No Dia Mundial do Rim, Pequeno Príncipe alerta para a prevenção de doenças renais - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

    No Dia Mundial do Rim, Pequeno Príncipe alerta para a prevenção de doenças renais

    Atitudes simples como controlar o consumo de sal e açúcar, beber bastante água e verificar a pressão arterial com frequência estão entre os cuidados
    13/03/2014

    Logo_Dia_Mundial_Rim_novaO rim é o órgão que atua na limpeza das impurezas do sangue e é essencial para o pleno funcionamento do corpo.  De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia, um em cada dez brasileiros tem algum tipo de comprometimento nos rins e hoje cerca de 100 mil pessoas passam pelo tratamento de diálise. Os dados servem como alerta neste Dia Mundial do Rim, 13 de março.

    Um dos problemas das doenças renais é que geralmente não apresentam sinais ou sintomas aparentes. “O rim é um órgão muito resistente e a doença renal crônica se manifesta quando cerca de 70% a 80% da sua capacidade já está comprometida”, explica a nefrologista do Hospital Pequeno Príncipe, Lucimary Sylvestre.

    Pessoas de todas as idades com hipertensão arterial, diabetes e histórico familiar de problemas renais estão propensas a desenvolver doenças nos rins, por isso devem ficar atentas. Afinal, a prevenção é o melhor remédio. Veja atitudes simples que podem ser adotadas no seu dia a dia para proteger os rins:

    Crianças e adolescentes também podem sofrer de problemas renais

    Diferentemente do que muitas pessoas pensam, o público infantojuvenil também pode ser vítima das doenças renais. Na infância, os casos são considerados graves e, em extremo, podem levar à hemodiálise e ao transplante de rim. Situações que afetam também o desenvolvimento físico, intelectual, emocional e social do paciente.

    A nefrologista Lucimary Sylvestre destaca a necessidade do diagnóstico precoce para evitar que a criança ou o adolescente chegue ao Hospital com um quadro de problema renal avançado demais. “Infecção urinária, inchaço, sangue na urina, xixi na cama após os seis anos, além do histórico familiar de doenças renais são sinais em que os pais devem ficar em alerta e procurar um médico. Outro ponto importante é solicitar a verificação da pressão arterial a partir dos três anos de idade. Casos de hipertensão também podem ser sinais de doença renal”, adverte.

    Serviço de Nefrologia do Hospital Pequeno Príncipe

    _MG_4948Referência no atendimento infantojuvenil, o Hospital Pequeno Príncipe oferece há quase 30 anos o serviço de Nefrologia específico no tratamento de crianças e adolescentes. Por mês, realiza mais de 600 consultas. Cerca de 50 pacientes fazem hemodiálise e diálise peritoneal, terapias que auxiliam no tratamento da doença. Desde 1989 realiza transplantes. De lá pra cá, já totalizou 280, sendo 19 somente em 2013.

    
    

     

    + Notícias

    02/12/2022

    Mitos e verdades sobre convulsões

    Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
    29/11/2022

    Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

    Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
    25/11/2022

    Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

    O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
    24/11/2022

    Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

    A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
    23/11/2022

    Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

    Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
    21/11/2022

    Pequeno Príncipe atua na prevenção da resistência aos antimicrobianos

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1,3 milhão de pessoas morram a cada ano devido aos efeitos dessa resistência  
    Ver mais