Excesso de telas na infância prejudica desenvolvimento saudável - Hospital Pequeno Principe

Notícias

Excesso de telas na infância prejudica desenvolvimento saudável

Especialista do Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre os riscos da intoxicação digital infantil e aponta estratégias de prevenção e proteção
19/11/2021
O uso das tecnologias tem efeitos na cognição, emoções, linguagem, comunicação e socialização.

 

O uso de telas por crianças e adolescentes é um tema que há tempos preocupa especialistas e muitos pais. Com a pandemia, a adoção de aulas on-line intensificou essa preocupação sobre os riscos e o Hospital Pequeno Príncipe alerta para a necessidade de definir limites para a exposição de crianças e adolescentes à internet, redes sociais, aplicativos e dispositivos como celulares, desktops e videogames – as chamadas Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs).

O neuropediatra Antônio Carlos de Farias, do Hospital Pequeno Príncipe, explica que as TICs são estímulos ambientais que interferem no desenvolvimento cerebral e mudam a forma de pensar, memorizar e fazer uma atividade. “O uso das tecnologias tem efeitos na cognição, emoções, linguagem, comunicação e socialização. Entre os principais riscos do uso abusivo estão distúrbios como a dependência, irritabilidade, ansiedade, depressão, transtorno alimentar e do ciclo de sono, obesidade, transtorno de imagem corporal, comportamentos autolesivos e abuso de substâncias, como bebidas alcoólicas, nicotina e outras drogas”, pontua.

Quando o assunto é o uso adequado das tecnologias, a família tem uma responsabilidade central. O neuropediatra expõe fatores que podem motivar as crianças e os adolescentes a utilizarem a internet e redes sociais como válvula de escape: omissão de autoridade, abandono e distanciamento. “Pais que não desgrudam do celular não percebem as vulnerabilidades que estão gerando na proteção dos seus filhos”, alerta.

Com tantas telas disponíveis e novidades tecnológicas, a negociação com as crianças é essencial. “Importante que isto ocorra de forma equilibrada, monitorada, saudável, considerando a idade e a maturidade da criança, para que não haja interferência no seu desenvolvimento cerebral, não gere problemas de saúde e tampouco a coloque em risco frente aos predadores sociais que navegam na rede”, ressalta o neuropediatra Antônio Carlos.

A família deve ficar atenta e definir limites de acordo com a faixa etária.

Limites
Para orientar famílias, educadores e pediatras sobre o uso das TICs e o seu impacto na saúde e no comportamento das crianças e adolescentes, a Sociedade Brasileira de Pediatria publicou, em 2019, o Manual de Orientação #Menos Telas #Mais Saúde. Conheça dez dessas recomendações que indicam limites para o uso de telas:
– Menores de 2 anos: evitar a exposição às telas, inclusive passivamente.
– Entre 2 e 5 anos: máximo de 1 hora por dia, sempre com a supervisão de pais e responsáveis.
– Entre 6 e 10 anos: máximo de 1 a 2 horas por dia, sempre com supervisão de pais e responsáveis.
– Entre 11 e 18 anos: máximo de 2 a 3 horas por dia para telas e jogos de videogame, e nunca permitir “virar a noite” jogando.
– Estimular o uso das tecnologias em locais comuns da casa e não de forma isolada nos quartos.
– Para todas as idades: nada de telas durante as refeições e se desconectar 1 a 2 horas antes de dormir.
– Oferecer atividades esportivas, exercícios ao ar livre ou em contato direto com a natureza, sempre com supervisão dos responsáveis.
– Nunca postar fotos de crianças e adolescentes em redes sociais públicas.
– Criar regras saudáveis para o uso dos equipamentos e aplicativos digitais e aplicar senhas e filtros apropriados.
– Evitar encontros com desconhecidos on-line ou off-line; saber o que estão jogando e sobre conteúdos de risco.

Neurologia no Pequeno Príncipe
O Serviço de Neurologia do Hospital Pequeno Príncipe é considerado um dos mais completos na área da pediatria. É formado pelo Ambulatório de Epilepsia, Ambulatório de Distúrbios de Movimento e Paralisia Cerebral, Ambulatório de Erros Inatos do Metabolismo, Ambulatório de Distúrbios de Aprendizagem e Serviço de Eletroencefalografia. Há mais de 20 anos, também oferece um setor de formação de especialistas em neurologia pediátrica, por meio da Residência em Neurologia Infantil. Atualmente, o programa de residência forma, após dois anos de treinamento, quatro especialistas por ano.

+ Notícias

29/11/2021

Nutrição pediátrica em consultório é destaque do Pequeno Príncipe Conhecimento

O assunto foi apresentado em cinco aulas com renomados especialistas na área
26/11/2021

Pequeno Príncipe vai auxiliar em ações estratégicas no Paraná na área de biotecnologia em saúde

Profissional da instituição foi convidada para integrar equipe que vai coordenar iniciativas para os próximos dez anos
26/11/2021

UTI Neonatal completa 30 anos salvando a vida de recém-nascidos complexos

Mais de oito mil bebês de todo o país já foram atendidos pela unidade que é referência para pacientes que precisam de tratamentos intensivos com equipamentos de ponta
23/11/2021

Câncer infantil: apenas 8,8% das crianças têm diagnóstico precoce da doença

Pioneiro no tratamento oncológico infantojuvenil no Paraná, Pequeno Príncipe realizou levantamento com seus pacientes entre 1998 e 2017. Neste Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil, o Hospital reforça a importância do diagnóstico precoce
19/11/2021

Representantes da Embaixada e do Consulado-Geral dos EUA conhecem o Complexo Pequeno Príncipe

Visita faz parte de ação de relacionamento entre a Associação Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro, mantenedora do Pequeno Príncipe, e o Centro Cultural Brasil-Estados Unidos de Curitiba – Inter Americano
19/11/2021

Excesso de telas na infância prejudica desenvolvimento saudável

Especialista do Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre os riscos da intoxicação digital infantil e aponta estratégias de prevenção e proteção
Ver mais