semanas ou até meses para retomar a alimentação, o que exige uma atenção especial em uma UTI Neonatal. É comum que ocorram também malformações associadas, geralmente relacionadas ao intestino, como atresia e intestino curto”, ressalta a médica.

“O prognóstico é bom quando o caso é diagnosticado durante a gravidez, tratado adequadamente com proteção do conteúdo intestinal, diagnosticadas outras possíveis complicações, com trânsito intestinal reconstituído e parede abdominal totalmente fechada”, finaliza Elisângela.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3).

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

28/05/2024

Como resgatar as brincadeiras tradicionais na era digital?

Neste Dia Mundial do Brincar, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de equilibrar o tempo de tela com atividades lúdicas
26/05/2024

Centro de Vacinas Pequeno Príncipe: 25 anos de excelência em saúde

Inovação, atendimento integral, atualização contínua, compromisso e capacitação de profissionais marcam um quarto de século da unidade
22/05/2024

Qual é a importância do vínculo afetivo na Primeiríssima Infância?

A ligação entre a criança e seus cuidadores se estabelece ainda na gravidez e se estende por um longo caminho após o nascimento
18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
Ver mais