COVID-19 e crianças: 6 orientações que você não deve esquecer - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

    COVID-19 e crianças: 6 orientações que você não deve esquecer

    A live com o vice-diretor técnico e infectologista pediátrico do Hospital Pequeno Príncipe, Victor Horácio de Souza Costa Júnior, trouxe várias questões importantes para alertar as famílias
    08/07/2021

     

    Apesar de apresentarem, estatisticamente, menos infecções por coronavírus que os adultos, as crianças também desenvolvem formas graves da doença. Paralelamente a isso, a vacinação para o público infantojuvenil ainda está sem previsão de começar no Brasil. Por essa razão, as medidas de prevenção básicas continuam sendo essenciais. Assuntos como esses foram abordados na live com o vice-diretor técnico e infectologista pediátrico do Hospital Pequeno Príncipe, Victor Horácio Costa Junior, sobre COVID-19 e crianças.

    A seguir, confira as seis orientações que você não deve esquecer em relação ao tema:

    1. Cuidado entre os adultos é a melhor forma de proteger a população pediátrica
    Até a vacinação estar disponível para as crianças e os adolescentes, é muito importante que os adultos fiquem atentos à sua etapa de imunização. Quando chegar sua hora de tomar a primeira e/ou a segunda dose, organize-se para recebê-la. Além disso, é essencial ficar atento aos protocolos de proteção, como evitar aglomerações, manter o distanciamento social, utilizar máscara e realizar a higiene das mãos. É importante lembrar que essas medidas de prevenção são necessárias enquanto não houver, pelo menos, 70% da população vacinada e um tratamento eficaz contra a COVID-19.

    2. O exemplo da família ao utilizar máscara favorece o uso por parte da criança
    Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), da Academia Americana de Pediatria (AAP) e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), crianças menores de 2 anos de idade não devem usar máscaras porque a salivação intensa, as vias aéreas de pequeno calibre e a imaturidade motora elevam o risco de sufocação. No caso de meninos e meninas que apresentam alguma comorbidade ou transtorno comportamental, é importante que a família peça aconselhamento do profissional que faz acompanhamento da criança. Entre os 2 e 5 anos, existe necessidade de supervisão constante. Somente a partir dos 6 anos o uso é recomendado sem supervisão. Vale lembrar que a máscara deve ser trocada sempre que estiver suja e/ou úmida, ou a cada duas horas, manuseando-a pelas laterais e higienizando as mãos antes e após tocá-la.

    3. Sintomas do coronavírus em crianças são particulares, e pais devem ficar atentos
    As crianças podem desenvolver quadros leves, moderados, graves ou críticos de COVID-19. Os sintomas podem variar, com ou sem febre, coriza (secreção no nariz), infecção na garganta, tosse seca e, nos quadros graves, dificuldade respiratória. Diferentemente dos adultos, os meninos e meninas não manifestam que não sentem cheiro ou sabor, mas não querem comer. As manifestações podem ser diferentes também, com manchas na pele, problemas gastrointestinais, quadros renais, entre outros. Por isso, é importante que a família fique atenta às manifestações fora do padrão e não pratique a automedicação, entre em contato com um pediatra ou leve a criança ao pronto-atendimento para ser examinada, fazer o exame, se necessário, e tomar todas as medidas de precaução. Hoje, com a pandemia do coronavírus, todos os sintomas respiratórios precisam ser investigados. Quando o diagnóstico é precoce, é possível uma evolução favorável para as crianças.

    4. O retorno presencial às aulas deve ser discutido entre pais, responsáveis e profissionais de saúde
    O retorno às atividades escolares deve ser seguro e não expor ao risco professores nem os alunos. É imprescindível que as escolas adotem as medidas sanitárias estabelecidas pelos órgãos de saúde do estado e/ou município. Além disso, é importante que a família possa escolher o modelo presencial ou híbrido. As crianças com sintomas sugestivos da COVID-19 ou que tiveram contato com pessoas com suspeita ou confirmação da doença não devem frequentar a escola, assim como meninos e meninas aos quais os profissionais de saúde não orientem o retorno devido à condição clínica, física e/ou mental.

    5. Atividades e esportes coletivos que gerem aglomeração não são recomendados
    Na pandemia do coronavírus, o distanciamento social deve ser mantido. Por isso, esportes, de uma maneira geral, não são recomendados. Isso porque a transmissibilidade pode ser maior – e mesmo casos assintomáticos podem transmitir a doença. No caso de duas crianças com máscara, uso de álcool gel e ambiente arejado, é permitida a brincadeira, seguindo os cuidados necessários.

    6. O acompanhamento médico é essencial, mesmo com a pandemia
    Desde o início da pandemia, o Pequeno Príncipe tomou uma série de atitudes que fazem com que colaboradores, familiares e pacientes se sintam seguros. As crianças que chegam ao Hospital com suspeita de contaminação pelo coronavírus são isoladas das demais. Mas o pediatra também alerta que, apesar da pandemia, outras doenças continuam surgindo. A situação atual fez com que todos entrassem em sinal de alerta, porém o acompanhamento de crianças com doenças crônicas, de crianças saudáveis, mas que precisam de avaliação de rotina, e também do calendário de vacinação precisa continuar. A falta de cuidado expõe os meninos e meninas a doenças que podem ser prevenidas. O Pequeno Príncipe e os profissionais estão preparados e capacitados para receber e acompanhar seu filho com a segurança e o cuidado necessários que o momento exige.

    Confira a live na íntegra no canal do Hospital Pequeno Príncipe no YouTube:

    Programe-se para a próxima live
    Com o intuito de promover o conhecimento técnico-científico, o Pequeno Príncipe transmitirá uma live para o público esclarecer as principais dúvidas de otorrinolaringologia na infância e adolescência. O médico e chefe do Serviço de Otorrinolaringologia do Pequeno Príncipe, Lauro João Lobo Alcântara, abordará informações importantes aos pais, responsáveis e cuidadores. Voltada ao público em geral, a iniciativa visa a trazer informações de qualidade e reforçar a missão do maior hospital exclusivamente pediátrico do Brasil em promover a saúde da criança e do adolescente. A transmissão ao vivo será realizada nesta sexta-feira, dia 9, a partir das 13h, em perfil institucional no Facebook e YouTube. As perguntas podem ser enviadas anteriormente via redes sociais do Hospital.

     

     

     

    + Notícias

    27/01/2023

    Hanseníase: atenção aos sinais e sintomas auxilia diagnóstico

    Neste Dia Mundial de Combate à Hanseníase, o Hospital Pequeno Príncipe reforça a importância de se buscar os serviços de saúde logo no aparecimento dos primeiros sinais e lembra que a doença tem cura
    25/01/2023

    Gastrosquise: diagnóstico é possível pelo ultrassom na gestação

    O Hospital Pequeno Príncipe é referência no tratamento cirúrgico da doença, que é uma malformação rara da parede abdominal ocasionada ainda na formação do feto
    23/01/2023

    Saiba tudo sobre viroses em crianças

    Hospital Pequeno Príncipe chama atenção de famílias para quadros virais comuns durante o verão
    20/01/2023

    Como cuidar da saúde mental na infância e adolescência?

    O Hospital Pequeno Príncipe chama atenção para o tema e sugere atitudes de pais e responsáveis para contribuir com seus filhos
    18/01/2023

    Centro de Reabilitação e Convivência Pequeno Príncipe atende de forma integral crianças e adolescentes com deficiência

    A unidade conta com laboratório de marcha, parque adaptado e sala de realidade virtual
    16/01/2023

    ALTA COMPLEXIDADE | Serviço de Radiologia Intervencionista

    A especialidade trata doenças complexas em procedimentos minimamente invasivos. Saiba mais sobre o serviço na série de alta complexidade
    Ver mais