Bullying: reconhecer é o primeiro passo para combater a violência

Notícias

Bullying: reconhecer é o primeiro passo para combater a violência

Relações sociais com generosidade, afeto e respeito são essenciais na prevenção de casos
03/05/2023
Bullying
É importante que todos trabalhem juntos para prevenir e combater o bullying, criando um ambiente seguro e respeitoso para todos.

 

O bullying pode surgir como consequência da dificuldade em lidar com as diferenças e com os limites. Considerado uma forma de violência, esse tipo de comportamento pode comprometer as habilidades sociais e o estado emocional, principalmente de crianças e adolescentes, gerando a eles prejuízos em curto e longo prazo.

As condições de convívio familiar e social em que os meninos e meninas estão inseridos podem prejudicar a percepção sobre a violência, dificultando que reconheçam quando uma reação do colega foge do esperado. Por isso, o Hospital Pequeno Príncipe destaca cuidados essenciais para combater o bullying, com informações da psicóloga Daniela Prestes.

Reconhecer o bullying é o primeiro passo

É importante que a família e a própria criança ou adolescente saibam identificar quando um comportamento não é saudável. Baixo rendimento escolar, alterações nos hábitos alimentares e no sono, isolamento, tristeza, medo, ansiedade e baixa autoestima são alguns dos sinais que podem surgir nas vítimas de bullying.

Algumas crianças são alvo desse tipo de violência por conta de sua aparência, deficiência, condição socioeconômica, entre outros fatores. Por serem rejeitadas pelos colegas, as vítimas tentam isolar-se e camuflar-se, usando roupas largas ou disfarçando sua aparência, para evitar que se tornem um alvo, por exemplo.

Por outro lado, quem pratica o bullying com os colegas também pode vivenciar comportamentos agressivos em casa. Para a psicóloga Daniela Prestes, essas situações exigem diálogo e escuta, para que os pais identifiquem as motivações para a prática.

“Os responsáveis podem experimentar um exercício de empatia com os filhos, fazendo com que a criança ou adolescente se coloque no lugar do colega vítima de bullying. Esse tipo de comportamento muitas vezes é dissimulado de brincadeira, mas as consequências são reais e podem trazer muitos prejuízos emocionais e físicos para a vítima”, pontua.

Atenção no ambiente escolar

É no ambiente escolar que as habilidades sociais e emocionais são aprofundadas, por isso o espaço merece atenção de familiares e profissionais da educação. O assunto deve ser abordado nas escolas para que as crianças tenham mais oportunidades de aprender a reconhecer a situação e encontrar estratégias para lidar com a violência, além de saber quando buscar ajuda de professores, psicólogos, orientadores ou pais.

É importante que todos trabalhem juntos para prevenir e combater o bullying, criando um ambiente seguro e respeitoso para todos. “Caso o comportamento inadequado esteja ocorrendo na escola, que infelizmente é um ambiente comum para situações de bullying, é preciso que haja uma rede de apoio para combater a violência. A instituição escolar e a família devem se posicionar, chamando tanto a vítima quanto o agressor para conversar e ajudá-los”, explica.

Além disso, trabalhar o assunto com aqueles que foram espectadores também é necessário – evitando que incentivem o comportamento inadequado ao se depararem com uma situação de bullying. “A escola deve chamar todos para conversar, estimulando uma cultura de paz dentro da instituição. Essas ações podem se estender além do ambiente escolar e contribuir para que as crianças e adolescentes levem essas discussões para dentro de casa e para outros contextos”, finaliza Daniela.

O Pequeno Príncipe é signatário do Pacto Global desde 2019. A iniciativa presente nesse conteúdo contribui para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS): Educação de Qualidade (ODS 4). 

Acompanhe os conteúdos também nas redes sociais do Pequeno Príncipe e fique por dentro de informações de qualidade – FacebookInstagramTwitterLinkedIn e YouTube.

+ Notícias

20/02/2024

Crianças podem ter uma dieta vegetariana?

A prática é adequada em qualquer fase da vida, mas é preciso garantir o consumo de todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento infantil
15/02/2024

Quando levar a criança ao dermatologista?

Hospital Pequeno Príncipe destaca quais são as doenças de pele mais comuns e os cuidados desde a infância
08/02/2024

Serviço de Gastroenterologia do Pequeno Príncipe completa 30 anos

A especialidade da instituição é considerada a mais importante do Paraná e uma das principais do país na área da pediatria
07/02/2024

Dicas para facilitar a mudança de escola de crianças e adolescentes

Ao seguir estas estratégias, os pais podem desempenhar um papel crucial no apoio emocional e na facilitação da adaptação de seus filhos
01/02/2024

Presidente da Representação Central Ucraniano-Brasileira visita Pequeno Príncipe

Vitório Sorotiuk agradeceu as ações humanitárias realizadas pelo Hospital
01/02/2024

O que é a síndrome de Patau?

A doença não tem cura, mas o acompanhamento de uma equipe médica multidisciplinar pode melhorar a qualidade de vida
Ver mais