Exposição Criando Laços é inaugurada no Pequeno Príncipe - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Exposição Criando Laços é inaugurada no Pequeno Príncipe

Obras produzidas por pacientes durante projeto incentivado pela Lei Rouanet podem ser vistas na Praça do Bibinha
20/05/2014

DSC_0479A Praça do Bibinha está decorada com obras feitas pelos pacientes do Hospital Pequeno Príncipe pelo Projeto Criando Laços, viabilizado pela Lei Rouanet. A exposição é resultado é uma série de oficinas de pintura realizadas com as crianças e adolescentes, pacientes que conheceram a história do maior clássico da literatura infantojuvenil, O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, que completou 70 anos em 2013.

Algumas obras (pinturas, colagens e colagens) também ganharam o mundo e foram selecionadas para ser expostas, a partir do dia 21 de maio, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York.

Na Praça do Bibinha, no Hospital, a Orquestra Harmônicas de Curitiba fez um show especial para a abertura da exposição na tarde do dia 20 de maio. As obras podem ser vistas até 3 de junho. Patrocinadores do projeto, pacientes, seus familiares e colaboradores curtiram a apresentação e aproveitaram para conhecer as obras de arte produzidas pelo projeto.

“Hoje vivemos em uma correria tão grande que, às vezes esquecemos de valores simples como a amizade, compaixão, amor. Através da arte, da poesia, da história do Pequeno Príncipe convidamos nossos pacientes e seus familiares a relembrarem esses valores e criarem esses laços”, explica o diretor-corporativo do Complexo Pequeno Príncipe, José Álvaro Carneiro.

Apoiadores
Mariana Malucelli Sperandio, diretora do Instituto Joel Malucelli, um dos principais apoiadores do Projeto Criando Laços, diz que um dos pilares da instituição é o incentivo à cultura, “é tão difícil vermos projetos culturais que sejam voltados para crianças. Isso que nos encantou do projeto. Encaixou direitinho com o objetivo da nossa empresa, se tiverem mais projetos assim no futuro, vamos continuar apoiando”, conta Mariana.

Diretor do Grupo Vepper, também patrocinador do projeto, Jonival Amorim conta sobre a participação da empresa no projeto, “Para a nossa empresa é muito importante ter esse lado social, não adianta trabalhar e não olhar para quem mais precisa de ajuda. É muito bom ter a oportunidade de ajudar ainda mais quando é fazendo algo diferente como o Projeto Criando Laços. É muito gratificante ver o retorno do nosso investimento e como está ajudando tantas crianças.”

A paciente Fabiele Fortes de 12 anos participou das oficinas do projeto e inclusive é uma de suas obras que estampa a capa do catálogo do projeto. Fabiele até autografou uma capa durante o lançamento da exposição, “É muito bonito ver meu trabalho exposto e na capa do catálogo, foi muito divertido participar do projeto, eu já gostava de pintar mas nunca tinha pintado numa tela, foi muito legal”, ela conta. Fabiele ainda acrescenta que passou a amar o livro O Pequeno Príncipe depois de ouvir a leitura da obra em oficinas do Projeto Criando Laços, “Eu tinha o livro em casa mas não conseguia ler sozinha por causa do meu problema de visão, agora eu conheço a história e adoro, até o meu caderno é do Pequeno Príncipe.

Para além dos muros da instituição, um grande mural transformou as paredes do prédio da Emergência SUS com um grafite inspirado no clássico infantil, bem como nas obras dos pacientes. Por meio do Criando Laços, o artista plástico, especializado em painéis de grandes formatos, André Mendes, apresenta para a cidade os personagens de O Pequeno Príncipe. São 1.000 m2 de pura arte, em um presente para a população.

O projeto Criando Laços é viabilizado pela Lei Rouanet de Acesso à Cultura, realizado pelo Ministério da Cultura e apresentado pela empresa de marketing cultural e social CGC-CSA. Tem o patrocínio das empresas Asteroide Filmes, Balflex Brasil Ltda, Bardusch Arrendamentos Têxteis Ltda., Eletrofrio Refrigeração Ltda., Grupo Veper, Impress Decor Brasil – Indústria de Papéis Decorativos, Instituto Joel Malucelli e Perkins Motores do Brasil Ltda.

Sobre a CGC-CSA
A empresa de marketing cultural e social CGC-CSA tem como foco projetos de arte, com destaque para acessibilidade. Ela abre novos espaços de atuação, promove e incentiva o acesso à cultura, valoriza artistas nacionais e contribui para a formação de plateia, levando a arte para toda a comunidade, especialmente crianças, adolescentes e familiares do Hospital Pequeno Príncipe, de Curitiba (PR). A empresa desenvolve seus projetos culturais partindo da certeza de que a arte inclui e transforma.

Sobre a Orquestra Harmônicas de Curitiba
Criada em 1979 pelos músicos Ronald Pereira da Silva e Eduardo Manoel Marques Pereira, a Orquestra Harmônicas de Curitiba já se apresentou por todo o Brasil e pelo exterior totalizando mais de 800 apresentações nestes 35 anos de existência. Composto por sete músicos, o grupo toca um repertório variado apenas utilizando harmônicas.

+ Notícias

23/05/2022

Voluntários do Pequeno Príncipe retornam às atividades presenciais

A retomada foi possível com todos os cuidados que o momento de pandemia do coronavírus ainda exige
19/05/2022

Representantes do CEDCA visitam o Centro de Reabilitação e Convivência Pequeno Príncipe

A unidade, que foi reestruturada, atende a diferentes tipos de deficiências de forma integral e humanizada
18/05/2022

Em um ano, Hospital atende mais de 600 crianças e adolescentes vítimas de violência

Em comparação com o ano anterior, o aumento de casos foi de 11%; mais da metade das ocorrências aconteceu na residência da própria criança
17/05/2022

Pequeno Príncipe inicia campanha televisiva para captação de recursos

A iniciativa busca dar mais visibilidade para a causa da saúde infantojuvenil, além de contribuir para a sustentabilidade econômico-financeira da instituição
16/05/2022

Atualização do calendário vacinal pode prevenir casos de SRAG no público infantojuvenil

Diversas doenças respiratórias podem evoluir para a síndrome aguda grave. O Pequeno Príncipe alerta que as medidas de prevenção, como a imunização, precisam ser mantidas
15/05/2022

Sintomas da mucopolissacaridose aparecem na primeira infância

A doença rara é genética e neurodegenerativa, que evolui com sintomas multissistêmicos
Ver mais