Doenças que mais acometem as crianças devido às enchentes

Notícias

Doenças que mais acometem as crianças devido às enchentes

Além da destruição, as inundações no Rio Grande do Sul também preocupam pelo grande aumento de doenças infectocontagiosas e de pele
04/06/2024
doenças acometem crianças enchentes
A catástrofe no Rio Grande do Sul preocupa pelo grande aumento de doenças que acometem as crianças devido às enchentes.

Desde o final de abril, o Rio Grande do Sul tem sofrido com chuvas intensas e inundações que já afetaram mais de 400 municípios do estado. A catástrofe preocupa também pelo grande aumento de doenças de pele e doenças infectocontagiosas como a leptospirose, que já causou a morte de quatro pessoas. Por isso, o Hospital Pequeno Príncipe esclarece quais são as doenças que mais acometem as crianças devido às enchentes.

Veja as doenças que acometem as crianças nas enchentes

Leptospirose

Além de acometer adultos, a leptospirose também é doença de criança. Ela é transmitida por meio da exposição à urina de animais, principalmente ratos, infectados pela bactéria leptospira. Essa transmissão é muito comum em locais de inundação, como no Rio Grande do Sul, por conta da contaminação da água com lama, lixo e dejetos que contém urina desses animais.

Ao apresentar sintomas da leptospirose, como febre, dor de cabeça, dores musculares, náuseas e vômitos, é fundamental buscar atendimento para iniciar o tratamento. Quando não tratada da maneira adequada, a doença pode levar a óbito.

Hepatite A

A transmissão dessa doença, que acomete o fígado, acontece principalmente pela falta de saneamento básico ou pelo contato com água ou alimentos contaminados com o vírus da hepatite A, como ocorre em locais afetados por catástrofes climáticas. Os sintomas da doença podem manifestar-se com mal-estar, fadiga, febre e dores musculares, ou com vômitos, diarreia e dores abdominais.

“A principal complicação da hepatite é a evolução para a forma fulminante da doença, fazendo com que o paciente apresente sintomas como olhos e pele amarelada e urina escura. Em caso de suspeita de contato com o vírus da doença, é fundamental buscar atendimento médico para um acompanhamento adequado”, explica o infectologista pediátrico Victor Horácio de Souza, do Hospital Pequeno Príncipe.

O médico também reforça a importância da vacinação. “Além de evitar o contato com água e alimentos contaminados, a principal maneira de prevenir a hepatite é manter o calendário vacinal em dia. Afinal, existem vacinas eficazes contra os tipos A e B da doença”, conclui.

Doenças de pele

As doenças de pele, especialmente as piodermites, também se manifestam com maior facilidade quando se está em contato com água contaminada. “Essa é uma doença infecciosa de pele e que tem um caráter de disseminação muito grande, porque são por bactérias. Elas podem passar rapidamente de pessoa para pessoa, principalmente entre as crianças”, afirma a dermatologista pediátrica Nádia Almeida, do Hospital Pequeno Príncipe.

A especialista reforça ainda que a aglomeração nos locais onde as pessoas afetadas pelas enchentes são abrigadas também favorece o aparecimento de doenças como piolho e escabiose. “Elas provocam lesões que coçam muito e que começam como se fosse uma picada de inseto, formando bolinhas de água. Depois, essas bolinhas de água crescem e vão formando crostas, criando pus, e de uma simples lesão pode acabar disseminando para o corpo todo”, diz. Em caso de contato com a água suja, é importante fazer a higienização o mais rapidamente possível e buscar atendimento médico.

Traumas psicológicos

Além das doenças infectocontagiosas e de pele, as crianças atingidas pelas cheias no Rio Grande do Sul também estão passando por um momento atípico, o que pode desencadear traumas psicológicos. Elas perderam não apenas seus pertences materiais, mas também as referências que tinham em casa, na escola e na comunidade. Por isso, estar perto de pessoas de referência é fundamental para a redução da angústia e ansiedade causadas pelas perdas.

“Diante desse cenário de catástrofe, é fundamental que essas crianças tenham a família de referência por perto. Se elas estão em abrigos, que sejam perto da sua comunidade, com as pessoas que elas já conhecem. Com isso, a gente traz uma ideia que se estuda muito na psicologia de emergência e desastres, que é a de pertencimento”, explica a psicóloga Angelita Wisnieski da Silva, do Hospital Pequeno Príncipe.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3).

Acompanhe também as redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade!
FacebookInstagramTwitter, LinkedInYouTube e TikTok.

+ Notícias

14/06/2024

II Encontro Internacional de Especialidades em Pediatria reforça a importância da educação continuada em saúde

Evento on-line promovido pelo Pequeno Príncipe contou com mais de 530 participantes de 24 estados brasileiros e do Distrito Federal
12/06/2024

Cardiopatias congênitas: diagnóstico precoce evita complicações graves

Neste Dia Nacional de Conscientização da Cardiopatia Congênita, o alerta é para os exames disponíveis para diagnóstico e à importância do tratamento adequado para cada caso
11/06/2024

Gala Pequeno Príncipe 2024 será realizado em São Paulo

Jantar com a participação das madrinhas marcou o lançamento do evento, programado para o dia 30 de setembro
10/06/2024

Semana da Coluna tem mutirão com cirurgias de alta complexidade

Oito crianças passarão por procedimentos no Hospital, que é referência nacional em ortopedia pediátrica
06/06/2024

16.ª Noite dos Chefs une gastronomia e solidariedade

O evento tradicional une gastronomia e solidariedade com o objetivo de arrecadar recursos
05/06/2024

Como trabalhar a educação ambiental desde a infância?

Neste Dia Mundial do Meio Ambiente, o Hospital Pequeno Príncipe dá dicas sobre como falar a respeito da conservação do planeta com as crianças
Ver mais