Brasil começa a se destacar no cenário de publicações científicas - Hospital Pequeno Príncipe

Notícias

Brasil começa a se destacar no cenário de publicações científicas

Líder na América Latina, país ainda tem espaço para melhorar no cenário mundial
19/04/2013

Os países conhecidos como Brics (Brasil, Rússia, Índia e China – alguns também gostam de acrescentar a Coréia do Sul à lista) estão em franca ascensão no cenário mundial de publicações científicas. Essa é conclusão da mesa redonda “Investimentos, incentivos e crescimento em publicações científicas: Brasil, Canadá, China, França, Índia, Itália e Estados Unidos” realizada hoje (19 de abril) no II Simpósio Internacional de Nanobiotecnologia, organizado pelo Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, em Curitiba.

Os Brics, na opinião dos pesquisadores, ainda não têm tanto papel de destaque (com exceção da China, que em pouco tempo deve ultrapassar os EUA em número de publicações), mas têm espaço para crescer e meios de melhorar sua infraestrutura. Por outro lado, países como os EUA, Canadá e países europeus já alcançaram níveis altos de produção e qualidade. Há pouco espaço para o crescimento e o melhoramento de uma estrutura que já é excelente. Embora estejam entre os melhores do mundo, estão estagnados.

A perspectiva futura é a de que a produção científica dos países mais desenvolvidos diminua. Os atuais problemas econômicos mundiais estão impactando os investimentos em pesquisas científicas, como ressaltado pelo doutor Roberto Rosati, médico italiano que desenvolve seu trabalho no Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, em Curitiba.

Porém, os chamados países de primeiro mundo têm muito a ensinar. Desde o volume de investimento financeiro por parte do governo, das universidades e de instituições privadas até a preocupação com uma melhora qualitativa, não apenas quantitativa da produção científica. De acordo com o pesquisador canadense que trabalha no Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, Adam Smith, seu país de origem investe quase o dobro em pesquisa científica que o Brasil, apesar de uma população menor.

O médico e pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto e representante da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), João Pereira Leite, observa que o Brasil praticamente triplicou seu orçamento para a pesquisa científica nos últimos cinco anos, especialmente com o início do programa Ciências sem Fronteiras. Mesmo com o investimento, ainda está longe dos primeiros do mundo em influência, embora seja o 13º em número de publicações.

Na América Latina, o país é destaque e tem ainda um potencial incrível para crescer e melhorar. “Há 30 anos, o Brasil vem construindo um histórico em publicações científicas e agora realmente tem presença no cenário mundial”, finaliza o canadense Donald Samulack, que é presidente nos EUA da Cactus (empresa internacional que auxilia e orienta profissionais e pesquisadores em suas publicações).

+ Notícias

07/12/2022

5 dicas para manter uma alimentação saudável nas férias

O Hospital Pequeno Príncipe relembra a importância de cuidar de alguns hábitos nesta época do ano
06/12/2022

Espetáculo de Natal vai alterar o trânsito no entorno do Hospital

As apresentações do “Papai Noel na Sumiçolândia” acontecerão nos dias 9, 10 e 11 de dezembro, às 21h, na fachada histórica da instituição
05/12/2022

Serviço de Ortopedia do Pequeno Príncipe é referência em tratamento de doenças e síndromes complexas

Em 2021, o serviço realizou 17.249 procedimentos cirúrgicos, além de 13.040 consultas ambulatoriais
02/12/2022

Mitos e verdades sobre convulsões

Distúrbio que provoca grande apreensão nos pais, as convulsões precisam de acompanhamento médico
29/11/2022

Dia de Doar: renúncia fiscal tem potencial de arrecadar até R$ 8 bilhões

Data criada há 20 anos nos Estados Unidos pretende fortalecer cultura de doações no Brasil. Doações via Imposto de Renda podem ser feitas até dia 29 de dezembro
25/11/2022

Hemodinâmica: cateterismo evita cirurgias de grande porte em neonatos

O serviço do Hospital Pequeno Príncipe é referência nacional em pediatria e, em 2021, realizou 297 cateterismos
Ver mais