Cirurgia Cardiovascular é referência no atendimento a neonatos

Notícias

ALTA COMPLEXIDADE | Cirurgia Cardiovascular em recém-nascidos é referência

Hospital Pequeno Príncipe é o segundo do país que mais realiza esse tipo de procedimento
09/11/2022
Cirurgia cardiovascular do Pequeno Príncipe
A cirurgia cardiovascular é realizada em recém-nascidos para reparar malformações congênitas

Referência nacional no atendimento de recém-nascidos, o Pequeno Príncipe faz mais de 60 procedimentos cirúrgicos por ano nessa faixa etária, sendo uma das três instituições que mais realiza esse procedimento no Brasil. As cirurgias cardiovasculares pediátricas em bebês geralmente são realizadas para reparar malformações congênitas (a criança nasce com elas). Esse é um serviço de alta complexidade, pois envolve o tratamento de doenças do coração e dos vasos sanguíneos.

No Pequeno Príncipe são duas equipes compostas por 12 cirurgiões cardíacos pediátricos. O Hospital tem estrutura própria de internamento, uma sala cirúrgica exclusiva, além de 18 leitos de terapia intensiva e, em 2021, realizou 643 cirurgias e 2.031 procedimentos em crianças e adolescentes.

“Nos bebês o procedimento é mais complexo, pois a volemia da criança, quantidade total de sangue, é muito menor em relação ao volume necessário, trazendo maiores consequências à função pulmonar, renal, hepática e mesmo cardíaca. Qualquer instabilidade, como a perda do sangue, que já é restrito devido ao tamanho do paciente, traz grandes consequências”, detalha o cirurgião cardiovascular responsável por uma das equipes do serviço, Fábio Binha Navarro.

O Pequeno Príncipe realiza cerca de 90 procedimentos cirúrgicos por ano em neonatos
Referência nacional, o Pequeno Príncipe realiza cerca de 90 procedimentos cirúrgicos por ano em neonatos.

Para cada paciente, um tratamento diferente

As cirurgias cardiovasculares são divididas em corretivas e paliativas. Nas primeiras, o objetivo é reparar os defeitos do coração. Nas paliativas, a finalidade é melhorar as condições do paciente antes da realização de uma correção definitiva.

As doenças que exigem esse tipo de cirurgia podem ser congênitas (a criança nasce com elas) ou adquiridas (surgindo ao longo da vida). Cada uma tem uma urgência diferente para o procedimento cirúrgico. Nas cardiopatias simples ou de média complexidade, a criança pode esperar alguns meses ou anos para realizar a correção. Nas malformações de alta complexidade, as mais graves, o recém-nascido precisa passar pelo procedimento o quanto antes. Quem determina é o médico cardiologista pediátrico.

“Mesmo que seja uma cirurgia relativamente simples, ela vai envolver alterações no pulmão, nos rins, no intestino e no próprio coração. A cirurgia cardíaca envolve todos esses subsistemas. Cada paciente tem uma peculiaridade”, realça o cirurgião cardiovascular pediátrico Wanderley Saviolo Ferreira.

Transplante cardíaco

Credenciado no Ministério da Saúde para realizar transplantes cardíacos desde 1999, o Pequeno Príncipe realizou em 2021 dois procedimentos desse tipo e 45 transplantes de válvulas cardíacas. Até o final de outubro de 2022, 584 crianças e adolescentes – de 0 a 17 anos – aguardavam por um coração, de acordo com o Sistema Nacional de Transplantes.

A complexidade desse tipo de procedimento começa na fila de espera, já que crianças só podem receber o órgão com o mesmo tipo sanguíneo e com peso igual ou até três vezes superior ao do doador. Por isso, a importância da cultura de doação de órgãos e tecidos estar presente na consciência da sociedade.

Em 2021, foram realizadas 643 cirurgias e 2.031 procedimentos em crianças e adolescentes no Hospital Pequeno Príncipe
Em 2021, foram realizadas 643 cirurgias e 2.031 procedimentos em crianças e adolescentes.

Equipamentos modernos

Entre os dispositivos de alta tecnologia que estão à disposição do Serviço de Cirurgia Cardiovascular está a máquina de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO), que é usada em cirurgias cardíacas mais complexas (quando a criança tem mais de uma malformação) ou em pacientes que eventualmente tenham disfunção cardíaca ou pulmonar depois da cirurgia.

“O uso do ECMO varia de acordo com a complexidade da cirurgia e da doença. Por exemplo, uma criança que tem uma disfunção pulmonar, que é o desempenho respiratório abaixo do desejado, depois da cirurgia, pode utilizar esse tipo de assistência temporariamente, até o funcionamento ser restabelecido. A terapia mantém o suporte respiratório e hemodinâmico”, informa o cirurgião cardiovascular pediátrico Gustavo Klug.

O Pequeno Príncipe conta também com a máquina de circulação extracorpórea, que é um dispositivo em que o sangue do paciente é transportado para fora do organismo, total ou parcialmente. “A máquina remove o dióxido de carbono e adiciona oxigênio. Depois disso, o sangue passa por um filtro que remove as bolhas de ar antes de retornar para o corpo por meio da artéria aorta. Isso permite que todos os tipos de cirurgias cardiovasculares sejam realizados, dos mais simples aos mais complexos”, explica o cirurgião cardiovascular responsável por uma das equipes do serviço, Fábio Said Sallum.

A cirurgia cardiovascular pediátrica é uma especialidade de alta complexidade responsável pelo tratamento estrutural de doenças do coração e dos vasos sanguíneos, as quais são divididas em congênitas ou adquiridas
A cirurgia cardiovascular pediátrica é uma especialidade de alta complexidade responsável pelo tratamento estrutural de doenças do coração.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Saúde e Bem-Estar (ODS 3). 

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube

+ Notícias

18/05/2024

Aumentam registros de violência contra crianças e adolescentes

Nas últimas duas décadas, foram mais de nove mil pacientes atendidos no Hospital Pequeno Príncipe por maus-tratos; violência sexual predomina
17/05/2024

Pequeno Príncipe mobilizado pelo Rio Grande do Sul

Iniciativas vão desde teleconsultas a crianças e adolescentes em parceria com hospital gaúcho até mobilização de profissionais
15/05/2024

Como falar sobre as enchentes com as crianças?

Hospital Pequeno Príncipe destaca a importância de agir com sensibilidade e estar atento aos sinais de sofrimento manifestados pelos pequenos
13/05/2024

É normal a criança ter amigos imaginários?

A criação desses personagens é comum no desenvolvimento infantil, mas veja alguns sinais que indicam atenção a essa prática
09/05/2024

Ministra da Saúde visita área onde será o Pequeno Príncipe Norte

Nísia Trindade de Lima destacou a importância do projeto e da instituição para a saúde infantil do país
07/05/2024

Hospital se destaca em encontro internacional por ações ambientais

Instituição é a única entre as organizações de 12 países a ter um indicador em saúde ambiental 
Ver mais