Colesterol alto também é coisa de criança - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

    Colesterol alto também é coisa de criança

    Hospital Pequeno Príncipe alerta e dá dicas aos pais sobre cuidados e prevenção no Dia Nacional de Combate ao Colesterol
    08/08/2019

    No Dia Nacional de Combate ao Colesterol, celebrado neste 8 de agosto, o Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre os riscos das altas taxas em crianças. A atenção com a saúde dos pequenos também é o tema central da Campanha de Combate ao Colesterol 2019, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Com o slogan “O colesterol alto do seu filho não é brincadeira. Proteja sua família. Procure seu pediatra ou seu endocrinologista”, a campanha pretende estimular o diagnóstico e o tratamento precoce.

    Cuidados com a alimentação fazem a diferença na infância.

    Em crianças, a união de estilo de vida desequilibrado – má alimentação e sedentarismo – e a genética podem favorecer o aumento dos níveis de colesterol ruim ou triglicérides no sangue, o que pode representar uma ameaça à saúde. “O alto colesterol está diretamente associado ao maior risco de infarto e acidente vascular cerebral. E a formação de placas de gordura nas artérias pode começar ainda na infância e levar às doenças cardiovasculares no futuro”, explica a endocrinologista pediatra do Hospital Pequeno Príncipe, Gabriela Kraemer.

    De acordo com a médica, como o colesterol elevado em geral não causa sintomas, a indicação é que o primeiro perfil lipídico seja realizado a partir de 10 anos. Já em crianças com doenças crônicas, obesidade, diabetes, problemas renais ou autoimunes, assim como naquelas com histórico familiar de doença cardiovascular precoce (antes dos 50 anos) ou com histórico familiar desconhecido, a recomendação é que os exames de colesterol sejam feitos a partir dos 2 anos.

    Maus hábitos
    Além dos fatores genéticos, a pediatra acredita que uma das explicações para os níveis elevados de colesterol em crianças são os maus hábitos alimentares em geral e o mau entendimento dos rótulos de produtos com gordura trans. “Quando a mãe lê zero, ela entende que o alimento é livre desse tipo de gordura, o que não é verdade”, diz. A legislação admite que o fabricante diga que seu produto tem “0% de gordura trans” quando tem até 0,2 g por porção. Com isso, a criança é liberada a consumi-los. A gordura trans é encontrada na margarina, bolachas (especialmente as recheadas), batatas fritas, sorvete e salgadinhos de pacote e frito, fast-foods, empanados (tipo nuggets) e embutidos (salsicha, por exemplo). E os seus efeitos no corpo não fazem nada bem à saúde, pois além de aumentar o colesterol ruim, reduz o bom.

    “Não há alimentos proibidos, o problema está na quantidade de gordura consumida. Os pais e os avós querem demonstrar carinho e sempre oferecem alguma coisa para a criança comer. Mas sugerimos algumas trocas, no lugar da balinha, dê uma figurinha. Troque a bolacha por uma fruta, o bolo pronto por um bolo caseiro. Ao invés de levar a criança para tomar um sorvete, leve-a para brincar no parque”, aconselha.

    O tratamento inicial para uma criança com colesterol alta se baseia em mudanças de estilo de vida, com aumento da prática de atividade física e adequação da dieta. Se essas medidas não surtirem efeito, o tratamento com remédios pode ser recomendado. “Por isso o acompanhamento de um pediatra e/ou endocrinologista é fundamental”, ressalta a endocrinologista. Ela lembra ainda que, para melhores resultados, é importante que a criança entenda seu diagnóstico. “Os pais devem explicar a ela o que acontece com seu organismo de forma acessível, para que ela se sinta envolvida no tratamento e aceite melhor as mudanças alimentares e de estilo de vida”, finaliza a médica.

    Mudança de hábito

    Seguem algumas dicas de alimentação e hábitos saudáveis para as crianças:
    1. Escolha bebidas saudáveis e evite bebidas açucaradas.
    2. Aposte em frutas e legumes, produtos lácteos com baixo teor de gordura, alimentos ricos em fibras (por exemplo, grãos integrais) e com baixo teor de sódio.
    3. Preste atenção no tamanho das porções e limite as refeições em restaurantes de fast-food, os níveis de triglicérides aumentam com a ingestão de carboidratos em excesso. Por isso, alimentos ricos em açúcar e carboidratos simples devem ser controlados.
    4. Incentive seu filho a praticar alguma atividade física regularmente.
    5. Limite a no máximo duas horas por dia o tempo que seu filho passa na frente de uma tela, seja assistindo à televisão, jogando videogames ou usando o computador.
    6. Converse com seu filho sobre os perigos do tabagismo (fumar é um dos fatores de risco).
    7. Seja um modelo exemplar para o seu filho. Por exemplo: coma alimentos saudáveis e participe de atividades físicas em família.

    + Notícias

    02/12/2022

    Mitos e verdades sobre convulsões

    Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
    29/11/2022

    Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

    Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
    25/11/2022

    Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

    O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
    24/11/2022

    Pequeno Príncipe vence o Prêmio Líderes Regionais Paraná 2022

    A instituição foi premiada na categoria ESG – Responsabilidade Social. O reconhecimento destaca empresas, organizações e empresários que contribuíram para o desenvolvimento do estado
    23/11/2022

    Câncer pediátrico: diagnóstico precoce pode salvar até 84% dos pacientes

    Referência nacional no tratamento de doenças onco-hematológicas há meio século, Hospital Pequeno Príncipe alerta sobre sintomas
    21/11/2022

    Pequeno Príncipe atua na prevenção da resistência aos antimicrobianos

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 1,3 milhão de pessoas morram a cada ano devido aos efeitos dessa resistência  
    Ver mais